Bem vindos ao Dakota Johnson Portugal, única e melhor fonte de informações sobre a atriz Dakota Johnson, mais conhecida por dar a vida à personagem Anastasia Steele em as “Ciquenta Sombras”, em Portugal. Aqui vais encontrar todo o tipo de notícias, desde aparições, novos projetos, cada detalhe dos seus trabalhos, entrevistas e muito mais. Não somos a Dakota e não mantemos qualquer tipo de contato com a mesma. Não temos contato com os seus agentes, familiares ou amigos. Todo o conteúdo encontrato no site pertence ao site até que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucatrivos. Visita cada página e volta sempre!

Olivia Colman, Jessie Buckley e Dakota Johnson estrelam na marcante estreia na direção de Maggie Gyllenhaal, a qual explora a história menos contada da maternidade, quando umas férias na praia dá uma reviravolta sombria. O trio conta à revista Total Film como a admiração mútua e Mai Tais ajudou a fazer “The Lost Daughter” um candidato a prêmios.

Está claro, ao sentar-se numa suíte de hotel em Londres com Olivia Colman, Dakota Johnson e Jessie Buckley, que quando elas dizem que gostaram de trabalhar juntas, não é em benefício dos centímetros da coluna. Terminam as frases umas das outras e provocam-se, as mulheres estão sentadas em frente do plano de fundo de uma praia banhada pelo sol e mais tarde darão as mãos nos tapetes vermelhos quando o filme for lançado no Festival de Cinema de Londres.

Com a sua belíssima cinematografia da Grécia e as brincadeiras alegres das estrelas, pode ser perdoado por pensar que o projeto, The Lost Daughter, era uma comédia romântica ou pornografia de viagem. Mas a estréia na direção de Maggie Gyllenhaal a partir do seu próprio roteiro adaptado do romance de Elena Ferrante é um thriller ousado e questionador que engana os espectadores a cada passo e promove a conversa sobre papéis femininos na sociedade, arrependimento e falta dele. Filmado no ano passado na ilha de Spetses, “The Lost Daughter” segue a acadêmica britânica Leda (Colman) enquanto ela tira férias de trabalho para a região da Ática. Enquanto lê na sua espreguiçadeira, ela observa a jovem mãe americana, Nina (Johnson), e sua filha – e acaba por descobrir memórias dolorosas do seu passado. Buckley ensina a jovem Leda, presa num casamento sufocante e lutando para manter um senso de si mesma.

Com ótimas críticas em festivais recentes, é um filme que posiciona a mulher sem remorso como personagens complexos com vidas ricas e confusas. Há discotecas ao som de Bon Jovi, roubo imprudente, sexo num hotel e um acerto de contas muito afiado… Não é de admirar que isso esteja na conversa sobre os prêmios quando a estrada para o Oscar começa.

Foi tão lindo filmar na Grécia quanto parecia?

Olivia Colman: Horrível. Passamos um tempo terrível…

Dakota Johnson: … realmente um lugar de merda…

OC: …foi incrível. Nós tivemos muita sorte. Durante um tempo onde para o resto do mundo estava a ser uma merda [com COVID-19], nós estávamos nessa linda bolha. E no final, nós podíamos todos ir nadar no mar.

Jessie Buckley: Foi um trabalho dos sonhos – nós estávamos a fazer um ótimo filme, com um roteiro brilhante, com todas essas pessoas brilhantes. Tem sido um dos melhores trabalhos que eu já fiz.

DJ: Sim. E nós amamo-nos umas às outras. Foi muito, muito especial. Isso raramente acontece, eu acho. Foi originalmente criado para ser filmado em Nova Jersey, depois Halifax, e Nova Escocia, mas eu acho que há uma energia em Spetses, que é um pouco lânguido, e meio misterioso. Eu não tenho passado muito tempo em Nova Jersey, a maior parte do tempo que eu passo é a assistir “Jersey Shore”. E é uma vibe diferente.

OC: Eu nunca vi isso. É algo tipo “Real Housewives”?

DJ: Sim, é bom.

OC: Oh, divertido! Vou assistir.

Jessie esta a filmar na ilha antes de vocês as duas chegarem – ela tem a vantagem…

OC: Comecei a preocupar-me se iria entrar e fazer algo completamente diferente [dela], e ninguém acreditaria que éramos as mesmas. Então Maggie disse, “Eu posso mostrar-te algumas cenas”. E eu comecei a assisti-las, mas pareceu errado assistir algo antes de tudo estar terminado. Eu não me senti como uma boa amiga. Então eu decidi, “Nós confiamos uma na outra. Maggie vai nos dirigir de volta se eu estiver a ir pra longe”. E eu apenas sabia que Jessie seria incrível, e eu tive que tentar, realmente, viver de acordo com ela. A ver as suas partes, acho que são as partes mais tristes para mim – as partes mais difíceis de assistir. Ela é simplesmente incrível.

DJ: Eu queria ter tido cenas com a Jessie. Nós apaixonamo-nos muito uma pela outra. Eu acho que se tivéssemos trabalhado juntas, teríamos apenas nos transformado em uma pessoa com duas cabeças. Nos tornaríamos Hydra.

JB: Temos idades parecidas, e nós viemos a esse filme por uma razão. Ela é uma alma especial, sabe? E realmente uma mulher interessante e complicada. E engraçada! Eu sinto-me totalmente apaixonada por ela também. Eu estou triste que agora não consigo sair mais com ela. Mas mantivemos contato e estou a tentar convencê-la a mudar-se pra Inglaterra.

Dakota e Olivia, vocês interpretam desconhecidas que estão fascinadas uma pela outra no filme – vocês mantiveram distância no set?

OC: Oh, não. Nós estávamos sempre a segurar a mão uma da outra nos nossos bolsos o tempo todo. Toda noite – porque Jessie tem a voz de um anjo – ela cantava toda noite. Todos nós bebíamos Mai Tais. Eu senti-me realmente mal que as nossas famílias estavam em casa, segurando o forte, a olhar por todos. Eu tentei não contar a eles toda a história [risadas]. [Mímica do telemóvel“Nós estamos com muitas saudades de vocês. É realmente difícil”. Enquanto alguém estava tipo “Mais Mai Tais!” “Shhh!”.

Olivia e Jessie, vocês as duas interpretaram a mesma personagem em diferentes pontos da vida. Como vocês criaram esse retrato juntas?

OC: Não pudemos nos encontrar antes. Estávamos em quarentena. Nós ligamos e dissemos:“Então, somos de Leeds, com um sotaque de Yorkshire muito, muito suave e genérico…” Porque se nós as duas tentássemos fazer um completo ‘Leeds’, nós definitivamente teríamos diferenças na nossa interpretação por isso. E não há como superar o fato de que vocês são duas pessoas diferentes. E uma mulher nos seus vinte e trinta anos é diferente dos seus quarenta e cinquenta. Torna-se numa pessoa diferente de qualquer maneira. Então Maggie disse, “Não importa. Há um montão de licença artística aqui. Joga o quanto tu quiseres”.

JB: O que foi uma conversa mais interessante de ter connosco independentemente foi: essa mulher tendo diferentes capítulos na vida e sendo a mesma, porém diferente. Ela viveu – e não tentando reduzi-la a algo contido ou particular que nós não compartilhamos.

DJ: Sim. Maggie também percebeu no outro dia que a Jessie e Olivia tem aproximadamente a mesma cor dos olhos, algo que ela não tinha pensado sobre antes.

Vocês todas retrataram mulheres que são ideias complexas e desafiadoras de como a maternidade deve parecer. Teve algo que vocês acharam importante mostrar para o público?

OC: Sim, e a Maggie disse que ela tinha a mais extraordinária resposta, com as pessoas indo, “Obrigada por dizer essas coisas em voz alta”. Imagina essa coisa [maternidade], que vai acontecer com você e vai ser fácil e idílico e fofinho e adorável. E você não sabe o minucioso, e os prós e contras e o cansaço básico de tudo. E aparentemente todo mundo pensa isso, mas nós não percebemos isso até alguém dizer isso em voz alta. Então é muito importante para todo mundo saber que você não está sozinho, e é sempre importante ter a sua própria história refletida em você, eu acho. É necessário para humanos olhar para eles mesmos.

DJ: Eu não sou uma mãe ainda, então eu sinto que tipo, pra mim, foi tão lindo saber que está tudo bem em lutar com o sentimento de ser a mãe de um ser humano e como é viver uma vida um pouco confinada. Ou quando você tem que se deixar de lado. Para mulheres, há muita vergonha em ter diferentes pensamentos sobre se tornar uma mãe e ter medos e desconforto. Eu acho que isso desestigmatiza isso de uma forma realmente interessante, pensativa e poética, onde não há problemas em se sentir confuso sobre isso. Você sabe, nem todas as mulheres têm que ser uma mãe carinhosa. Tem tantas versões diferentes de uma mulher.

O filme também fala sobre ambição e que não é algo que as mulheres são incentivadas a mostrar. Isso era algo com o qual você poderia se relacionar pessoalmente?

JB: Oh, sim. Acho que está tudo bem em se dar permissão para querer a vida. O que quer que você seja – homem, mulher, ele, ela, eles, seja o que for. É tão curto e há muito para explorar e experimentar. Como quer que você procure, onde quer que você encontre, isso é com você.

OC: Aquela parte [no filme], quando as crianças são pequenas, e é a vez do marido de cuidar delas, e ele não respeita o acordo que fizeram – isso não é algo que reconheço. Tive muita sorte – o meu parceiro de escolha, nós genuinamente apoiamos um ao outro. Eu não poderia ter chegado aonde cheguei sem que alguém dissesse: “Com certeza, faça isso. Eu segurarei a barra.” e vice-versa.

DJ: Eu sinto que tenho um nível sobrenatural de ambição, e você tem que ter, se você faz esse trabalho, tem que haver um nível de combate a tanta rejeição e crítica. E especialmente como uma mulher, tendo que me provar e convencer as pessoas. É exaustivo, mas é quase como uma visão de túnel que você precisa ter, ou então é paralisante. Tive uma conversa com minha irmã outro dia sobre propósito, e “qual é o sentido de estar vivo?” – quero dizer, isso é muito existencial…

OC: Eu não falo sobre coisas assim com meus irmãos [risos]

DJ: Mas como você sabe qual é o seu propósito? Quando você sabe muito claramente: “Isso é o que eu quero fazer”, é uma sorte ter esse sentimento, no caso da minha personagem, Nina, ela não é capaz de fazer isso. Ela não foi necessariamente criada em um ambiente que era tipo, “Você é forte o suficiente para seguir seu coração”. Ela está faminta por atenção, atenção para seu verdadeiro eu, não apenas seu corpo ou alguma besteira.

Vamos falar sobre esse look dela também – cabelo preto, maiôs espalhafatosos…

DJ: Maggie e eu trabalhamos nisso um pouco, e passou por várias fases diferentes. Eu tirei muito das primeiras fotos de Megan Fox. Há algo sobre ela nessas primeiras fotos – essa selvagem… É tipo sexualidade, que parece que ela está entediada. E eu gostei desse visual. Eu achei muito, muito divertido, até que, você sabe, eu estava com os maiôs mais ridículos, eles são simplesmente loucos. Além disso, há apenas uma pequena quantidade de tempo na minha vida em que eu posso fazer isso [risos]. Então, só para rir, foi como fizemos o guarda-roupa.

Leda também é franca e ousada – não vai mexer a espreguiçadeira se não quiser, vai reclamar do mau comportamento no cinema. Como foi ser essa pessoa, Olivia?

OC: Isso é o que é tão bom no trabalho que fazemos. É libertador. Eu não sou uma pessoa que grita ou confronta na vida real. Então, poder jogar é muito divertido. É um bom lançamento.

DJ: Sim! Houve uma cena em que Nina estava gritando com o marido na praia, e eu achei hilário.

OC: Fazer ele agarrar sua bunda não estava no roteiro…

DJ: Não, não estava. [seu estômago ronca] Meu estômago está fazendo muitos ruídos.

OC: Você já comeu o pequeno almoço? [Dakota balança a cabeça tristemente] Ahh, idiota.

Já existe uma conversa sobre prêmios em torno deste filme – é encorajador que um filme como este esteja nessa conversa?

DJ: Eu acho que é legal pra Maggie e importante pra caralho. E cineastas novatos são a voz de agora. As pessoas devem ser reconhecidas. Qualquer pessoa deve ser reconhecida por fazer algo surpreendente. É assim que o mundo deveria ser. Então, sim, estou nessa.

JB: É tão lindo que essas mulheres malvadas estejam sendo vistas e tendo a oportunidade de fazer um filme. Acho que Jane Campion disse que se você der uma chance às mulheres, elas farão um filme muito bom, sabe? E há muito a ser dito.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Com quatro projetos importantes e uma vida privada controlada pelos mídia (com Chris Martin dos Coldplay), a atriz assume o seu lugar numa dinastia de primeira: “Sou grata pelos meus pais e a minha vida louca – a única razão de eu ser como sou é por causa de como eu cresci.”

Dakota Johnson entra no Tower Bar em West Hollywood, um local que ela escolheu e que oferece uma justaposição da antiga proveniência de Hollywood (que já foi o apartamento de Bugsy Siegel) e o novo chique milenar. O mesmo pode ser dito sobre Dakota, que vem da realeza de Hollywood como filha de Melanie Griffith e Don Johnson e neta de Tippi Hedren, mas que tem um estilo e uma carreira próprios.

Nesta tarde fria de outubro, Johnson acabou de chegar da sua casa em Hollywood Hills que ela comprou em 2016 (ela e o seu parceiro de quatro anos, o vocalista do Coldplay – Chris Martin, recentemente mudaram-se para a sua propriedade compartilhada em Malibu, que já foi propriedade de Ryan Kavanaugh, mas ela está a usar a casa de Hollywood hoje para acompanhar a leitura de roteiro e outros trabalhos). Ela está usar um vestido de tricô verde exuberante, uma bolsa Gucci de veludo vermelho e casaco de couro preto, uma tatuagem com a palavra “Heaven” aparecendo por baixo da manga. A tinta é recente.

“Eu estava a pensar: ‘E se esta vida for o paraíso e for tão boa quanto possível? E então?’” Ela explica enquanto bebe um café gelado com leite de amêndoa. “Porque durante o COVID, comecei a me sentir bem triste. Foi inspirador abraçar [essa questão existencial] de uma maneira diferente. E ter mais consciência do que posso fazer a cada minuto para tornar as coisas melhores para mim e para as pessoas ao meu redor. E isso é realmente apenas uma escolha. É apenas uma decisão.”

Antes de se dirigir à nossa mesa no terraço, ela parou para conversar com a diretora de Cinquenta Sombras de Grey, Sam Taylor-Johnson, e o diretor de cinema da MGM, Michael De Luca, que produziu a trilogia de filmes de US $1,3 bilhão. O momento simboliza o passado da atriz, aquele que a viu prevalecer como Anastasia Steele em um dos processos de casting mais examinados na memória recente. Mas, em vez de apostar no sucesso de Cinquenta Sombras – que fez história em 2015 com a maior estréia de um filme dirigido por mulheres – em uma filmografia focada na bilheteria, Johnson optou por um caminho diferente.

“Eu acho que é muito inteligente quando os atores que alcançam esse nível de onipresença e podem saltar para um sucesso mais convencional e mainstream ficam disciplinados em trabalhar com diretores de qualidade”, diz De Luca. “Dakota tem sido muito inteligente em garantir que está sempre alinhada com os diretores de qualidade. Então, tudo está à sua disposição – filmes comerciais, filmes indie interessantes e provocantes. Agora ela pode ter tudo.”

E, de forma refrescante, enquanto outras atrizes da sua geração parecem roteirizadas quando publicam os seus projetos na TV, Johnson muitas vezes oferece uma refrescante reprimenda zero-fodase-para-dar do status quo. Em uma conversa com Ellen DeGeneres que se tornou viral em 2019, a apresentadora de talk show reclamou que ela não foi convidada para a festa de 30 anos de Johnson. “Na verdade não. Isso não é verdade, Ellen. Eu convidei-te e tu não veste… pergunta a todos,” ela disse categoricamente. Foi uma jogada que Drew Barrymore ainda elogiava dois anos depois, quando Johnson apareceu no seu talk show, arrancando muitas risadas da atriz.

Johnson, 32, é literalmente a próxima geração de Hollywood e está pronta para ter tudo de uma forma que eclipsa até mesmo os seus antepassados ​​famosos, com o culminar de um pivô de queima lenta que se concretiza com quatro filmes que ela filmou durante o bloqueio do COVID-19. A primeira é a revelação do Festival Internacional de Cinema de Veneza, A Filha Perdida, que a Netflix lançará em 31 de dezembro. Dirigido por Maggie Gyllenhaal e baseado no best-seller de Elena Ferrante de 2006, Johnson tem uma atuação assombrosa como uma jovem mulher afogando-se em ambivalência sobre o seu papel como uma mãe. Mas ela não era a escolha óbvia para Gyllenhaal.

No outono de 2019, Johnson leu o roteiro de Gyllenhaal e decidiu fazer o papel de Nina. “Eu nunca tinha lido mulheres escritas assim”, lembra ela. “Nina está a lutar, ela está a desaparer. Ter essa mulher cuja paisagem interna é tão diferente do que ela está a projetar foi muito, muito especial. Porque você a vê, e ninguém estáa pensar na mente daquela mulher. Não sou mãe, mas sei o que é sentir medo ou ficar tipo, ‘Serei uma boa mãe?’ Mas, por alguma razão, existe esse estigma em torno de falar sobre isso. E existe um estigma em torno de ter apenas o pensamento: ‘E se eu sair pela porra da porta? Por uma semana ou um minuto para fumar um cigarro. Mas não se deve dizer isso em voz alta. Porque? É tão humano e tão identificável. ”

As duas mulheres encontraram-se para almoçar num pequeno café no centro de Manhattan depois que Johnson estendeu a mão. Gyllenhaal, que nunca tinha visto os filmes Cinquenta Sombras, achou que as suas ideias eram atraentes, mas tinha sido cética quanto a escalá-la – até se sentar com ela.

“Em cinco minutos, estávamos a falar sobre as partes mais íntimas e vulneráveis ​​de sermos nós mesmas, sermos mulheres no mundo e por dentro. E é assim que Dakota é”, lembra Gyllenhaal. “Eu nunca tive qualquer outra experiência com ela. Ela simplesmente não está interessada em nada, exceto nesse tipo de conversa muito íntima e real. E também estou pronta para isso. ”

No filme, Olivia Colman interpreta Leda, uma yin para o yang de Nina como uma mulher mais velha que tomou as rédeas de sua vida, embora isso tenha causado dor a ela e a sua família. Manter-se ao lado de um vencedor do Oscar e do Emmy como Colman não é uma tarefa fácil. Como resultado, Johnson encontra-se na conversa da temporada de prêmios na corrida pela atriz coadjuvante.

“Ela é alguém de quem espero nunca me afastar na minha vida”, diz Johnson sobre Colman. “Estávamos a trocar mensagens esta manhã, e ela é maravilhosa de ter por perto o tempo todo. Este filme é realmente intenso, mas no minuto em que não estávamos a filmar, foi uma brincadeiras e risos e sorrisos. Todos os dias, depois do trabalho, íamos nadar, beber vinho e jantar. Acho que parte da razão pela qual há tanta energia neste filme é porque não é como se estivéssemos sempre nessa mentalidade distorcida, fodida e deprimente. Pudemos jogar. Então, íamos a esses lugares realmente extremos dentro da cena. Então, no minuto em que diziam ‘cortar’, Olivia e eu estávamos a ver móveis online e a rir e a falar asneiras.”

A Filha Perdida é apenas um dos filmes divergentes programados para estrear no próximo ano que oferece 50 Sombras de Dakota. Também no horizonte está a interpretação de Persuasão de Carrie Cracknell , com Johnson como protagonista Anne Elliot, a mais independente e indiscutivelmente matizada de todas as heroínas de Jane Austen.

No ano anterior, a atriz também assumiu um papel inteiramente novo, o de produtora. Dois anos atrás, ela lançou TeaTime Pictures com a ex-executiva da Netflix, Ro Donnelly, e silenciosamente construiu uma lista de cerca de 25 projetos, incluindo dois filmes finalizados, Tig Notaro- e Stephanie Allynne- dirigidos Am I OK? (o drama lésbico de debutante foi submetido ao Sundance) e Cha Cha Real Smooth, de Cooper Raiff , que gira em torno de uma mãe e a sua filha autista.

Donnelly e Johnson, que são igualmente tatuadas e parecem irmãs, conheceram-se em 2016 por meio de uma amiga em comum. Os seus projetos estão agora configurados por toda a cidade, incluindo a série de TV Cult Follow (Johnson vai estrelar ao lado de Riley Keough, a sua melhor amiga desde os 15 anos) e Mad, Bad e Dangerous to Know na MGM com De Luca (o filme centra-se em um gêmea idêntica que tenta roubar a vida “perfeita” de sua irmã).

“Acho que o que nos atraiu foi que temos esse mesmo gosto que era muito específico”, diz Donnelly, natural da Irlanda. “Temos esta ardósia de bananas que é tão emocionante, porque acredito que ela pode fazer qualquer coisa; Eu vi isso, eu vi-a tomada após tomada após tomada no set, e ela é o verdadeiro negócio. Ela é uma verdadeira artista e tão criativa em todos os aspectos que sinto que apenas arranhamos a superfície com o que vimos dela.”

Quando criança, não houve um momento “aha” quando Johnson percebeu a sua chamada. “Atuar foi sempre – realmente sempre – o que eu quis fazer”, diz ela. “Mesmo quando eu era tão pequena e estava no set com a minha mãe, era um desejo profundo fazer isso. Eu queria ver todos a fazer o seu trabalho. Eu não conseguia o suficiente. ”

Naqueles anos de formação, ela assistia obsessivamente a filmes, o mesmo duas vezes por dia, todos os dias. Primeiro foi Mary Poppins, depois O Mágico de Oz e depois Home Alone. Ela ainda pode ir quadro a quadro e contar o que todos estão a vestir e quais são as falas. Griffith finalmente cedeu aos apelos de sua filha de 10 anos e permitiu que ela desempenhasse um pequeno papel em Crazy in Alabama, de seu então marido Antonio Banderas.

“Eu estava interpretando a filha da minha mãe, e minha irmã mais nova [Stella Banderas] estava nele também. Foi um caso de família. Mas eu levei muito a sério ”, diz Johnson. “Depois disso, não trabalhei até os 18 ou 19. Se dependesse de mim, eu teria deixado a escola. Mas meus pais queriam que eu terminasse, o que era irônico, porque a primeira metade da minha vida foi viajar e nunca iá à escola e ficar com um professor particular. Eu não fui por um ano inteiro de escola até os 11 anos, e isso foi em San Francisco porque o meu pai estava a filmar Nash Bridges.

Lá, ela se destacou academicamente, mas depois foi retirada para voltar para LA e se matricular em outra escola. Depois disso, surgiram mais quatro escolas. “Talvez tenha sido desestabilizador, mas nunca pensei nisso”, diz ela. “Fui criada por muitas pessoas, minha mãe e meu pai e depois padrastos e babysitters e tutores e amigos e professores e depois pais de amigos e pais de namorados. Eu queria aprender com todos. E ainda sou assim. Sou grata aos meus pais e à minha vida louca, porque a única razão de eu ser do jeito que sou é por causa de como cresci. E isso veio ao ver algumas coisas desagradáveis ​​quando criança, ter que lidar com conteúdo adulto em uma idade jovem e também ter uma vida pública às vezes. Mas também no lado mais leve disso, coisas que eram realmente belas e privilegiadas e educacionais e as viagens e a arte e os artistas. Era ambos: estava escuro, escuro, escuro, escuro e era claro, claro, luzes brilhantes. ”

Quanto ao decreto dos seus pais para terminar o ensino médio antes de prosseguir com a atuação, Johnson não guarda ressentimentos. “Eu estou feliz. Acho que tudo corre como deveria.”

Na idade de 18, ela assinou com o empresário Jason Weinberg. Em seguida, ela adicionou o agente da WME, Andrew Dunlap. Em uma raridade de Hollywood, ela permanece com os dois até hoje. (Ela também está com a mesma publicitária, Robin Baum, que ela conhece desde os 6 anos de idade, quando Baum representava Griffith e Banderas.)

“Quero crescer com as pessoas. Não estou interessada em pisar nos ombros das pessoas para chegar a algum lugar ”, diz ela. “Eu preocupo-me muito em confiar nas pessoas e ser confiável porque esta indústria prospera com a colaboração. Você não pode fazer isso sozinho. ”

Não demorou muito para que Johnson conseguisse seu primeiro papel como adulta em The Social Network, de David Fincher, que De Luca produziu com Dana Brunetti. (A dupla passou a produzir a trilogia Fifty Shades.) “Lembro-me de Dana e eu ficamos maravilhados apenas com sua breve aparição na Rede Social”, diz De Luca. “Mesmo naquela cena que ela fez com Justin Timberlake, nós pensamos que ela era realmente muito atraente. Então, depois de trabalhar com ela, estávamos conversando sobre ela para Cinquenta Sombras. E ter realmente todo o peso da trilogia a cair sobre seus ombros e fazer aquele personagem tridimensional para ela foi incrível. ”

Durante a sua primeira audição de Fifty Shades, ela foi convidada a entregar um monólogo de Persona de Ingmar Bergman . Ela leu o roteiro e ficou animada com a visão de Taylor-Johnson de uma versão simplificada do livro de EL James que remontava a ½ semanas, o thriller erótico cult de Adrian Lyne em 1986.

“Eu não podia falar sobre isso com ninguém. Ninguém na minha família sabia”, observa Johnson. “Eu fui escalada [e] lembro que falei com a Emily Blunt e pensei, ‘Devo fazer esta trilogia? Porque quero ter uma carreira muito especial e quero fazer um certo tipo de filme. E eu sei que isso vai mudar as coisas. ‘ Ela estava tipo, ‘Porra, faz isso se parece certo. Apenas faz. Faz sempre o que quiseres.’ “

As coisas mudaram, nomeadamente o roteiro (vários escritores foram trazidos para torná-lo mais alinhado com a fantasia erótica de James), e Taylor-Johnson inexplicavelmente não foi trazida de volta para o segundo filme (o diretor lutou criativamente com James). Ainda assim, Johnson não se arrepende.

“Eu sinto que não fui categorizada em nada [por causa do papel]”, diz ela. “Eu acho que poderia ter ido numa determinada direção, mas não era nisso que eu estava interessada.”

O que a interessou foi continuar a trabalhar com autores como Fincher e Taylor-Johnson. E as suas escolhas que se seguiram a Cinquenta Sombras sinalizaram que ela priorizou a qualidade ao invés do estrelato. O diretor de Call Me by Your Name , Luca Guadagnino, tornou-se um campeão na carreira de Johnson ao escalá-la para o drama psicológico de 2015, A Bigger Splash. Guadagnino estava procurando uma atriz para interpretar a mulher sensual de 17 anos do filme a fingir ser uma de 22 anos, Penelope. Um amigo agente deu-lhe a ele um filme promocional secreto de Cinquenta Sombras, e Guadagnino parou no meio do caminho.

“Eu vi um elemento de mistério e ferocidade e também um belo tipo de rosto clássico e atemporal, e uma atriz ”, lembra Guadagnino, que então encontrou-se com Johnson na sua casa na Itália. “Fiquei imediatamente impressionado com a sua inteligência, o seu humor perverso e todos esses elementos eram exatamente o que eu procurava em Penélope, mas também em alguém com quem quero estabelecer um relacionamento forte. Ela tornou-se uma das minhas melhores amigas. ”

Guadagnino desenvolveu o roteiro de Suspiria, refilmagem de terror sobrenatural de 2018, especificamente para Johnson. “Como atriz, adoro as escolhas que ela está a fazer porque está a ser algo muito inteligente e holístico”, acrescenta. “Ela não está à procura de uma personagem, ponto final. Ela está à procura por uma grande personagem que pode ser ao mesmo tempo parte de um grande projeto para se envolver.”

Enquanto a trilogia Fifty Shades se desenrolava, Johnson teve papéis menores em filmes que apresentavam grandes talentos, como Black Mass de Johnny Depp de Scott Cooper em 2015 e The Peanut Butter Falcon de 2019 , ao lado de Shia LaBeouf, este último um sucesso indie surpresa que arrecadou mais de US $ 23 milhões no mundo todo. “Não presto atenção ao barulho”, diz Johnson, que pratica a Meditação Transcendental diariamente. “Eu presto atenção se o roteiro é ótimo e as pessoas envolvidas são ótimas.”

Algum ruído é impossível de bloquear. Como o poder do movimento #MeToo e o clamor da cultura do cancelamento, que varreu Hollywood nos últimos anos e colocou tantos de seus ex-co-estrelas masculinos, como Depp, LaBeouf e Armie Hammer, sob o risco de nunca mais retornar ao profissão após alegações de abuso e que, para alguns, não permitem a oportunidade de redenção.

“Nunca experimentei isso em primeira mão com nenhuma dessas pessoas”, diz ela. “Foi incrível trabalhar com eles; Estou triste pela perda de grandes artistas. Fico triste pelas pessoas que precisam de ajuda e talvez não a tenham a tempo. Fico triste por qualquer pessoa que foi prejudicada ou ferida. É muito triste. Eu acredito que as pessoas podem mudar. Eu quero acreditar no poder de um ser humano para mudar e evoluir e obter ajuda e ajudar outras pessoas. Acho que definitivamente está a acontecer uma grande sobrecorreção. Mas acredito que existe uma maneira de o pêndulo encontrar o meio. A forma como os estúdios foram administrados até agora, e ainda agora, está para trás. É uma mentalidade antiquada de como os filmes devem ser feitos, quem deve estar neles, quanto as pessoas devem receber, como é a igualdade e a diversidade. Às vezes, a velha escola precisa ser mudada para a nova escola entrar. Mas, sim, cancelar a cultura é uma porra de deprimente. Eu odeio esse termo.”

Nesta tarde de outono, Johnson está a debater se vai assistir a uma exibição de Eternals (“Chloé Zhao é um gênio”) ou manter um compromisso planejado com a sua mãe. O tempo para a família tem sido escasso durante o COVID. Ela passa o máximo de tempo possível com a sua avó, Hedren, e permanece perto de sua grande tribo de meias-irmãs e meios-irmãos. “Eu não vi o meu pai por muito tempo porque ele mora em Montecito e está na casa dos 70 anos, e nós queríamos estar seguros”, diz ela. “Eu vi a minha mãe um pouco. Foi estranho. Se estou a trabalhar, não posso ficar perto dos meus pais porque eles são mais velhos. Mas os meus amigos e o meu parceiro [Martin], estamos muito juntos, e é ótimo. ”

Como qualquer casal ao redor do mundo, ela e Martin têm assistido Squid Game. “É tão intenso”, ela se entusiasma. “É confuso porque é alegre em alguns momentos e depois é horrível. E essa é uma combinação realmente interessante. ”

Estar em casa oferece a Johnson o tipo de anonimato que tem sido evasivo desde o seu nascimento no Texas, duas das maiores estrelas de Hollywood dos anos 80. Agora, como metade de um casal famoso, ela é perseguida por paparazzi, mesmo na era COVID. “Eles transformaram-se em parasitas sorrateiros e furtivos em pragas que você pode ver. Eles são germes invisíveis. Eles são como COVID, horríveis e mortais ”, diz ela. “Eles escondem-se em carros. Se você vai ter esse trabalho, pelo menos faça-o com alguma integridade. Saia do carro e tire uma foto. É realmente assustador nunca saber se você está sendo fotografado. É psicopata. Mas então é como, ‘Você escolheu essa carreira, lide com ela.’ Mas não, ninguém deveria ter que lidar com isso. Felizmente, descobri maneiras de evitá-los e não estou a revelar os meus segredos. Mas, na verdade, é preciso muito para ter uma vida privada.”

É algo que a autora Elena Ferrante, que é um pseudônimo, conseguiu fazer apesar dos esforços globais para desmascarar sua identidade. Johnson diz que Gyllenhaal correspondeu com Ferrante e recebeu uma bênção. Além disso, ninguém sabe nada sobre a mente brilhante por trás de The Lost Daughter. “O que é muito legal é que ela pode ser mulher. Ela poderia ser um homem. Ela poderia ser duas mulheres. Ela poderia ser um homem e uma mulher, o que transforma totalmente esse olhar feminista na sua cabeça.”

Por enquanto, Johnson está a fazer uma pausa para aproveitar os frutos do seu bloqueio produtivo antes de mergulhar de volta na rotina. Ela e Donnelly têm projetos suficientes para mantê-las ocupadas durante a próxima troca de geração da guarda. Ela tem um filme da Amazon em andamento com o diretor de Euphoria, Augustine Frizzell, e está a desenvolver uma adaptação de livro que marcaria sua estreia como diretora. Em 2013, ela apareceu no final da série de The Office, que estava prestes a criar uma série spinoff que ela iria estrelar. Nunca aconteceu, o que provavelmente mudou sua trajetória.

“Se todo o resto simplesmente desaparecer, talvez você encontre-me naquele spinoff do Office que ninguém quer assistir”, diz ela, rindo, antes de ficar séria. “Não sei em que mundo isso teria funcionado para mim criativamente. Eu descobri que quando algo dá certo, mesmo quando não há mais nada, eles simplesmente continuam tentando torcer a toalha da história. Às vezes, as coisas precisam terminar quando deveriam terminar. ”

Podem conferir em baixo todos os scans e outtakes da Dakota Johnson para a revista The Hollywood Reporter edição de Novembro fotografada por Mary Rozzi:

 

 

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Ontem, 29, a Dakota e o resto do elenco compareceram na screening e no Q&A de “The Lost Daughter” que aconteceu no Festival de Cinema de Nova Iorque.

O elenco juntou-se para algumas fotografias na red carpet e ainda se sentaram depois da exibição do filme para responderem a algumas questões.

Confiram todas as fotos da Dakota ontem no evento e também mais candids:




Aproveitando as melhores críticas da sua carreira em The Lost Daughter, a estrela conta à Vanity Fair que está a entrar numa nova fase da sua atuação: “Há uma nova mulher em mim”.

Quando a Dakota Johnson foi para a Grécia para filmar a estréia na direção de Maggie GyllenhaalA Filha Perdida, ela ainda não sabia que um ano de mudança da vida a esperava. Meses antes, a prolífica atriz, ainda mais conhecida por liderar a franquia Fifty Shades of Grey, encontrou projetos apaixonados, incluindo The Lost Daughter, sendo adiados devido a COVID, enquanto outros ainda estavam em gestação. Quando a produção finalmente começou em setembro do ano passado, na ilha grega de Spetses, a agenda de Johnson estava cheia – ela iria trabalhar em mais três projetos consecutivos, sem interrupção, por 12 meses inteiros.

Felizmente, ela começou a correr com este. Como Johnson, de 31 anos, contou-me de um luxuoso condomínio em Telluride (onde o filme acabara de fazer a sua estreia nos Estados Unidos), The Lost Daughter revelou algo nela – um novo caminho artístico adiante, uma nova janela para o seu potencial. Desde Fifty Shades, ela fez o trabalho em indies como A Bigger Splash e The Peanut Butter Falcon, mas está atualmente recebendo as melhores notícias da sua carreira por sua virada complicada no retrato intransigente da maternidade de Gyllenhaal. Johnson interpreta Nina, uma jovem mãe em férias com a sua família e um enigmático objeto de fascínio para a protagonista Leda (Olivia Colman). Como The Lost Daughter se desenvolve, Leda e Nina formam um vínculo tênue e instável que chega a um final surpreendente e intenso.

Falei com a Dakota brevemente no dia em que ela voou de Veneza, onde o filme estreou mundialmente, numa recepção lotada do cineasta para Telluride – ela ainda parecia estar processando o significado do projeto para ela, especialmente quando o burburinho de prêmios começou a crescer por isso e o seu desempenho. Ao chegar aqui depois de um ano de trabalho ininterrupto, ela finalmente está em posição de refletir e pensar sobre o que vem por aí. Sentamos no dia seguinte para uma conversa sobre tudo isso e muito mais.

Vanity Fair: Uma coisa que tu mencionaste para mim ontem foi o quão significativa foi a experiência de fazer este filme. Então, eu queria começar com uma grande questão: o que este projeto, este papel, significa para tineste momento da tua carreira?

Dakota Johnso: Maggie deu-me a oportunidade e orientou-me para eu me aprofundar na minha arte, em mim mesma, no meu trabalho. Ela perguntou-me ontem o que eu achava do filme e eu disse: “Estás satisfeita?” E eu apenas disse: “Não, estou honrada.” Estou surpresa com o trabalho dela e com as atuações neste filme. É tão honesto e uma verdade crua sobre a maternidade e ser mulher.

Eu senti-me muito parecida como a Nina se sente no filme, que está com tanta fome e sede de outra coisa e de ser vista – não ser apenas a rapariga boa na praia. Ela quer mais. Ela quer cravar os dentes em algo que sacie essa fome na sua mente. Eu sinto-me muito assim na minha carreira. Eu fico tipo, como pode ser melhor do que isso? Eu quero algo mais profundo e sombrio, mais real e mais honesto. Eu definitivamente sinto que consegui isso com este.

Conversate com Maggie, entrando no projeto, sobre como querias algo assim?

Sim. E também, só precisas fazer perguntas para entender quem alguém realmente é, e Maggie faz isso. Acho que ela viu em mim, talvez antes que eu visse em mim. Foi mútuo – vamos fundo juntas.

Achas que isso é em parte porque ela mesma é atriz? Você trabalhou com uma grande variedade de diretores, e é interessante que ela seja a única a desbloquear uma coisa dessas em você.

Sim. Havia um nível de compreensão e confiança que eu tinha por ela, porque eu sabia que ela sabe o que é não ser vista. Ela sabe o que é não ser tratada com graça e com cuidado…. O fato de ela ser atriz, é claro, é uma grande parte do motivo pelo qual trabalhar com ela é incrível. Principalmente porque ela tem uma mente de diretora, e também uma mente de atriz emocional de como entrar em algo, dentro do cérebro de alguém.

Como vocês as duas falaram sobre Nina? Particularmente porque, eu acho que tanto no livro quanto no filme, ela é uma personagem enigmática e complicada na maior parte da história.

Quando Maggie e eu começamos a trabalhar nas coisas de Nina, perguntei se eu deveria ler o romance e ela disse: “Talvez não leia”. Eu estava em cima do muro porque você está pegando o trabalho de um artista e levando-o mais longe. Você está ajudando a crescer ainda mais…. Eu quero tornar essa Nina totalmente real, e apenas autêntica e crua. Ela está privada – de ser notada por ser um ser humano e ser uma pessoa com alma e mente. E é devastador, mas ela também está apenas tentando, e isso também é devastador. Eu queria seguir Maggie. Não é como, aqui está o livro em uma tela. É alguém recebendo o trabalho de outra pessoa e sentindo-se profundamente afetada por ela. É assim que eles podem compartilhar esse sentimento com o mundo.

Parece muito com sua própria expressão; você vê isso nas performances também. Então você vai à Grécia para filmar, você tem um roteiro realmente provocativo. Como foi quando você começou a filmar e encontrou seus ritmos?

Quer dizer, todo esse tempo de fazer filmes durante o COVID é diferente, e é difícil e deprimente. Eu fiz quatro filmes em menos de um ano e é muito hardcore.

Uau.

Eu vou chegar nessa parte. Quando chegamos à Grécia, porém, todos tiveram que ficar em quarentena por mais tempo, duas semanas ou algo assim. E então estávamos em uma bolha. Eu, Olivia, [o elenco], estávamos juntos o tempo todo, então não parecia, oh Deus, o primeiro dia de aula. Jantávamos, almoçávamos, tudo juntos todos os dias e depois bebíamos à noite. E era como uma pequena família. Não obtivemos um teste COVID positivo. Não fechamos nenhuma vez. O que é tão raro.

Então, vamos para a parte mais pesada. Estou interessado.

OK. Fazer um filme já é muito isolador, porque você está no local e nem sempre tem tempo para sair, ou está trabalhando por muitas horas. Muitas vezes, você está sozinho e com seus pensamentos e com o dia todo sendo tão vulnerável. O que atenua esse isolamento é a camaradagem que você tem no set com a equipa, e piadas – palhaçadas. E agora você não tem isso. Você nem consegue ver o rosto de ninguém. Você não pode dizer se alguém está sorrindo para você, ou se você fez uma tomada e viu que alguém percebeu e sentiu. Mesmo um diretor, você só pode ver seus olhos, e às vezes os olhos das pessoas não combinam com sua boca. Descobri que tudo isso me faz sentir extra, extra, extra, vulnerável e extremamente nervosa.

E você fez quatro filmes seguidos, nessas condições. Como isso aconteceu?

Foi selvagem e ótimo. Simplesmente acontece [dessa forma] porque, especialmente no COVID, é tão difícil encontrar um slot…. Filmamos The Lost Daughter, de setembro a outubro do ano passado, cerca de um ano atrás. Então fiz um filme que Tig Notaro e sua esposa, Stephanie Allen, dirigiram chamado Am I Okay? e então eu fiz Persuasão [Netflix]. E então a minha empresa acabou de fazer um filme chamado Cha Cha Real Smooth.

Cooper Raiff escreveu Cha Cha e nós nos conhecemos, quando eu estava na Grécia para o The Lost Daughter, na verdade, fizemos um zoom. Assisti ao filme dele [Shithouse] e disse, o que você quer fazer? E ele estava tipo, bem, eu tenho essa ideia, o filme se chama Cha Cha Real Smooth . Ele começou a escrever, nós apenas desenvolvemos a merda disso, notas de um ano para outro. Então começamos a preparação em Pittsburgh e a minha parceira estava lá enquanto eu estava na Inglaterra filmando Persuasion, e então fui diretamente para Pittsburgh.

É revigorante, talvez exaustivo, fazer tantas coisas em sequência? É assim que gosta de trabalhar?

Se é isso que está acontecendo agora, é isso que estou fazendo, e isso é ótimo. Não sou preciosa quanto ao modo como trabalho. Sou preciosa quanto à qualidade. Cheguei em Pittsburgh e estava cansada, magra e faminta, e funcionou para o papel. Foi tipo, vamos usar isso e tudo bem. Eu não sei. Eu sinto que isso é tudo que eu quero fazer e está acontecendo agora. Então, vou continuar fazendo isso.

Então Lost Daughter foi a primeira coisa que você fez desde que o COVID fechou tudo em março de 2020, certo?

Eu penso que sim.

Estou perguntando por causa do que você disse no início, sobre o filme desbloquear algo em você. Sentiu vontade de embrulhar isso, você estava em um novo lugar para si mesmo como artista, como ator, antes de começar a trabalhar por um ano direto?

Quando falei com Maggie no mês passado, ela disse que essa foi uma grande parte de sua experiência com este filme também – ela expressou isso como se essa coisa estivesse fermentando dentro dela por um longo tempo antes de fazer o filme. Houve algum tipo de conexão em termos dessa experiência coletiva entre vocês?

Com certeza. Definitivamente comigo e Maggie – quando você é mulher e faz 30 anos, tem que permitir que algo aconteça – se quiser. Você não precisa, mas se estiver interessado em ir um pouco mais fundo, você tem que dizer: Ok, vamos soltar a donzela ou seja lá o que for. Ela meio que era minha pastora dessa forma. É quase como se nós duas nos libertássemos de algo. Eu sei o que isso significa para mim, e ela sabe o que significa para ela. É o medo de quando você tem potencial para fazer as coisas, mas você fica tipo, vai ficar tudo bem? Todos os pensamentos dificultadores que acabam com sua capacidade de ser a versão mais forte, mais brilhante e mais prolífica de si mesmo. Eu acho que é tão libertador quando você trabalha com alguém que está vivenciando isso e nas mãos delas, você também pode vivenciar isso. Isso foi especial.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




No penúltimo dia do Festival de Cinema de TellurideDakota Johnson e Maggie Gyllenhaal participaram no Q&A de The Lost Daughter depois da exibição do filme. E depois mais tarde ambas foram fotografadas enquanto dançavam na festa da Netflix no Festival.

Confiram as fotos:




Após a passagem por Veneza, Dakota Johnson e Maggie Gyllenhaal desembarcaram em Colorado para o Festival de Cinema de Telluride, para apresentarem The Lost Daughter no Festival.

Confiram as fotos:




Aconteceu na sexta-feira passada (03) a primeira estreia mundial de The Lost Daughter no Festival de Cinema de Veneza. Dakota Johnson, que interpreta a Nina no filme, compareceu ao lado de Olivia Colman, Maggie Gyllenhaal, Peter Saarsgard, Luca Guadagnino, Alessandro Michele, Jake Gyllenhaal e muito mais. Confiram as fotos e os vídeos abaixo:




A estreia de Maggie Gyllenhaal na direção com um elenco fantástico: Olivia Colman é a protagonista, Leda, juntamente com a Dakota Johnson, Peter Sarsgaard e Alba Rohrwacher

Para a sua estreia na direção – intensa e intimista – Maggie Gyllenhaal escolheu A Filha Perdida, baseado no romance La figlia oscura de Elena Ferrante, deslumbrada pela autora de L’amica genial. Exibido pela primeira vez no Festival de Cinema de Veneza e em breve nos cinemas italianos e na Netflix, o filme reúne um elenco feminino estelar de grande valor.

A sinópse

A protagonista, Leda, é interpretada pela vencedora do Oscar Olivia Colman (no presente) e pela talentosa Jessie Buckley (no passado). No início da história, Leda, uma professora britânica, está de férias na Grécia, onde aluga uma villa à beira-mar que parece dar-lhe a tranquilidade que procura. Quando um grupo de vizinhos barulhentos chega à praia, o clima muda: Nina (Dakota Johnson) tem uma filha jovem e inquieta, cuja visão enche Leda de ternura, mas também de tristeza. Leda tem duas filhas adultas e se vê na jovem mãe, mas algo muda, iniciando uma série de inesperadas cadeias de reações. O estudante irlandês Will, interpretado por Paul Mescal (protagonista da famosa série Normal People), administra o resort de praia, enquanto Peter Sarsgaard é o professor Hardy, um acadêmico que mudou profundamente a vida pública e pessoal de Leda.

Para Olivia Colman

Maggie Gyllenhaal disse que Elena Ferrante concedeu-lhe os direitos de adaptação [do romance em filme] sob duas condições, uma foi que ela não retratasse Leda como louca porque isso teria desencadeado uma onda de superioridade e falta de empatia por parte do público. O que você acha disso?

Olivia Colman: Na realidade, todo mundo pensa que é algum tipo de pessoa, mas acaba sendo diferente. Leda faz coisas horríveis, mas de um jeito diferente do normal, o que imediatamente me intrigou da maneira certa. Gosto de experimentar. E estou feliz que ela não seja considerada louca porque ela é apenas uma mulher para quem a vida reservou situações muito complexas.

É difícil compartilhar o mesmo com outra pessoa?

OC: Jessie e eu somos amigas e nos conhecemos há muito tempo, então trocamos várias mensagens, mas Maggie me tranquilizou antes. Ela não queria que eu me fixasse em como coordenar nossas performances e me deu carta branca, o que foi libertador. Nossos dias de filmagem se sobrepuseram apenas por alguns dias, mas foi legal.

A diretora disse que não acreditou no que via quando viu que você havia aceitado o papel. O que o convenceu a fazer isso?

OC: Eu respeito e admiro muito a Maggie e gostaria de ser tão multifacetada quanto ela. Eu nunca vou dirigir na minha vida, há muitas coisas para manter sob controle, enquanto ela tem a situação sob controle o tempo todo. Então, quando ela me ofereceu o papel, fiquei com medo de não ser boa o suficiente para isso. Precisei de algumas doses para encontrar coragem para dizer sim.

A autora é Italiana, a diretora é americana e a protagonista é britânica. Como vocês se entendem?

OC: Para mim, isso é um valor agregado, porque Maggie é muito direta. Lembro-me de um dia quando estávamos no set com a figurinista, que também é britânica: estávamos conversando por cerca de vinte minutos sobre um certo chapéu de que eu não gostava, mas estava tentando lidar com a situação diplomaticamente. Não conseguimos chegar a um acordo e assim que ela percebeu, disse “Tire essa p*rra de chapéu”. Nós dois falamos inglês, mas era como se fossem idiomas diferentes, mas ela resolveu o problema em um segundo.

Então Maggie convenceu Elena Ferrante.

Como você obteve os direitos do filme?

Maggie Gyllenhaal: Eu me apaixonei completamente pelo livro, a ponto de escrever para Elena Ferrante uma longa e apaixonada carta. Ela me disse que não me daria os direitos a menos que eu dirigisse o filme, então eu tentei. Eu nunca conheci Elena Ferrante, mas nós nos escrevíamos muito e eu valorizo ​​essas palavras porque elas são muito preciosas para mim.

No início, a sua esposa não queria dar-lhe o papel de um homem envolvido em um relacionamento com uma mulher jovem e bonita. Você está feliz que ela mudou de ideia?

Peter Sarsgaard: Para mim, foi um enorme prazer ver minha esposa mostrar todo o seu talento e potencial. Não vou acrescentar mais nada, porque posso começar a chorar. Veja, agora as pessoas sabem que ela não é apenas uma atriz incrível, mas também tem um olho aguçado para a verdade não convencional. Ela sempre consegue me inspirar.

Como lhe convenceram a se juntar ao projeto?

Dakota Johnson: Maggie e eu nos encontramos para almoçar em Nova York, antes disso nos vimos apenas uma vez em uma festa, muito brevemente. A verdade é que sempre fui apaixonada pelo trabalho dela e desta vez ela me pegou desprevenida com o papel que me pediu para interpretar. Ela me fez sentir segura, mesmo que seu pedido me assustasse muito. Esta é uma colaboração que ficará comigo para sempre.

Alba Rohrwacher: Eu estive no set apenas por alguns dias para minha participação especial, mas aqueles foram os momentos mais felizes do ano passado.

Uma última curiosidade: você sabe quem é Elena Ferrante?

Maggie: Infelizmente, não. Eu nunca a conheci, mas nós nos escrevíamos muito e eu valorizo ​​essas palavras porque são muito preciosas para mim.

Fonte | Tradução: Equipa DJPT




Algumas horas antes da estreia mundial de The Lost Daughter, a Dakota Johnson juntamente com a Olivia Colman, Maggie Gyllenhaal e o resto do elenco compareceram ao photo-call e conferência de imprensa do filme no Festival de Cinema de Veneza.

Confiram as fotos e vídeos abaixo:




The Lost Daughter” foi exibido pela primeira vez para o público e para a crítica especializada. Com muita aclamação para a performance da Dakota como Nina.

Traduzimos algumas críticas especialmente para vocês, sem spoilers!

THE GUARDIAN: Em sua excelente estreia como diretora, Maggie Gyllenhaal conjura o romance original de Elena Ferrante de 2008 num cinema húmido e sensual: uma miniatura cativante, cheia de detalhes reveladores e pequenos dramas em letras grandes. Artistas como Ed Harris, Dakota Johnson e Paul Mescal fornecem a The Lost Daughter um impressionante coro grego. Mas este é o palco de Colman e a sua tragédia. Você não consegue tirar os olhos dela por um segundo.

Ainda não li o romance de Ferrante e achava que sabia para onde este estava a ir. Mas The Lost Daughter enganou-me e tomou uma direção diferente, com mais nuances; aquele que é tão gratificante à sua maneira.

TIME: The Lost Daughter está uma ideia ousada e perigosa: é uma exploração do que a maternidade pode drenar de uma mulher – uma mudança dramática dos típicos clichês de olhos vidrados sobre como é gratificante ter e criar filhos. Buckley é incrível, seu desempenho combinando tão perfeitamente com o de Colman que é fácil ver a mulher mais velha dentro da mais jovem, e vice-versa. Tanto Colman quanto Buckley são talentosos e habilidosos, mas os temas do filme são exigentes e complicados; Eu poderia imaginar algumas pessoas sendo repelidas por eles. Gyllenhaal molda essas ideias lindamente, de uma forma que parece pesquisadora e exploratória, nunca julgadora. E você tem a sensação de que ela se apaixonou um pouco pelos atores. Isso não é um requisito para todos os filmes, mas talvez para um como este, que mergulha tão fundo na alma de uma mulher que teve que agarrar a própria felicidade, aquele toque extra de ternura pode fazer toda a diferença.

Chamar The Lost Daughter de estreia garantida é prestar um pequeno desserviço – a garantia sugere que um cineasta sabe tudo o que acontece. O que vemos é algo maior: o ato de descobrir – dos dons que os atores podem trazer para um história, de como manter uma narrativa complexa juntos – em andamento. É isso que torna este filme tão eficaz, tão ocasionalmente perturbador e tão vivo.

THE WRAP: É uma obra-prima de percepção e de tudo o que a sociedade atribui às mães e à maternidade. Ele captura a pressão sobre as mães para nunca reclamar e sempre sorrir, mesmo quando você está gritando por dentro. É uma estreia triunfante para Gyllenhaal.

INDIE WIRE: Olivia Colman e Dakota Johnson apresentam algumas das suas melhores performances.

Tradução: Equipa DJPT




parceiros
layout desenvolvido por lannie d. - Dakota Johnson Portugal