Bem vindos ao Dakota Johnson Portugal, única e melhor fonte de informações sobre a atriz Dakota Johnson, mais conhecida por dar a vida à personagem Anastasia Steele em as “Ciquenta Sombras”, em Portugal. Aqui vais encontrar todo o tipo de notícias, desde aparições, novos projetos, cada detalhe dos seus trabalhos, entrevistas e muito mais. Não somos a Dakota e não mantemos qualquer tipo de contato com a mesma. Não temos contato com os seus agentes, familiares ou amigos. Todo o conteúdo encontrato no site pertence ao site até que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucatrivos. Visita cada página e volta sempre!

A atriz foi fotografada ontem, 02, em quanto fazia uma pausa nas filmagens de “Am I OK?” em Los Angeles.

As filmagens começaram na segunda-feira e supostamente irão durar apenas 20 dias.

Podem conferir em baixo as fotos da Dakota na nossa galeria:




Durante as últimas semanas de Janeiro o elenco e equipa de “Our Friend“, concederam entrevistas para promoverem o filme.

Recentemente a atriz Isabella Kai, que interpreta Molly em “Our Friend”, comentou como foi conhecer e trabalhar com a Dakota durante as filmagens.

Confiram um pequeno excerto da entrevista traduzida!

“A Dakota e eu temos uma relação muito especial dentro e fora dos ecrãs, então isso tornou as nossas cenas ainda mais reais.”

Como foi atuar ao lado de atores experientes como Dakota Johnson, Casey Affleck e Jason Segel?

IK: Eu literalmente teria passado um segundo na tela para trabalhar com esses três atores incrivelmente talentosos. Em primeiro lugar, sinto-me humilde por essa experiência e eternamente grato por ela. Todos eles são ótimas pessoas e tenho a sorte de conhecê-los todos. Adorei trabalhar com eles, e cada dia com eles era especial.

Dakota e eu conectamos instantaneamente. Eu senti como se a conhecesse desde sempre, e isso porque ela é tão magicamente incrível. Ela está sempre lá para mim, sempre, e esteve no set, durante nossos dias mais difíceis. A Dakota lembra-me da minha própria mãe de uma maneira que ambas adoram viver a vida em sua plenitude e se divertir fazendo isso. Essa é uma das coisas que aprendi com a atuação de Dakota é que ela pode ser brincalhona em um minuto e então ter a performance mais insanamente incrível no minuto seguinte. Ela é tão boa, é uma loucura. Ela é minha amiga para sempre.

 

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Recentemente durante a press de “Our Friend“, a Dakota concedeu uma entrevista exclusiva à Repubblica, onde a atriz falou sobre o seu próximo projeto “The Lost Daughter” e também sobre talvez voltar a trabalhar com o Luca Guadagino.

Confiram a entrevista traduzida:

“Aprendi o que é ser compassiva e prestativa com os outros.”

Dakota Johnson fala sobre o seu novo filme, “Our Friend”. 31 anos, filha de Melanie Griffith e Don Johnson, neta de Tippi Hedren, a lendária atriz de “Os Pássaros”, Dakota Johnson tornou-se quase mais famosa do que os seus ilustres pais graças à franquia de “50 Sombras de Grey” no papel de Anastasia Steele.

Recentemente lançado nos Estados Unidos, “Our Friend” conta a história verídica de uma mulher, Nicole Teague, e sua batalha desesperada contra o cancro e o sacrifício que exige de toda a família. O melhor amigo do casal (interpretado por Jason Segel) larga tudo para cuidar do casal e das filhas durante a batalha de Nicole. Baseado no artigo escrito pelo marido, Matthew Teague (Casey Affleck no filme), publicado em 2015 na Esquire, nos Estados Unidos, o filme é considerado uma espécie de variação moderna de “Tearms of Endearment”, (o famoso filme vencedor do Oscar de 1984).

“Interpretar uma pessoa que encara a morte ensinou-me como você tem que ser corajoso para estar realmente atento a si mesmo e aos outros, porque a ideia de que a vida pode ser tão curta é assustadora”, explica a atriz através Zoom de sua casa em Malibu, “talvez o amor e a compaixão não salvem a sua vida, mas certamente a vida de outras pessoas que você ama.”

“Our Friend” também fala sobre o valor da amizade: você tem amizades duradouras e profundas?

DJ: Eu diria que sim: a minha melhor amiga está comigo desde que éramos pequenas. Crescemos de forma diferente, tomamos diferentes trajetórias na vida, mas ela continua sendo uma das coisas mais preciosas para mim. Nas amizades, você expressa o melhor de si mesmo, acredito, pode se dar ao luxo de ser corajoso, correr riscos e ser altruísta e compassivo ao mesmo tempo.

Você já teve experiências diretas com a perda de entes queridos?

DJ: Não, felizmente. Então, eu tive que fazer muitas pesquisas para entender os efeitos colaterais do cancro específico de Nicole no filme, os efeitos das terapias e de certos medicamentos, e as consequências no corpo e na mente. Há um momento em que Nicole percebe que as pessoas não a aceitam e não a abraçam como faziam depois de perder 0 cabelo, e isso é algo sobre o qual ela não tem controlo. Nicole pode se tornar qualquer pessoa com essa peruca, mas não é real. A única coisa que consegui fazer com honestidade e sinceridade foi tentar entender o quão doloroso e complicado isso é.

É verdade que seus pais não queriam que você fosse atriz?

DJ: Sim, mas quando eles viram que eu tinha paixão e outras coisas, eles disseram: ‘Ok, mas se realmente queres fazer isso, nunca desistas.’ Afinal, eu nasci neste mundo, não conheço nada além de cinema, cenário, atores, suas histórias, suas ideias, seu talento. Eu amo filmes. Eu cresci com pessoas que amam filmes. Claro que há uma dimensão nesta indústria que é muito difícil e enlouquecedora, mas também é muito bonita, criativa, emocionante. Eu não saberia mais onde ficar e o que mais fazer.

Houve um momento em que você sentiu que sua mãe e seu pai estavam orgulhosos de você como atriz?

DJ: Eu diria que quando minha mãe viu “Suspiria”, ela ficou chocada com o filme, tão imprudente e assustador. E também chocada por me ver em um papel tão diferente e imprevisível. Ela nunca teria me imaginado nesse papel, e ela gostou disso. A reação dela surpreendeu-me, eu não esperava por isso.

No verão passado, você filmou um filme baseado no livro de Elena Ferrante, “The Lost Daughter”, sob a direção de Maggie Gyllenhaal. Conheces o trabalho de Ferrante? O que aprecias neste livro?

DJ: Em primeiro lugar, devo dizer que trabalhar com Maggie e com Olivia Colman foi maravilhoso, mas também muito intenso. Especialmente filmar na era da Covid: quando você faz um filme, você já está em sua própria bolha, mas com a Covid você está ainda mais. Nunca consegui sair do elenco ou do set, sair para jantar sozinha, sempre tínhamos que ficar juntos. Filmamos em uma pequena vila na Grécia, havia apenas um restaurante onde podíamos ir. Foi um período intenso e rico. E o livro em si é muito intenso. Como talvez os leitores italianos saibam, é um livro que fala sobre como as mulheres são complicadas e a dinâmica das relações entre mãe e filha. Elena Ferrante. Li os romances napolitanos e vi a série “A Amiga Brilhante” que achei linda, principalmente a segunda temporada. Estou muito feliz por ter feito parte deste filme.

Como o filme muda em relação ao livro?

DJ: Tanto Leda quanto Nina, a personagem que interpreto, são muito diferentes. O filme passa-se na Grécia com uma família metade grega e metade americana, então não fala muito sobre a história italiana; na verdade, não há italiano no filme, o que o torna interessante, vamos ver como os fãs italianos irão recebê-lo. O que achei mais interessante na adaptação de Maggie é precisamente o fato de nos mostrar que não são apenas as mulheres italianas e as famílias italianas que são complexas e complicadas, todas nós somos! E a maneira como Maggie os trouxe à vida é muito emocional.

Tem planos para trabalhar com seu grande amigo Luca Guadagnino novamente?

DJ: Falei com o Luca noutro dia e dissemos que se encontrarmos algo para trabalharmos juntos, onde poderíamos estar no mesmo lugar ao mesmo tempo, isso nos deixaria muito felizes. Então, quem sabe? Talvez em breve? Esperançosamente!

 

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Jonson está entre uma série de atores que participam na nova longa-metragem das co-diretoras Tig Notaro e Stephanie Allynne, que marca o primeiro esforço de financiamento solo da empresa PIcturestart de Erik Feig. O projeto, intitulado “Am I Ok?”, terá Johnson ao lado de Sonoya Mizuno, a estrela de “Coming 2 America” Jermaine Fowler, Whitmer Thomas, Molly Gordon, June Diane Raphael, Notaro e Sean Hayes.

O filme segue as melhores amigas Lucy e Jane, que estão convencidas de que sabem tudo que há para saber uma da outra. Quando Jane anuncia que está a mudar-se de Los Angeles para Londres por trabalho, Lucy revela um segredo profundamente enterrado e guardado há muito tempo. Enquanto Jane tenta ajudar Lucy a separar velhos padrões e novos sentimentos, o vínculo entre elas transforma-se no caos.

Lauren Pomerantz escreveu o roteiro, que deve começar a ser filmado em 1 de Fevereiro em Los Angeles. Jessica Elbaum e Will Ferrell produzirão por meio da sua Gloria Sanchez Productions, junto com Johnson e Ro Donnelly’s TeaTime Pictures e Notaro e Allynne’s Something Fierce shingle.

Feig e Lucy Kitada também servirão como produtoras através da Picturestart, bem como da Pomerantz.

Os produtores executivos incluem Royce Reeves-Darby da Picturestart e Alex Brown para Gloria Sanchez. “Estamos honrados em dar vida ao roteiro de Lauren com Tig e Stephanie no comando. Juntamente com a equipa de produção de alto nível e um elenco incrível, mal podemos esperar pelo início da produção desta comédia comovente que vai ressoar com o público em todos os lugares”, disse Feig.

A UTA intermediou o negócio em nome dos cineastas. Os projetos recentes do Picturestart incluem a comédia de viagem da HBO Max “Unpregnant” e a série do Facebook Watch “Letters To …” para Warner Bros.




A atriz compareceu no Late Late Show with James Corden na quarta-feira, 20!

Após dois anos desde a sua última aparição no programa, a Dakota foi no estúdio do James Corden para promover “Our Friend“. Mas a conversa não ficou por aí!

A Dakota revelou que aos 14 anos a sua mãe Melanie Griffith levou-a para fazer um piercing no umbigo, mas no final ambas saíram da loja com um! A atriz também contou que uma das suas tatuagens que mais se arrepende é a Acta Non Verba no seu ante-braço, que foi feita como uma provocação ao seu pai, Don Johnson.

A Dakota revelou também quais as suas bandas favoritas quando era mais nova e contou também quando conheceu as Spice Girls pela primeira vez.

Confiram a entrevista aqui!




No passado sábado, 16, a atriz Dakota Johnson foi fotografada enquanto deixava a casa de um amigo a caminho de Malibu.

Podem conferir em baixo as fotos da Dakota na nossa galeria:




Durante esta semana cheia de promo para o seu mais novo filme, “Our Friend“, a Dakota revelou a vários entrevistadores que já tem mais um novo projeto pronto para arrancar já em Fevereiro em Los Angeles!

A atriz revelou que já tem mais um projeto pronto com a sua companhia de produção TeaTime Pictures. O projeto, ainda sem título, conta com a produção da Dakota, da comediante Tig Notaro e a sua mulher Stephanie Allynne e a roteirista é Lauren Pomerantz, conhecida por trabalhar no Saturday Night Live e no The Ellen DeGeneres Show.

O projeto já foi adicionado na filmografia da Dakota no IMDB, e a única informção disponível é que a sua personagem se chamará Lucy e irá ser da comunidade LGBTQ+.

Segundo o Deadline, o filme contará a história de Lucy (Johnson) e Jane, de 30 e poucos anos, que são melhores amigas há anos. Elas aprenderam quase tudo sobre a vida e uma da outra juntas. No entanto, existem coisas desconhecidas, ou não totalmente aceitas, que Lucy esconde da Jane e dela mesma. Somente quando Lucy for embarcar numa jornada pessoal, ela irá enfrentar um teste da sua amizade e do seu senso de identidade, num caminho em que ela pode não estar pronta para seguir.




Nos últimos dias a Dakota foi entrevistada múltiplas vezes sobre o seu mais recente filme, “Our Friend“.

Podem conferir aqui traduzido um bocado de uma entrevista fornecida para os fãs!

E: Dakota, a sua performance foi tão linda e tocável. Algo que muitas pessoas podem-se conectar ao perder alguém que se ama para o cancro, mas o mais importante foi a existência desse lindo relacionamento entre Casey e o Jason que faziam parte desse círculo. Do que mais estás orgulhosa com este filme e como o interpretaste?

D: Obrigada. Eu acho que estou mais orgulhosa de como esses relacionamentos são autênticos no filme, é bom quando se pode ser vunerável com as pessoas com quem trabalhamos e sentir-se segura e apoiada. E isso eu considero uma imensa dádiba. Então eu estou muito, muito orgulhosa de como isso acabou.

E: É um tema muito pesado, realmente não tem como trazer algo que ilume a situação, mesmo com esses momentos cômicos aqui e ali. E como vocês todos conseguiram manter a química ou como mantiveram a força de não se aprofundarem em tristeza até mesmo quando não estavam a filmar. Porque tenho a certeza que todos vocês têm histórias em comum de perder entes queridos.

D: Sim, eu acho que isso de estar no set com pessoas que você geniunamente gosta de estar, há uma oportunidade para a leveza e diversão, mesmo se você está a trabalhar com uma temática tão intensa, meio que temos que encontrar as piadas e fazer coisas engraçadas. Nós tinhamos uma mesa de ping pong no nosso acapamento e uma placa de dardos. Tinha um bar na cidade que costumávamos ir e tinha uma placa de dardos e eu sou realmente uma boa jogadora de dardos, quem saberia? Então colocamos uma placa de dardos no set e penduramos de lado de fora do meu trailer.

E: Entrepetando esse filme baseado em factos verídicos, sobre um marido que escreveu sobre a história dele e publicou, existe algum nível diferente de pressão para atuar quando as personagens são baseadas em pessoas da vida real ou é só algo que fazes com um método como qualquer outro papel?

D: Eu acho que existe um nível de pressão. Eu sinto como se a pressão fosse mais que, estávamos lá, Matt Teague e as suas filhas estavam por perto e eles visitavam o set. Acho que me senti mais como se pudesse ser traumatizante ou reviver o que é algo muito intenso para se passar. Acho que essa foi a pressão que estava. Senti-me pressionada, mas não me senti como se fosse certo para mim tentar imitar a Nicole precisamente, senti que a atuação foi mais importante, que fosse autêntica e que a realidade de que estava ocorrendo fosse autêntica assim como as relações e depois eu fiz a minha própria pesquisa sobre quais os efeitos que tipo de cancro tem fisicamente no corpo e que efeitos secundários tem a medicação. E trabalhar arduamente com a Gabriela sobre o que seria certo, como faríamos para mostrar normalmente como isso poderia ser, sem ser de uma forma agressiva e sem ser muito vago sobre o que está a passar. Estava a tentar encontrar esse balanço de ser honesta sobre o que essa mulher estava a viver e o que a família dela e os seus relacionamentos passaram.




Se ela está a interpretar uma mulher que descobre as alegrias e peculiaridades de um amante sádico (a franquia de filmes “Cinquenta Sombras de Grey“), uma dançarina numa escola dirigida por bruxas (o remake de “Suspiria” de 2018), assistente de uma exigente diva da música (no ano passado “The High Note”) ou, no seu novo filme “Our Friend”, uma esposa e mãe sucumbindo ao cancro, Dakota Johnson é sempre notavelmente natural e compreensível no ecrã.

É difícil dizer se isso é algo pelo qual ela se esforça ou se apenas vem naturalmente para a atriz de terceira geração (a avó é a estrela de “The Birds”, Tippi Hedren, os pais são Melanie Griffith e Don Johnson) – até mesmo para ela.

“Não sei”, disse Johnson, que passou alguns anos da infância na área da baía, ao The Chronicle via Zoom de Malibu. “Eu apenas tento fazer o meu melhor e estar o mais conectada possível à realidade das histórias. Eu realmente não sei como – ou por que – não há … eu não tenho ideia! ”

No entanto, Johnson parece ter uma opinião sólida sobre Nicole Teague, uma artista de teatro musical que foi lembrada comoventemente por seu marido jornalista, Matt Teague, em um artigo da Esquire em que “Our Friend” se baseia.

Casey Affleck interpreta Matt e Jason Segel é o amigo mencionado no título, Dane Faucheux, uma alma sem rumo que encontra um propósito quando coloca sua vida em espera para se mudar para a casa dos Teagues no Alabama e ajudar a família no último ano de Nicole.

Gabriela Cowperthwaite, que fez o documentário “Blackfish”, que mudou o setor, dirigiu o filme com um olhar voltado para as pequenas misericórdias que podem tornar a tragédia suportável.

Após o ano tumultuado pelo qual todos passamos – que Johnson começou co-dirigindo o seu primeiro videoclipe, “Cry Cry Cry”, para a banda do seu namorado Chris Martin, Coldplay – “Our Friend” parece o bálsamo duro, mas terno que nós todos poderiam usar neste ponto. Johnson detalhou o que foi feito para fazê-lo.

P: Você pode jogar praticamente todas as emoções que existem em “Our Friend”. Quais aspectos foram particularmente difíceis ou satisfatórios de resolver?

D: O que adorei na história é que havia um certo grau de leviandade na tragédia. Esse é um paralelo bastante preciso com o que é a vida real. Tragédia e comédia andam de mãos dadas na maior parte do tempo, e neste filme é muito sobre compaixão e amor e amizade e vida e morte, mas também é sobre cada pequeno momento que você pode agarrar e saborear.

Q: Dito isso, Nicole exibe muita dor e um comportamento desagradável como resultado disso. Parte disso deve ter custado um preço para representar.

D: O meu processo era tornar a jornada e o relacionamento com os outros membros do elenco o mais autêntico possível, então testemunhar as suas reações a certas coisas foi realmente emocionante e difícil para mim porque parecia muito genuíno.

A raiva que uma pessoa pode sentir quando toma certos medicamentos contra o câncer e como isso afeta psicologicamente pode variar. Fazer a pesquisa sobre isso e entender o que aconteceu com Nicole a esse respeito foi complicado, mas também realmente fascinante.

O aspecto da mortalidade também foi muito duro. Interpretar essa mulher fez-me sentir muito consciente de quantas pessoas têm as suas vidas roubadas. Isso é uma coisa realmente difícil de engolir, alguém que é tão generoso, genuíno, amoroso, brilhante e talentoso – e há tantas pessoas assim no mundo. Especialmente agora, é muito difícil entender o número e a intensidade do sofrimento que está ocorrendo. Então, isso foi muito difícil.

P: Você teve muitas discussões com os sobreviventes de Nicole?

D: Eu nunca conheci o Dane; Acho que o Jason o conheceu uma vez. Matt Teague desenvolveu o roteiro e foi o produtor do filme. Ele veio para o set e as meninas vieram algumas vezes, o que foi tão intenso. Foi bonito; não era estranho. Foi muito surreal estar em uma cena em que eu sou a mãe dessas meninas e depois olhar para fora da câmera e ver as filhas do Matt, mas elas são mais velhas.

Filmando na cidade em que moravam, todos sabiam o que estávamos a fazer e sobre quem estávamos fazendo o filme. Todos os conheciam e conheciam a jornada de Nicole e a acompanharam em diferentes estágios de sua doença.

P: Você disse que a parte mais assustadora de fazer este filme foi cantar no teatro onde Nicole trabalhou.

D: Sim. Eu já tenho medo de palco, então cantar na frente das pessoas foi realmente assustador para mim. Isso se manifestou, tipo, de uma forma física de pânico. Mas eu superei.

P: E então você codirigiu um videoclipe. Espera fazer mais?

D: Eu nunca pensei que iria começar a dirigir, mas sempre quis fazer videoclipes porque não existem regras reais. Existe um nível de liberdade artística que adoro.

Eu não descartaria que eu pudesse dirigir mais alguns no futuro. Eu adoraria fazer mais videoclipes, e se surgir algo que signifique algo profundamente para mim, talvez. Mas, por enquanto, estou feliz em ficar andando por aí.

P: Você foi para a Hamlin School em San Francisco por um ano enquanto o seu pai estava fazendo a série “Nash Bridges”, então fez o primeiro ano do ensino médio em Santa Catalina em Monterey. Quais são as suas lembranças do tempo que passou na área da baía?

R: Eu amo São Francisco. Eu realmente amei lá. Acho que é uma cidade espetacular.

(Quanto a Monterey) Quero dizer, é um lugar muito pitoresco e bonito. Mas um colégio interno católico só para meninas não é para mim!

“Our Friend” (R) disponível em cinemas selecionados e streaming via vídeo sob demanda a partir de sexta-feira, 22 de janeiro.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Começou oficialmente a altura da promo do mais recente filme da Dakota, “Our Friend“!

Durante os próximos dias o elenco irá comparecer e realizar entrevistas em talk shows e também fazer press junket para vários canais de YouTube.

Podem já conferir abaixo a primeira entrevista traduzida que a Dakota, Jason Segel e Casey Affleck deram:

EN: Eu amo a ideia de termos um amigo próximo que nos ajuda a passar por essas situações dificéis na vida e espero que nós tenhamos a sorte de ter alguém assim para qualquer momento.  Gostava de saber se já tiveram um papel na carreira que foi particularmente difícil e quem foi a pessoa que ajudou a passar por essa experiência?

DJ: Eu fiz um filme recentemente que foi um pouco difícil para o meu coração. Eu fiz um filme dirigido pela Maggie Gyllenhaal, chamado “The Lost Daughter” e a minha personagem é bem complicada… Ela está numa posição da sua maternidade onde ela tem uma relação difícil com a sua filha. E eu achei muito difícil de lidar. Eu estava também a filmar na Grécia, então todas as pessoas lá foram solidárias. Foi um momento meio difícil, mas a minha produtora, parceira de negócios, é realmente incrível quando estou a trabalhar em coisas que são difíceis ou emotivas. Ela ajuda-me a por as coisas em perspectiva.

EN: Eu sou um chorão e não vou mentir que este filme tocou-me no fundo na noite passada, prendeu-me mesmo. No entanto, perguntei-me que sendo um ator que  está em um filme onde, realmente desperta estas emoções, como é a experiência de assitir a vocês próprios? Se tu te sentares e assistires este filme, as lágrimas começam a cair ou estás tão ligado à experiência para te tocar dessa forma?

DJ: Boa pergunta, eu sou péssima ao ver-me a mim mesma. Eu não o consigo fazer. Eu não consigo aproveitar um filme no qual estou mesmo sendo um filme divertido ou muito bom…

EN: Estás a perder coisas ótimas!

DJ: Eu sou muito crítica. Se eu assistir eu vou querer voltar e refazer para eu fazer melhor.

EN: Pensando no tema de amigos de longa data, fez-me pensar em alguns amigos que começo à 20, 25 anos, pessoas que conheci na escola primária. E uma das coisas que eu amo de amigos de longa data é que eles não se impressionam em nada com o que eu faço para viver: como as câmeras, premieres, falar com celebridades e tal. Eles ficam tipo, “Meu, tu és um idiota e isso não me impressiona.” Gostaria de saber sobre os vossos amigos de longa data, as pessoas que vocês conhecem desde a tua vida toda. O que eles acham sobre esse aspecto da vossa vida? Eles ficam impressionados ou não é algo que eles pensam a respeito?

DJ: Eu tenho um.. Um ou dois amigos da minha vida inteira e eles não ficam muito impressionados. Eles não se importam. A minha amiga mais antiga, Sarah, começou uma organização sem fins lucrativos baseada em Uganda, quando ela estava no secundário e depois mudou-se para lá depois da faculdade durante quatro anos e administra este lugar incrível que ajuda a educar e alimentar crianças, a terem cuidados de saúde e o que eu faço é algo completamente inútil.

 




parceiros
layout desenvolvido por lannie d. - Dakota Johnson Portugal