Bem vindos ao Dakota Johnson Portugal, única e melhor fonte de informações sobre a atriz Dakota Johnson, mais conhecida por dar a vida à personagem Anastasia Steele em as “Ciquenta Sombras”, em Portugal. Aqui vais encontrar todo o tipo de notícias, desde aparições, novos projetos, cada detalhe dos seus trabalhos, entrevistas e muito mais. Não somos a Dakota e não mantemos qualquer tipo de contato com a mesma. Não temos contato com os seus agentes, familiares ou amigos. Todo o conteúdo encontrato no site pertence ao site até que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucatrivos. Visita cada página e volta sempre!

Dakota Johnson está, por conta própria, seis minutos atrasada. Conectando-se a uma vídeochamada recente, ela explicou que havia procurado online um cobertor pesado para ansiedade e não fazia ideia de que havia tantos tipos diferentes.

“Eu só preciso de uma coisa, e então sou inundada com opções,” ela disse, “e então isso é como a história da minha vida. Acabo por meter as coisas no cesto e nunca mais as compro.”

Johnson tem boas razões para estar streassada, embora não saiba disso pelo seu comportamento plácido e brincalhão, voz suave e doce e entusiasmos variados e discretos. Tendo lançado ao estrelato como atriz com a trilogia Cinquenta Sombras e atualmente recebendo elogios no concorrente da temporada de premiações The Lost Daughter, Johnson também estrela dois filmes no Sundance Film Festival de 2022 , que começa quinta-feira em formato virtual, pelo segundo ano consecutivo. Os projetos também marcam os primeiros filmes finalizados produzidos pela sua empresa, TeaTime Pictures.

Cha Cha Real Smooth, do roteirista e diretor Cooper Raiff, que estreia no domingo na competição dramática do festival nos Estados Unidos, apresenta Johnson como Domino, mãe de uma adolescente autista (Vanessa Burghardt) e noiva. Depois que ela conhece Andrew (Raiff), de 22 anos, que recentemente começou a trabalhar como iniciador de festas de bar mitzvah, as coisas mudam.

Em seguida, Am I OK?, dirigido por Tig Notaro e Stephanie Allynne a partir de um roteiro de Lauren Pomerantz, vai estrear no dia seguinte, com Johnson estrelando como Lucy, que encontra sua amizade de longa data com Jane (Sonoya Mizuno) arruinada pela mudança iminente, de Jane, do país para o trabalho, bem como a percepção de Lucy de que ela é lésbica.

Para Johnson, 32, trazer os dois filmes para Sundance é uma declaração de propósito para a TeaTime e as suas grandes ambições para a empresa.

“Como atriz, especialmente quando o filme é lançado, estou sempre a esbarrar em alguma coisa”, disse ela. “Estou a descobrir que é como, ‘Oh, não foi para isso que eu assinei. Esse não é o filme que eu queria fazer ou que falamos sobre fazer.’ Porque por tanto tempo, a minha carreira tem sido, eu a preparar-me e apareço e faço o meu trabalho, e é isso. E eu vou para o ADR e então eu vou promover a porra do seu filme e eu vou andar pelos tapetes vermelhos. E você não tem nada a dizer sobre o resultado, e a sua integridade como artista é meio atrofiada.”

Com Am I OK?, pela primeira vez ela viu-se a lidar com muito mais, todas as coisas que antes eram escondidas dela no processo de fazer um filme. Que neste caso incluiu dois cancelamentos por conta do COVID de 10 dias em cada filme, destinados a ter uma produção que durasse apenas 20 dias.

“É claro que há coisas que são stressantes em termos de ‘OK, como fazemos isso? Como contornar esse problema e economizar dinheiro?’ Todas as coisas que são tão pouco sexy sobre fazer filmes, mas então sinto-me melhor com isso”, disse Johnson. “Sinto que cada decisão tomada pode ser feita com integridade artística, pode ser criativa. Pode ser, ‘OK, como podemos fazer isso funcionar, mas ainda ultrapassar um pouco os limites, ainda alcançar os corações que precisam ser alcançados?’

“Não se trata de controle. É sobre contribuição. É sobre colaboração”, disse ela. “Trata-se de realmente alcançar uma ideia e aderir a ela e manter a integridade de qualquer história que esteja a tentando ser contada.”

Enquanto o resto do mundo passou por vários estágios de cancelamento nos últimos dois anos, Johnson tem estado particularmente ocupada. Ela lançou a TeaTime Pictures com a parceira Ro Donnelly em 2019, e eles já haviam montado alguns projetos quando a pandemia parou a indústria no início de 2020. Quando as coisas voltaram a funcionar, ela fez quatro filmes em ordem bastante rápida, filmando The Lost Daughter na Grécia, Am I OK? em Los Angeles, Persuasion na Inglaterra e Cha Cha Real Smooth em Pittsburgh.

“Talvez seja por isso que eu precise do cobertor, porque tem sido muito hardcore”, disse Johnson. “De alguma forma, eu simplesmente não parei durante o COVID.”

Am I Ok? originalmente deveria ser filmado em 2020, mas foi adiado pela pandemia. Notaro conheceu Johnson depois que o namorado de Johnson, Chris Martin, do Coldplay, enviou um e-mail do nada para perguntar se Notaro poderia se apresentar na festa de 30 anos de Johnson. Os dois deram-se bem e mantiveram contato, com Notaro estendendo a mão enquanto ela e Allynne, que são casadas, procuravam escalar o seu filme de estreia como co-diretoras.

“Ela não é alguém que entra num projeto sem uma opinião ou nota”, disse Notaro. “Ela sabe o que está a fazer e sabe o que quer fazer. Não há confusão aí. Há tantas pessoas que assumem papéis de produtoras que estão sentadas em silêncio, e esse não é o caso dela.”

Raiff conheceu Johnson pelo Zoom enquanto ela estava a filmar The Lost Daughter. Raiff, o cineasta e ator de 24 anos que ganhou o grande prêmio do júri no South by Southwest Film Festival 2020 com o seu longa de estreia, Shithouse, apresentou a Donnelly e Johnson a ideia que se tornaria Cha Cha Real Smooth. Então ele começou a desenvolver o roteiro com a equipa do TeaTime, adaptando o papel de Domino para Johnson.

“Acho que Domino realmente combina muito bem todo o seu talento e a sua sensibilidade”, disse Raiff. “Ela pode namoriscar com uma parede, mas também é muito profunda e traz muitas coisas não ditas, mas isso vem tão bem por causa da sua presença insana na tela… uma pessoa criativa”.

Antes de lançar a sua empresa juntas, Donnelly, que trabalhou anteriormente na Netflix, conheceu Johnson através de um amigo em comum e percebeu que o seu gosto e visão estavam alinhados.

“Nós éramos amigas, então nós as duas estávamos analisando uma a outra”, disse Donnelly. “Eu realmente queria trabalhar com algum talento feminino, e ela queria fazer algo maior do que apenas um negócio de vaidade.”

No final do ano passado, Johnson e Donnelly venderam uma participação minoritária na sua empresa para a Boat Rocker, o estúdio canadense onde eles têm um primeiro acordo, e a executiva Katie O’Connell Marsh juntou-se à TeaTime Pictures como sócia. O seu papel é ajudá-la a expandir para algo mais do que uma produtora, com planos para construir uma comunidade criativa que possa ser usada para lançar produtos selecionados.

Sobre Johnson, O’Connell Marsh disse: “Estou mais inspirada pela sua ambição sem fim. Ela pensa nas coisas em termos de como olhar para o que está à frente, o que vai ser relevante. O que vai ser ótimo, mas também incrivelmente acessível.”

“Ela tem muito bom gosto e pode falar como artista quando está a conversar com outros artistas, com um escritor ou diretor ou com outros atores”, disse Erik Feig, cuja empresa Picturestart esteve envolvida na produção e financiamento de Am I OK? e Cha Cha Real Smooth. “Mas porque ela está neste negócio há tanto tempo e ela sabe muito bem, eu acho que ela também realmente entende o negócio do negócio. Essa é uma combinação única de se ver.”

Johnson está em numa encruzilhada intrigante como performer, numa posição incomum onde ela pode interpretar personagens relativamente despreocupados tentando descobrir suas vidas à maneira de uma heroína de comédia romântica, como em Am I OK? ou The High Note, de 2020, enquanto ela também pode interpretar partes mais sombrias, refletindo pessoas com mais responsabilidades lidando com onde se encontraram, como em Cha Cha Real Smooth ou The Lost Daughter. É raro ver alguém capaz de navegar com sucesso pelos dois lados dessa divisão de maturidade.

O que levanta a questão de onde Johnson se considera na sua própria vida e se algum dos seus papéis recentes reflete como ela se sente sobre si mesma.

“Não, de jeito nenhum”, disse ela. “Não sinto que nenhum desses papéis reflita onde estou. Talvez momentos em filmes, retrospectivamente eu possa ter estado lá emocionalmente ou em relação a relacionamentos ou algo assim, mas eu não sinto que há um filme que eu possa dizer, ‘Oh, essa sou eu na minha vida.’

“Eu não sei se eu gostaria de fazer isso”, disse ela. “Acho que posso querer apenas viver minha vida.”

Antes do seu papel de destaque na trilogia Cinquenta Sombras, Johnson cresceu em torno dos negócios de Hollywood, graças aos seus pais, os atores Melanie Griffith e Don Johnson. E ela traz esse histórico, bem como uma série de escolhas de carreira ecléticas, para essa nova etapa de produção.

“Crescer no set e assistir tantas conversas sobre esse trabalho e essa indústria e as pessoas nela e depois ter a minha própria carreira nos últimos 14 anos, acho que só quero fazer a diferença”, disse Johnson. “Quero melhorar. Eu quero ter uma experiência melhor. Eu quero dar mais oportunidades para pessoas incríveis fazerem coisas. Eu quero fazer mais. Eu tenho sonhos tão grandes, está fora de controlo. E eu tenho tantas ideias, e eu só preciso tirá-las. Mesmo que eles sejam horríveis e Ro diga, ‘Não, esse não’”.

“Dakota é uma pessoa tão criativa, gosto de dizer que ela é como o vento. Ela está sempre a mover-se e a sonhar, e ela é bem etérea”, disse Donnelly. “Eu definitivamente sou a mais realista de nós as duas, mas eu amo osbseus grandes sonhos. Nós definitivamente nos equilibramos.”

Após as estreias de Sundance de Am I OK? e Cha Cha Real Smooth, ambos entrando no festival procurando uma venda para um distribuidor, Johnson planeja continuar expandindo a TeaTime Pictures. Embora elas tenham cerca de 25 projetos em diferentes estágios de desenvolvimento, o próximo projeto mais imediato é provavelmente Daddio, escrito e dirigido por Christy Hall e estrelado por Johnson e Sean Penn. Há também uma adaptação em série do livro de memórias de Bexy Cameron, Cult Following, a ser adaptado e dirigido por Zoe Lister-Jones para Johnson e sua melhor amiga de longa data, Riley Keough.

Se houve um tempo em que foi uma luta para Johnson deixar a notoriedade dos filmes Cinquenta Sombras para trás, ela agora parece entrar na próxima fase da sua carreira totalmente sob o seu próprio controle.

“As pessoas sempre têm opiniões sobre tudo e especialmente sobre outras pessoas, especialmente pessoas famosas, especialmente pessoas famosas nuas, então às vezes é como barulho de mosquito para mim”, disse Johnson. “Acho que só quero fazer o que é fiel ao meu coração, e fiz. E embora as coisas nem sempre aconteçam como deveriam ser quando estou lá apenas como atriz, as escolhas que fiz sempre foram do meu coração e não por qualquer outro motivo.”

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson vem de uma linha de mulheres impactantes. Agora, ao deixar a sua própria marca, Molly Creeden encontra-a para conversar sobre matriarcas, maternidade e movimentos em Hollywood.

“Conheces o livro ‘The Birthday Book’?’ Pergunta Dakota Johnson. Ela está sentada a uma mesa à luz de velas; olhos azuis inquisitivos, franja tão habilmente roçando suas sobrancelhas que sua manutenção parece um trabalho de tempo integral. ‘É um grande livro que passa todos os dias do ano e fala sobre você e outras pessoas nascidas no seu aniversário. Eu nasci no Dia dos Incorrigíveis”, diz ela. E eu penso, isso faz sentido.

Já estamos no Shutters on the Beach há uma hora, o sol de inverno se pondo sobre a areia de Santa Monica. Johnson estava atrasada – algo relacionado à conversa com Andrew Garfield e o tráfego de Los Angeles – e eu estava a recuperando de uma festa na noite anterior, então começamos abordando cada uma de nossas necessidades.

“Provavelmente deveríamos pedir batatas fritas porque você está de ressaca.” Diz ela, depois de pegar um chá para si mesma. Ela segura a bebida quente em suas mãos enquanto explica mais sobre que tipo de pessoa ela é, cuja essência aparentemente pode ser atribuída a 4 de outubro de 1989, o dia em que ela nasceu. Por um lado, ela recusa a autoridade. ‘Eu não gosto de regras estúpidas, como regras por causa das regras. Ou pessoas implementando regras porque estão buscando poder”, diz ela com firmeza. ‘Se uma cadeira está marcada” Não sente aqui”, eu fico tipo,”Por que diabos não?” Não sei de onde veio isso e por que ficou tão ruim”, diz ela, balançando a cabeça.

Como uma presença, porém, Johnson parece o oposto de incorrigível: absurdamente serena, com uma voz tranquilizante que parece diminuir o seu ritmo cardíaco enquanto ela fala. Essa calma sobrenatural é surpreendente devido à sua educação, que envolveu pais importantes (Melanie Griffith e Don Johnson), avós (estrela de cinema dos anos 60, Tippi Hedren) e padrasto (Antonio Banderas), e o fato de que ela foi criada em sets de filmagem em todo o mundo. Ela aprendeu a dirigir no palco onde seu pai filmou o drama policial Nash Bridges.

Ao contrário da maioria dos humanos – famosos ou não – Johnson parece confortável com o silêncio escancarado; seja em uma conversa muito pública (veja sua entrevista com Ellen, famosa nas redes sociais pelos longos silêncios entre o anfitrião e o convidado), ou entre duas pessoas dividindo batatas fritas. Ela permanece em uma pausa profunda pelo que parece ser um minuto inteiro depois que eu pergunto por que ela consegue suportar o tipo de silêncio que faz a maioria das pessoas se contorcer. Finalmente, ela quebra, mas parece confusa. “Bem, o que eu faria para lutar contra o silêncio?

Não é apenas sua contenção. Johnson emite o tipo de compostura sem pressa que faz você sentir que vai adormecer enquanto ela lê as instruções do GPS em voz alta. Ela sabe que sua turnê pela Architectural Digest house [501.000 likes no YouTube] – em que ela discute languidamente seu sofá de mohair e uma mesa feita de madeira do iate de Winston Churchill – é comparada ao ASMR? “Eu estava com tanta ressaca ao fazer aquele vídeo”, diz ela. “É provavelmente por isso que eu estava tão calma.” Mas de onde vem isso? Ela considera a questão.

“Bem, meus pais são… eu não acho que entendi deles, eles eram selvagens quando eu estava crescendo,” diz ela, indiretamente fazendo referência às tribulações de Don Johnson e Melanie Griffith com vícios e festas nos anos noventa. “Acho que talvez esteja protegida ‘, diz ela. “E isso soa sereno.”

Johnson é de fato cautelosa e claramente hábil em reter informações que poderiam acabar como gravetos de tablóide. Desde 2017, ela namora Chris Martin do Coldplay e, quando em público, o casal atrai hordas de paparazzi em ambos os lados do Atlântico. Eles buscaram uma existência tranquila em uma casa moderna no estilo Cape Cod em Point Dume, Malibu. “Estamos juntos há um bom tempo e saímos às vezes, mas ambos trabalhamos tanto que é bom estar em casa e ser aconchegante e privado. A maior parte da festa acontece dentro da minha casa”, diz ela sobre amigos que parecem estar na indústria do entretenimento ou próximos dela.

Aos 32, Johnson luta com o espaço liminar entre os jovens e os não tão jovens. “Eu sinto-me com 48 e 26 anos,” diz ela. “Eu tive muita vida na minha vida. Eu tive muita vida muito jovem, então acho que me sinto mais velha.” Isso parece consistente, eu observo, com o fato de que após esta entrevista de sexta à noite, ela irá para casa assistir Elle Fanning na segunda temporada do The Great. Johnson ri. “Eu sei! Eu sou tipo, é sexta-feira! Eu deveria ficar um pouco fudida. E às vezes eu faço! Mas tenho trabalhado tanto que beber chá e assistir TV me atraiu.”

Nem sempre foi assim. A tendência incorrigível de Johnson significou que ela foi enviada para um colégio interno católico só para meninas por um ano do ensino médio. Lá ela conheceu uma menina chamada Justine, que havia chegado à Escola Santa Catalina após ser expulsa de outra. As duas se tornaram amigas rapidamente e imploraram para serem companheiras de quarto, criando laços por causa de livros, música e grunge. Johnson não teve saudades de Santa Catalina. “Eu deveria ser uma debutante e me divertir muito, mas não me saí bem”, diz ela. O vínculo com Justine, no entanto, durou. A sua amiga foi para Nova York e Paris, tornou-se fluente em francês e espanhol e, em seus vinte e poucos anos, apresentou a Johnson os romances napolitanos de Elena Ferrante – a série italiana de amadurecimento que narra a complexa amizade de 60 anos entre duas mulheres. Johnson credita Justine por desafiá-la ao longo de sua vida; reconhecendo uma curiosidade dentro de si mesma que ainda não via. “Na verdade, ela é minha amiga brilhante,” diz ela, referindo-se ao título do romance mais famoso de Ferrante.

Então, em 2018, quando a atriz Maggie Gyllenhaal recebeu a bênção de Ferrante para adaptar e dirigir o roteiro de The Story of the Lost Child – o quarto romance da série – o interesse de Johnson foi despertado. Ela estava empenhada no papel de Nina, uma bela jovem mãe em férias com sua família na Grécia, que encontra Leda (interpretada por Olivia Colman), uma professora de meia-idade com uma abordagem pouco ortodoxa da maternidade que lança uma sombra sobre o seu passado. Para Leda, está claro que Nina é um objeto brilhante sendo esmagado pelas demandas dos pais e pelas expectativas do mundo em relação às mães. ‘Não leio mulheres como Nina com muita frequência’, lembra Johnson, cuja carreira incluiu papéis dramáticos e cômicos em redes de televisão, sucessos de bilheteria globais, indies e comédias. ‘É muito raro ler uma jovem que está perdida, se afogando, zangada e com fome de ser visto, que não é a idéia totalmente formada de alguém de como uma mulher deveria ser. ‘

Ela buscou um encontro com Gyllenhaal, durante o qual “nos aprofundamos na experiência de ser mulher, tanto no cinema quanto neste mundo”, diz Johnson. ‘Eu estava tipo:’ Eu farei qualquer coisa. Eu realmente queria segui-la ‘.’ Gyllenhaal ficou igualmente impressionado ao conhecer Johnson: ‘Dakota leu o roteiro e disse: “Eu quero tentar algo que nunca tentei antes, e eu quero fazer isso com você. ” E acho que foi isso que aconteceu. Eu meio que peguei sua mão e disse: “Vamos”.

Gyllenhaal lembrou Johnson de outras mulheres importantes em sua vida. Mulheres como Justine, que a puxou para outro nível. _ Não sei se você já teve isso em que conhece outra mulher e vê nelas partes de si mesmo que não sabia que tinha antes de se conhecer, _ explica ela. _ É quase como se eles mudassem o controle da sua vida. E Maggie tem sido essa pessoa para mim. Ela é uma buscadora da verdade.

Johnson fala muito sobre esse tipo de mulher. Aqueles cuja conexão tácita – semelhante àquela que eletriza Leda e Nina no filme – a empurra a evoluir. Mulheres como Sam Taylor-Johnson, que a dirigiu em seu papel em 50 Shades of Grey, Leslie Mann, sua co-estrela no próximo filme de sua própria produtora, Cha Cha Real Smooth, a sua terapeuta, que Johnson a chama de ‘full- sobre o herói’, e a mãe do ex namorado do altura da escola, que continua sendo importante para ela.

“Ela era apenas um tipo diferente de mãe,” ela explica sobre o último. “Ela é profundamente espiritual e focada. Minha mãe é carinhosa e carinhosa”, diz ela, “mas às vezes você precisa de algo mais de alguém.” A influência dessas mulheres na atuação de Johnson em The Lost Daughter, um filme calmo e abrasador que é honesto – e radical – sobre as realidades de como as mulheres se relacionam com a experiência de criar filhos.

Ao apresentar um retrato implacável da dura fisicalidade da maternidade, sua abnegação sufocante, sua barganha enlouquecedora e amor eufórico, The Lost Daughter de Gyllenhaal aborda questões que estão profundamente arraigadas na experiência da maternidade: e se você não gosta de ser mãe? E se você admitisse em voz alta? E se – como os homens fazem há anos – você abandonasse a responsabilidade por seus filhos?

Nas suas expectativas de trabalhar ao lado de sua famosa co-estrela Olivia Colman, Johnson é tipicamente plácida. “Bem, eu estava tipo, eu pergunto como ela vai ser?” Ela lembra. “Mas nós nos amávamos. Ela é tão maternal e afetuosa e sempre quer sair, beber vinho e conversar.” Johnson tem observado as mulheres reagindo a este filme enquanto ela assistia às exibições. Elas lutam. Elas choram. Ela percebeu que às vezes as mulheres mais jovens ficam com raiva. “Elas vão assistir Leda e dizer: ‘Ela é uma pessoa horrível, eu a odiei, ela é tão desagradável.”’ Durante as filmagens, Johnson pensou muito sobre a sua própria mãe, uma mãe trabalhadora de três filhos e alguém que ela descreve como capaz de tornar tudo possível. Ela foi capaz de ser uma mãe carinhosa, generosa e carinhosa, e fazer o seu trabalho e ser uma parceira incrível para os seus maridos. Mas também houve tempos realmente sombrios. Então, a questão é dizer que nada é perfeito o tempo todo – nada.

Eu pergunto se a Melanie já viu o filme. “Ela já o viu três vezes.” diz Johnson, erguendo as sobrancelhas. “Acho que vem de ter orgulho de mim. Eu também acho que é algo que ela não tinha visto nas telas antes, e ela fica tipo, “Você pode dizer: eu odeio ser mãe hoje?”

A sua avó, Tippi Hedren, ainda não viu o filme. “Acho que ela vai adorar”, diz ela, cheia de afeto. “Ela é tão complexa. A maioria das mulheres adora, eu acho. Depois que dói, eles adoram.”

“Plotwist – Gucci!” Dakota responde, quando eu pergunto quem fez a sua blusa lilás com laços, calças de cintura alta e casaco com fivela que ela está usando hoje. “Sair para o mundo, fazer cabelo e maquiagem e usar uma roupa para ter uma certa aparência, é super chocante”, diz ela. “Então, usar roupas nas quais eu me sinta eu é vital. Eu sinto que ok, esta é uma versão de mim.”

O seu conjunto a faz parecer uma mulher de negócios, uma identidade com a qual ela está tentando se acostumar. “Eu continuo colocando mais empregos em mim”, diz ela. A incorrigibilidade esteve parcialmente por trás da decisão de fundar a sua própria produtora em 2020, depois de ficar frustrada por não ter uma visão mais holística dos seus projetos de atuação. A Tea Time Pictures tem atualmente uma lista de 25 filmes e programas de TV, dois dos quais – Cha Cha Real Smooth e Am I OK? – que estreará no Festival de Cinema de Sundance.

“Por muito tempo, atuei em filmes e, quando sai, às vezes é completamente diferente. E é muito difícil lidar com isso como uma pessoa vulnerável para viver, porque parece que algumas coisas são roubadas”, explica Johnson. O objetivo do Tea Time é criar oportunidades para jovens talentos e, ao mesmo tempo, dar a Johnson e à sua cofundadora, a ex-executiva de desenvolvimento da Netflix, Ro Donnelly, a autoridade criativa que ela tanto desejava.

Além de assumir o papel de produtora, Johnson é investidora e co-diretora criativa da marca de bem-estar sexual Maude. “Quando a fundadora, Éva Goicochea, e eu nos conhecemos, pensei: É exatamente assim que penso sobre isso – o que quer dizer que os produtos devem ser inclusivos e diretos, limpos e acessíveis. Se você adora um vibrador rosa gigante, todo o poder para você. Essa não é a minha vibe – ha! Vibe,” diz ela, se controlando. “Mas acho que é saudável ter acesso a produtos de bem-estar sexual de qualidade.” Johnson está envolvida no desenvolvimento de todos os produtos, de vibradores a sabonetes. “Então, ser capaz de dizer…” Johnson para no meio da frase. “Só estou lembrando que tive um sonho com nosso plug anal na noite passada. Estávamos a olhar para os [protótipos] e um era grande demais. No meu sonho parecia assim ‘- ela pega duas cabaças decorativas da mesa e as mantém juntas -‘ e eu estava tipo, ‘Ninguém vai conseguir colocar isso no rabo!'” Nós rimos, mas Johnson vê o sonho como uma representação do seu desejo de explorar ‘o que pode ser a experiência mais agradável, chique e de qualidade’.

Filha de uma dinastia de Hollywood, empreendedora vestida de Gucci, atriz, parceiro, amiga leal … Há mais profundidades a serem descobertas por trás do exterior sereno de Dakota Johnson. Mas essas são camadas que ela descascará para os seus confidentes mais próximos e para os papéis que precisam dela para acessar essa crueza. O resto de nós faria bem em dar à incorrigível Dakota Johnson o espaço para continuar desafiando tudo; seja pelo barulho que o seu trabalho faz ou pelo silêncio que ela abraça.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson é devastadoramente estilosa, inabalavelmente descolada e o brinde da crescente temporada de premiações. É de se admirar que ela esteja se divertindo muito?

Dakota estava a dançar com um vestido vermelho justo, enormes aros de ouro pendurados nas suas orelhas. Ela estava no Telluride Film Festival no início deste ano para o lançamento de seu último filme, The Lost Daughter, escrito e dirigido por Maggie Gyllenhaal, quando a Netflix se ofereceu para oferecer um jantar ao elenco. “Maggie estava tipo,‘ Em vez de jantar, vamos dar uma festa ’”, diz Johnson. Então, eles convidaram todos os outros filmes em exibição no festival para um restaurante local, que rapidamente se tornou o evento mais badalado da cidade. Benedict Cumberbatch, Jamie Dornan e Kirsten Dunst festejaram enquanto Whitney Houston berrava nos alto-falantes.

Havia muito o que comemorar. Apenas 24 horas antes, The Lost Daughter havia estreado e aplaudido de pé no Festival de Cinema de Veneza. Após a exibição (Johnson esqueceu-se de trazer os óculos, mas ela relata: “Eu acho que foi lindo”) houve tempo para uma rápida taça de champanhe antes que ela, Gyllenhaal e Peter Sarsgaard embarcassem em um jato para Telluride para fazer tudo de novo. Era muito para absorver. O filme, um retrato íntimo de mulheres complexas fazendo escolhas indescritíveis (também estrelado por Olivia Colman), foi filmado com um pouco de dinheiro em uma pequena ilha grega no auge da pandemia, um mundo longe do circuito de festivais. Agora, de repente, estava sendo considerado um grande candidato ao prêmio. Também havia a questão de simplesmente estar fora de casa.

Num ponto, Johnson e a sua diretora entrelaçaram os braços na improvisada pista de dança e se olharam com saudade. As fotos geraram um frenesi no Twitter, como os momentos do tapete vermelho de Johnson fariam repetidamente durante a turnê de imprensa de The Lost Daughter, mas Johnson deu de ombros e disse: “Eu nem sabia que havia um fotógrafo lá.”

Não que ela tivesse feito algo diferente. Por que ela deveria? Johnson pode ser a pessoa perfeita para nos conduzir à Grande Restauração. Ela é uma estrela de Hollywood de terceira geração que liderou a franquia mais polêmica em anos, Fifty Shades of Grey, então se recusou a deixar qualquer uma dessas coisas defini-la. Estamos falando sobre uma mulher cuja persona pública é glamorosa, mas também friamente travessa; ela gritou abertamente (e de forma hilária) Ellen DeGeneres por mentir sobre uma festa de aniversário e sobreviveu para contar a história, e ela revelou recentemente que Jimmy Kimmel é um ótimo vizinho, “exceto que eles dão muitas festas e não me convidam.” Certamente Kimmel atualizará sua lista de convidados para incluir a aspirante ao Oscar, que agora está se preparando para dirigir seu primeiro longa-metragem e, a se acreditar no New York Post, recentemente se mudou para uma casa de US $ 12,5 milhões em Malibu com seu namorado rockstar, Chris Martin, que a chamou de “meu universo” no palco em outubro, uma rara confissão pública para o casal privado. Você pode culpá-lo? Ela é a garota do momento neste momento muito estranho.

As festas dançantes se tornariam uma tradição para a equipe de The Lost Daughter, que desistiu novamente depois de uma exibição no Festival de Cinema de Nova York em outubro. Johnson e Sarsgaard compartilharam sua playlist com o DJ do Altro Paradiso no Soho. “Eram muitos Talking Heads, os Cranberries”, diz Johnson, que – algum tempo depois, de volta ao hotel – usou um kit de furar e cutucar para fazer a Colman sua primeira tatuagem. (“Talvez tenha sido eu sendo completamente seduzido por essa pessoa linda e querendo que ela pensasse que eu era legal”, diz Colman. “Ou talvez fosse minha crise de meia-idade.”) Resumindo esse retorno pós-vacina à alegria, Johnson diz: “A questão é que as pessoas não estão se comportando normalmente. Se você vai a uma festa, fica furioso. ”

Nada sobre o caminho de Johnson poderia ser descrito como normal. Esta vida e carreira? Eles parecem predeterminados e impossíveis. Ela fez sua estreia na tela grande como uma cama mista Justin Timberlake em The Social Network, mas o público já estava vagamente ciente dela. Ela foi Miss Golden Globe 2006, neta de Tippi Hedren, filha de Melanie Griffith e Don Johnson, enteada de Antonio Banderas. Ela era uma menina que – aos seis anos – entregou uma cesta de Páscoa para Madonna no set de Evita.

Johnson está sentada em um estande no Sunset Tower Hotel, a imagem do descolado e descolado em um vestido estampado laranja da Rodebjer, enquanto discutimos sua infância peripatética. O Tower Bar é um refúgio seguro para as celebridades, mas especialmente para Johnson, que celebrou seu 16º aniversário aqui. “Éramos eu e um bando de garotas na cobertura”, diz ela. “Tenho certeza de que bebi uma garrafa de Hypnotiq.” Hyp-o quê? “Ninguém deveria saber o que é. É um licor. É azul brilhante. ” Depois de devidamente bêbada, ela e suas amigas correram para o outro lado da rua até o infame Saddle Ranch, onde turistas montam um touro mecânico. Johnson deu uma volta? “Não”, ela diz, “eu não montei o touro … Não naquela noite.”

Johnson aparentemente sempre soube o que ela estava fazendo e tinha um radar perfeito para se divertir. Quando ela disse ao pai que queria faltar à faculdade para se tornar atriz, ele a interrompeu, querendo ter certeza de que ela realmente trabalharia. E ela apareceu, aparecendo em mais de 20 filmes na última década, de comédias de grande orçamento a dramas atenciosos e até mesmo um remake artístico do clássico de terror Suspiria. Só para constar, Johnson chama a atuação de “ancestral”, não de “genética”, e a distinção faz sentido. Em comédias como Working Girl, sua mãe era uma mulher heterossexual, com uma voz ofegante e uma sexualidade excêntrica. Johnson, por sua vez, é um fio elétrico – todas escolhas imprevisíveis, brandindo seu corpo como uma arma em filmes como A Bigger Splash de Luca Guadagnino, onde sua mera chegada a uma casa de férias ameaça derrubar o status quo. Não é só na tela que não conseguimos tirar os olhos dela. Lá está ela sentada na primeira fila da Gucci, apoiando seu amigo, o designer Alessandro Michele, ou nos tabloides, comprando e reformando a antiga casa de Ryan Murphy em Hollywood Hills, transformando-a em um retiro moderno perfeito de meados do século decorado com obras de David Hockney e Alice Mann.

Nada poderia detê-la. Até que, bem, tudo parou no início de 2020. “Eu estava tipo,‘ Uau, isso é demais ’”, diz ela. “De repente, as pessoas ficaram com medo absoluto.” Como todo mundo que teve a sorte de se abrigar no local, ela tomou algumas decisões estranhas, incluindo comprar uma casa no Colorado – sem ser vista – porque ela havia passado um tempo no estado quando criança. Foi uma escolha emocional semelhante à maneira como ela escolhe os projetos. Johnson é alguém que sente muito; ela tem a palavra “tenro” tatuada em seu antebraço.

O mundo estava fechado há quatro meses quando Gyllenhaal ligou para dizer que The Lost Daughter estava pronto. Seria um dos primeiros filmes a ser rodado nesta era, e embora houvesse projetos de alto perfil competindo pela atenção de Johnson, ela não conseguia se livrar deste. À primeira vista, é uma escolha curiosa. O filme é baseado em um romance de Elena Ferrante, mas não há quase nada no caminho do enredo. Olivia Colman estrela como Leda, uma professora de férias na Grécia que fica fascinada por uma jovem mãe, Nina (Johnson), que viaja com seu marido, filha e parentes. Quando a filha de Nina desaparece brevemente e Leda a encontra na praia, uma tentativa de amizade se desenvolve entre as duas mulheres.

Embora Johnson seja uma “estrela de cinema”, como Gyllenhaal coloca, a história é contada através dos olhos do personagem de Colman. Mas de certa forma, faz sentido que Johnson se sinta atraída por um papel coadjuvante como esse. Ela é uma atriz cujo corpo foi usado para vender uma franquia censurada que rendeu mais de US $ 1 bilhão; The Lost Daughter ofereceu uma chance de desempacotar parte dessa objetificação. Gyllenhaal diz: “Nina é tão linda. Sua sexualidade é a moeda com a qual ela se move pelo mundo. E então ela se encontra de repente – eu não sei, 30 – morrendo de fome. ”

Johnson disse: “Nina era uma garota que é muito mais do que aparenta ser e tem tanta fome de ser vista. Foi uma honestidade que eu não tinha visto em um filme sobre mulheres que são imperfeitas e abertas e nem sempre bonitas. ”

A fim de obter cenas difíceis para representar, Gyllenhaal sussurrava segredos nos ouvidos de suas atrizes e, em seguida, deixava as câmeras rolarem. Mas nem tudo foi um trabalho árduo. Johnson estava mobiliando a sua casa no Colorado na época, e quando ela descobriu que Colman compartilhava uma obsessão por design de interiores, as duas passaram horas em sites como 1stdibs e Chairish. Um sofá de veludo rosa adornado agora adorna a sala de estar de Johnson. Talvez algo tão cotidiano como encontrar tecidos fosse a libertação perfeita de um assunto tão difícil? Colman diz que é um bom pensamento. “Eu deveria estar dizendo isso, mas na verdade nós nos divertimos muito”, ela me diz. “Geralmente, se um filme é sobre coisas muito difíceis, você acaba rindo muito.”

Ainda assim, não havia distração da carne da coisa. The Lost Daughter (que estreia nos cinemas em dezembro antes de ser transmitido no Netflix na véspera de Ano Novo) faz perguntas espinhosas sobre a maternidade, o sacrifício, a autoestima e o arrependimento. Eu me pergunto se Johnson já teve essas conversas com sua própria mãe. “Na verdade, falei com ela algumas semanas atrás. Eu estava tipo, ‘Há algo que você sonhou em fazer e nunca fez?’ E ela disse: ‘Não. Eu queria ser mãe e ter uma família. ‘Isso era coisa dela. ”

Johnson talvez ainda esteja lutando com essas questões. (Ela é uma pessoa extremamente reservada. Quando questionada onde ela está morando agora, ela desvia: “Estou morando em todo lugar.”) Foi Johnson quem procurou este projeto, e quando ela e Gyllenhaal se conheceram durante o almoço, o diretor lembra: “Dakota me disse, ‘Eu quero ir fundo. Eu quero fazer um filme onde eu possa explorar as coisas que estão na minha mente. E algumas dessas coisas são incomuns e dolorosas. ’”

Alguns meses atrás, Johnson estava em Bath, Inglaterra, filmando uma adaptação moderna da Persuasão de Jane Austen, correndo pela floresta com um espartilho, apesar de ter uma infecção renal – eufórico com o material, mas também com dor. O romance é sobre Anne Elliot, que, a pedido de sua família, rejeita um homem apenas para se arrepender dessa decisão anos depois. É sempre a temporada de Jane Austen em Hollywood, mas eu pergunto a ela o que esse personagem a atraiu agora? “Parte disso era ser uma mulher que estava na família errada, no lugar errado e nunca foi vista”, diz Johnson. “Ela tem o maior coração, mas está meio presa.”

É a segunda vez que Johnson fala sobre ser atraída por um personagem que está “presa”. Talvez seja isso que ela está se irritando enquanto o mundo retorna, ou contra o que todos os jovens de 32 anos estão lutando: a convenção. Talvez não seja suficiente emergir da pandemia dançando nas mesas – trata-se de sofrer as maiores oscilações. No ano passado, Johnson investiu em uma empresa de brinquedos sexuais de design avançado chamada Maude e depois se tornou o co-diretor criativo da empresa. Por que não enfrentar uma empresa que oferece um frasco de lubrificante elegante o suficiente para deixar no balcão? Ou lançar no universo que você deseja estrelar em uma adaptação de Just Kids de Patti Smith (“Esse é o sonho. É tudo que eu quero”)? Ou fazer uma tatuagem para Olivia Colman? De certa forma, não é diferente de algo que a mãe de Johnson costumava dizer a ela: “Não faça nada se isso não fizer seu coração bater mais rápido.”

Em 2022, Johnson dirigirá o seu primeiro longa-metragem. O projeto ainda não foi anunciado e ela teme até mesmo falar sobre ele, mas dirá que se passa em “uma ilha mítica”. Sobre o projeto, ela diz: “Nós conversamos sobre outra pessoa dirigindo, mas eu estava sonhando com isso, tendo ideias o tempo todo. Está em meus ossos, esta história. Eu fico tipo, ‘É muito cedo?’ Mas está acontecendo. Eu vou fazer isso.” Isso parece ser exatamente o que funciona melhor para Johnson: dance como se ninguém estivesse olhando, e o mundo pode não ser capaz de desviar o olhar.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Com quatro projetos importantes e uma vida privada controlada pelos mídia (com Chris Martin dos Coldplay), a atriz assume o seu lugar numa dinastia de primeira: “Sou grata pelos meus pais e a minha vida louca – a única razão de eu ser como sou é por causa de como eu cresci.”

Dakota Johnson entra no Tower Bar em West Hollywood, um local que ela escolheu e que oferece uma justaposição da antiga proveniência de Hollywood (que já foi o apartamento de Bugsy Siegel) e o novo chique milenar. O mesmo pode ser dito sobre Dakota, que vem da realeza de Hollywood como filha de Melanie Griffith e Don Johnson e neta de Tippi Hedren, mas que tem um estilo e uma carreira próprios.

Nesta tarde fria de outubro, Johnson acabou de chegar da sua casa em Hollywood Hills que ela comprou em 2016 (ela e o seu parceiro de quatro anos, o vocalista do Coldplay – Chris Martin, recentemente mudaram-se para a sua propriedade compartilhada em Malibu, que já foi propriedade de Ryan Kavanaugh, mas ela está a usar a casa de Hollywood hoje para acompanhar a leitura de roteiro e outros trabalhos). Ela está usar um vestido de tricô verde exuberante, uma bolsa Gucci de veludo vermelho e casaco de couro preto, uma tatuagem com a palavra “Heaven” aparecendo por baixo da manga. A tinta é recente.

“Eu estava a pensar: ‘E se esta vida for o paraíso e for tão boa quanto possível? E então?’” Ela explica enquanto bebe um café gelado com leite de amêndoa. “Porque durante o COVID, comecei a me sentir bem triste. Foi inspirador abraçar [essa questão existencial] de uma maneira diferente. E ter mais consciência do que posso fazer a cada minuto para tornar as coisas melhores para mim e para as pessoas ao meu redor. E isso é realmente apenas uma escolha. É apenas uma decisão.”

Antes de se dirigir à nossa mesa no terraço, ela parou para conversar com a diretora de Cinquenta Sombras de Grey, Sam Taylor-Johnson, e o diretor de cinema da MGM, Michael De Luca, que produziu a trilogia de filmes de US $1,3 bilhão. O momento simboliza o passado da atriz, aquele que a viu prevalecer como Anastasia Steele em um dos processos de casting mais examinados na memória recente. Mas, em vez de apostar no sucesso de Cinquenta Sombras – que fez história em 2015 com a maior estréia de um filme dirigido por mulheres – em uma filmografia focada na bilheteria, Johnson optou por um caminho diferente.

“Eu acho que é muito inteligente quando os atores que alcançam esse nível de onipresença e podem saltar para um sucesso mais convencional e mainstream ficam disciplinados em trabalhar com diretores de qualidade”, diz De Luca. “Dakota tem sido muito inteligente em garantir que está sempre alinhada com os diretores de qualidade. Então, tudo está à sua disposição – filmes comerciais, filmes indie interessantes e provocantes. Agora ela pode ter tudo.”

E, de forma refrescante, enquanto outras atrizes da sua geração parecem roteirizadas quando publicam os seus projetos na TV, Johnson muitas vezes oferece uma refrescante reprimenda zero-fodase-para-dar do status quo. Em uma conversa com Ellen DeGeneres que se tornou viral em 2019, a apresentadora de talk show reclamou que ela não foi convidada para a festa de 30 anos de Johnson. “Na verdade não. Isso não é verdade, Ellen. Eu convidei-te e tu não veste… pergunta a todos,” ela disse categoricamente. Foi uma jogada que Drew Barrymore ainda elogiava dois anos depois, quando Johnson apareceu no seu talk show, arrancando muitas risadas da atriz.

Johnson, 32, é literalmente a próxima geração de Hollywood e está pronta para ter tudo de uma forma que eclipsa até mesmo os seus antepassados ​​famosos, com o culminar de um pivô de queima lenta que se concretiza com quatro filmes que ela filmou durante o bloqueio do COVID-19. A primeira é a revelação do Festival Internacional de Cinema de Veneza, A Filha Perdida, que a Netflix lançará em 31 de dezembro. Dirigido por Maggie Gyllenhaal e baseado no best-seller de Elena Ferrante de 2006, Johnson tem uma atuação assombrosa como uma jovem mulher afogando-se em ambivalência sobre o seu papel como uma mãe. Mas ela não era a escolha óbvia para Gyllenhaal.

No outono de 2019, Johnson leu o roteiro de Gyllenhaal e decidiu fazer o papel de Nina. “Eu nunca tinha lido mulheres escritas assim”, lembra ela. “Nina está a lutar, ela está a desaparer. Ter essa mulher cuja paisagem interna é tão diferente do que ela está a projetar foi muito, muito especial. Porque você a vê, e ninguém estáa pensar na mente daquela mulher. Não sou mãe, mas sei o que é sentir medo ou ficar tipo, ‘Serei uma boa mãe?’ Mas, por alguma razão, existe esse estigma em torno de falar sobre isso. E existe um estigma em torno de ter apenas o pensamento: ‘E se eu sair pela porra da porta? Por uma semana ou um minuto para fumar um cigarro. Mas não se deve dizer isso em voz alta. Porque? É tão humano e tão identificável. ”

As duas mulheres encontraram-se para almoçar num pequeno café no centro de Manhattan depois que Johnson estendeu a mão. Gyllenhaal, que nunca tinha visto os filmes Cinquenta Sombras, achou que as suas ideias eram atraentes, mas tinha sido cética quanto a escalá-la – até se sentar com ela.

“Em cinco minutos, estávamos a falar sobre as partes mais íntimas e vulneráveis ​​de sermos nós mesmas, sermos mulheres no mundo e por dentro. E é assim que Dakota é”, lembra Gyllenhaal. “Eu nunca tive qualquer outra experiência com ela. Ela simplesmente não está interessada em nada, exceto nesse tipo de conversa muito íntima e real. E também estou pronta para isso. ”

No filme, Olivia Colman interpreta Leda, uma yin para o yang de Nina como uma mulher mais velha que tomou as rédeas de sua vida, embora isso tenha causado dor a ela e a sua família. Manter-se ao lado de um vencedor do Oscar e do Emmy como Colman não é uma tarefa fácil. Como resultado, Johnson encontra-se na conversa da temporada de prêmios na corrida pela atriz coadjuvante.

“Ela é alguém de quem espero nunca me afastar na minha vida”, diz Johnson sobre Colman. “Estávamos a trocar mensagens esta manhã, e ela é maravilhosa de ter por perto o tempo todo. Este filme é realmente intenso, mas no minuto em que não estávamos a filmar, foi uma brincadeiras e risos e sorrisos. Todos os dias, depois do trabalho, íamos nadar, beber vinho e jantar. Acho que parte da razão pela qual há tanta energia neste filme é porque não é como se estivéssemos sempre nessa mentalidade distorcida, fodida e deprimente. Pudemos jogar. Então, íamos a esses lugares realmente extremos dentro da cena. Então, no minuto em que diziam ‘cortar’, Olivia e eu estávamos a ver móveis online e a rir e a falar asneiras.”

A Filha Perdida é apenas um dos filmes divergentes programados para estrear no próximo ano que oferece 50 Sombras de Dakota. Também no horizonte está a interpretação de Persuasão de Carrie Cracknell , com Johnson como protagonista Anne Elliot, a mais independente e indiscutivelmente matizada de todas as heroínas de Jane Austen.

No ano anterior, a atriz também assumiu um papel inteiramente novo, o de produtora. Dois anos atrás, ela lançou TeaTime Pictures com a ex-executiva da Netflix, Ro Donnelly, e silenciosamente construiu uma lista de cerca de 25 projetos, incluindo dois filmes finalizados, Tig Notaro- e Stephanie Allynne- dirigidos Am I OK? (o drama lésbico de debutante foi submetido ao Sundance) e Cha Cha Real Smooth, de Cooper Raiff , que gira em torno de uma mãe e a sua filha autista.

Donnelly e Johnson, que são igualmente tatuadas e parecem irmãs, conheceram-se em 2016 por meio de uma amiga em comum. Os seus projetos estão agora configurados por toda a cidade, incluindo a série de TV Cult Follow (Johnson vai estrelar ao lado de Riley Keough, a sua melhor amiga desde os 15 anos) e Mad, Bad e Dangerous to Know na MGM com De Luca (o filme centra-se em um gêmea idêntica que tenta roubar a vida “perfeita” de sua irmã).

“Acho que o que nos atraiu foi que temos esse mesmo gosto que era muito específico”, diz Donnelly, natural da Irlanda. “Temos esta ardósia de bananas que é tão emocionante, porque acredito que ela pode fazer qualquer coisa; Eu vi isso, eu vi-a tomada após tomada após tomada no set, e ela é o verdadeiro negócio. Ela é uma verdadeira artista e tão criativa em todos os aspectos que sinto que apenas arranhamos a superfície com o que vimos dela.”

Quando criança, não houve um momento “aha” quando Johnson percebeu a sua chamada. “Atuar foi sempre – realmente sempre – o que eu quis fazer”, diz ela. “Mesmo quando eu era tão pequena e estava no set com a minha mãe, era um desejo profundo fazer isso. Eu queria ver todos a fazer o seu trabalho. Eu não conseguia o suficiente. ”

Naqueles anos de formação, ela assistia obsessivamente a filmes, o mesmo duas vezes por dia, todos os dias. Primeiro foi Mary Poppins, depois O Mágico de Oz e depois Home Alone. Ela ainda pode ir quadro a quadro e contar o que todos estão a vestir e quais são as falas. Griffith finalmente cedeu aos apelos de sua filha de 10 anos e permitiu que ela desempenhasse um pequeno papel em Crazy in Alabama, de seu então marido Antonio Banderas.

“Eu estava interpretando a filha da minha mãe, e minha irmã mais nova [Stella Banderas] estava nele também. Foi um caso de família. Mas eu levei muito a sério ”, diz Johnson. “Depois disso, não trabalhei até os 18 ou 19. Se dependesse de mim, eu teria deixado a escola. Mas meus pais queriam que eu terminasse, o que era irônico, porque a primeira metade da minha vida foi viajar e nunca iá à escola e ficar com um professor particular. Eu não fui por um ano inteiro de escola até os 11 anos, e isso foi em San Francisco porque o meu pai estava a filmar Nash Bridges.

Lá, ela se destacou academicamente, mas depois foi retirada para voltar para LA e se matricular em outra escola. Depois disso, surgiram mais quatro escolas. “Talvez tenha sido desestabilizador, mas nunca pensei nisso”, diz ela. “Fui criada por muitas pessoas, minha mãe e meu pai e depois padrastos e babysitters e tutores e amigos e professores e depois pais de amigos e pais de namorados. Eu queria aprender com todos. E ainda sou assim. Sou grata aos meus pais e à minha vida louca, porque a única razão de eu ser do jeito que sou é por causa de como cresci. E isso veio ao ver algumas coisas desagradáveis ​​quando criança, ter que lidar com conteúdo adulto em uma idade jovem e também ter uma vida pública às vezes. Mas também no lado mais leve disso, coisas que eram realmente belas e privilegiadas e educacionais e as viagens e a arte e os artistas. Era ambos: estava escuro, escuro, escuro, escuro e era claro, claro, luzes brilhantes. ”

Quanto ao decreto dos seus pais para terminar o ensino médio antes de prosseguir com a atuação, Johnson não guarda ressentimentos. “Eu estou feliz. Acho que tudo corre como deveria.”

Na idade de 18, ela assinou com o empresário Jason Weinberg. Em seguida, ela adicionou o agente da WME, Andrew Dunlap. Em uma raridade de Hollywood, ela permanece com os dois até hoje. (Ela também está com a mesma publicitária, Robin Baum, que ela conhece desde os 6 anos de idade, quando Baum representava Griffith e Banderas.)

“Quero crescer com as pessoas. Não estou interessada em pisar nos ombros das pessoas para chegar a algum lugar ”, diz ela. “Eu preocupo-me muito em confiar nas pessoas e ser confiável porque esta indústria prospera com a colaboração. Você não pode fazer isso sozinho. ”

Não demorou muito para que Johnson conseguisse seu primeiro papel como adulta em The Social Network, de David Fincher, que De Luca produziu com Dana Brunetti. (A dupla passou a produzir a trilogia Fifty Shades.) “Lembro-me de Dana e eu ficamos maravilhados apenas com sua breve aparição na Rede Social”, diz De Luca. “Mesmo naquela cena que ela fez com Justin Timberlake, nós pensamos que ela era realmente muito atraente. Então, depois de trabalhar com ela, estávamos conversando sobre ela para Cinquenta Sombras. E ter realmente todo o peso da trilogia a cair sobre seus ombros e fazer aquele personagem tridimensional para ela foi incrível. ”

Durante a sua primeira audição de Fifty Shades, ela foi convidada a entregar um monólogo de Persona de Ingmar Bergman . Ela leu o roteiro e ficou animada com a visão de Taylor-Johnson de uma versão simplificada do livro de EL James que remontava a ½ semanas, o thriller erótico cult de Adrian Lyne em 1986.

“Eu não podia falar sobre isso com ninguém. Ninguém na minha família sabia”, observa Johnson. “Eu fui escalada [e] lembro que falei com a Emily Blunt e pensei, ‘Devo fazer esta trilogia? Porque quero ter uma carreira muito especial e quero fazer um certo tipo de filme. E eu sei que isso vai mudar as coisas. ‘ Ela estava tipo, ‘Porra, faz isso se parece certo. Apenas faz. Faz sempre o que quiseres.’ “

As coisas mudaram, nomeadamente o roteiro (vários escritores foram trazidos para torná-lo mais alinhado com a fantasia erótica de James), e Taylor-Johnson inexplicavelmente não foi trazida de volta para o segundo filme (o diretor lutou criativamente com James). Ainda assim, Johnson não se arrepende.

“Eu sinto que não fui categorizada em nada [por causa do papel]”, diz ela. “Eu acho que poderia ter ido numa determinada direção, mas não era nisso que eu estava interessada.”

O que a interessou foi continuar a trabalhar com autores como Fincher e Taylor-Johnson. E as suas escolhas que se seguiram a Cinquenta Sombras sinalizaram que ela priorizou a qualidade ao invés do estrelato. O diretor de Call Me by Your Name , Luca Guadagnino, tornou-se um campeão na carreira de Johnson ao escalá-la para o drama psicológico de 2015, A Bigger Splash. Guadagnino estava procurando uma atriz para interpretar a mulher sensual de 17 anos do filme a fingir ser uma de 22 anos, Penelope. Um amigo agente deu-lhe a ele um filme promocional secreto de Cinquenta Sombras, e Guadagnino parou no meio do caminho.

“Eu vi um elemento de mistério e ferocidade e também um belo tipo de rosto clássico e atemporal, e uma atriz ”, lembra Guadagnino, que então encontrou-se com Johnson na sua casa na Itália. “Fiquei imediatamente impressionado com a sua inteligência, o seu humor perverso e todos esses elementos eram exatamente o que eu procurava em Penélope, mas também em alguém com quem quero estabelecer um relacionamento forte. Ela tornou-se uma das minhas melhores amigas. ”

Guadagnino desenvolveu o roteiro de Suspiria, refilmagem de terror sobrenatural de 2018, especificamente para Johnson. “Como atriz, adoro as escolhas que ela está a fazer porque está a ser algo muito inteligente e holístico”, acrescenta. “Ela não está à procura de uma personagem, ponto final. Ela está à procura por uma grande personagem que pode ser ao mesmo tempo parte de um grande projeto para se envolver.”

Enquanto a trilogia Fifty Shades se desenrolava, Johnson teve papéis menores em filmes que apresentavam grandes talentos, como Black Mass de Johnny Depp de Scott Cooper em 2015 e The Peanut Butter Falcon de 2019 , ao lado de Shia LaBeouf, este último um sucesso indie surpresa que arrecadou mais de US $ 23 milhões no mundo todo. “Não presto atenção ao barulho”, diz Johnson, que pratica a Meditação Transcendental diariamente. “Eu presto atenção se o roteiro é ótimo e as pessoas envolvidas são ótimas.”

Algum ruído é impossível de bloquear. Como o poder do movimento #MeToo e o clamor da cultura do cancelamento, que varreu Hollywood nos últimos anos e colocou tantos de seus ex-co-estrelas masculinos, como Depp, LaBeouf e Armie Hammer, sob o risco de nunca mais retornar ao profissão após alegações de abuso e que, para alguns, não permitem a oportunidade de redenção.

“Nunca experimentei isso em primeira mão com nenhuma dessas pessoas”, diz ela. “Foi incrível trabalhar com eles; Estou triste pela perda de grandes artistas. Fico triste pelas pessoas que precisam de ajuda e talvez não a tenham a tempo. Fico triste por qualquer pessoa que foi prejudicada ou ferida. É muito triste. Eu acredito que as pessoas podem mudar. Eu quero acreditar no poder de um ser humano para mudar e evoluir e obter ajuda e ajudar outras pessoas. Acho que definitivamente está a acontecer uma grande sobrecorreção. Mas acredito que existe uma maneira de o pêndulo encontrar o meio. A forma como os estúdios foram administrados até agora, e ainda agora, está para trás. É uma mentalidade antiquada de como os filmes devem ser feitos, quem deve estar neles, quanto as pessoas devem receber, como é a igualdade e a diversidade. Às vezes, a velha escola precisa ser mudada para a nova escola entrar. Mas, sim, cancelar a cultura é uma porra de deprimente. Eu odeio esse termo.”

Nesta tarde de outono, Johnson está a debater se vai assistir a uma exibição de Eternals (“Chloé Zhao é um gênio”) ou manter um compromisso planejado com a sua mãe. O tempo para a família tem sido escasso durante o COVID. Ela passa o máximo de tempo possível com a sua avó, Hedren, e permanece perto de sua grande tribo de meias-irmãs e meios-irmãos. “Eu não vi o meu pai por muito tempo porque ele mora em Montecito e está na casa dos 70 anos, e nós queríamos estar seguros”, diz ela. “Eu vi a minha mãe um pouco. Foi estranho. Se estou a trabalhar, não posso ficar perto dos meus pais porque eles são mais velhos. Mas os meus amigos e o meu parceiro [Martin], estamos muito juntos, e é ótimo. ”

Como qualquer casal ao redor do mundo, ela e Martin têm assistido Squid Game. “É tão intenso”, ela se entusiasma. “É confuso porque é alegre em alguns momentos e depois é horrível. E essa é uma combinação realmente interessante. ”

Estar em casa oferece a Johnson o tipo de anonimato que tem sido evasivo desde o seu nascimento no Texas, duas das maiores estrelas de Hollywood dos anos 80. Agora, como metade de um casal famoso, ela é perseguida por paparazzi, mesmo na era COVID. “Eles transformaram-se em parasitas sorrateiros e furtivos em pragas que você pode ver. Eles são germes invisíveis. Eles são como COVID, horríveis e mortais ”, diz ela. “Eles escondem-se em carros. Se você vai ter esse trabalho, pelo menos faça-o com alguma integridade. Saia do carro e tire uma foto. É realmente assustador nunca saber se você está sendo fotografado. É psicopata. Mas então é como, ‘Você escolheu essa carreira, lide com ela.’ Mas não, ninguém deveria ter que lidar com isso. Felizmente, descobri maneiras de evitá-los e não estou a revelar os meus segredos. Mas, na verdade, é preciso muito para ter uma vida privada.”

É algo que a autora Elena Ferrante, que é um pseudônimo, conseguiu fazer apesar dos esforços globais para desmascarar sua identidade. Johnson diz que Gyllenhaal correspondeu com Ferrante e recebeu uma bênção. Além disso, ninguém sabe nada sobre a mente brilhante por trás de The Lost Daughter. “O que é muito legal é que ela pode ser mulher. Ela poderia ser um homem. Ela poderia ser duas mulheres. Ela poderia ser um homem e uma mulher, o que transforma totalmente esse olhar feminista na sua cabeça.”

Por enquanto, Johnson está a fazer uma pausa para aproveitar os frutos do seu bloqueio produtivo antes de mergulhar de volta na rotina. Ela e Donnelly têm projetos suficientes para mantê-las ocupadas durante a próxima troca de geração da guarda. Ela tem um filme da Amazon em andamento com o diretor de Euphoria, Augustine Frizzell, e está a desenvolver uma adaptação de livro que marcaria sua estreia como diretora. Em 2013, ela apareceu no final da série de The Office, que estava prestes a criar uma série spinoff que ela iria estrelar. Nunca aconteceu, o que provavelmente mudou sua trajetória.

“Se todo o resto simplesmente desaparecer, talvez você encontre-me naquele spinoff do Office que ninguém quer assistir”, diz ela, rindo, antes de ficar séria. “Não sei em que mundo isso teria funcionado para mim criativamente. Eu descobri que quando algo dá certo, mesmo quando não há mais nada, eles simplesmente continuam tentando torcer a toalha da história. Às vezes, as coisas precisam terminar quando deveriam terminar. ”

Podem conferir em baixo todos os scans e outtakes da Dakota Johnson para a revista The Hollywood Reporter edição de Novembro fotografada por Mary Rozzi:

 

 

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Aproveitando as melhores críticas da sua carreira em The Lost Daughter, a estrela conta à Vanity Fair que está a entrar numa nova fase da sua atuação: “Há uma nova mulher em mim”.

Quando a Dakota Johnson foi para a Grécia para filmar a estréia na direção de Maggie GyllenhaalA Filha Perdida, ela ainda não sabia que um ano de mudança da vida a esperava. Meses antes, a prolífica atriz, ainda mais conhecida por liderar a franquia Fifty Shades of Grey, encontrou projetos apaixonados, incluindo The Lost Daughter, sendo adiados devido a COVID, enquanto outros ainda estavam em gestação. Quando a produção finalmente começou em setembro do ano passado, na ilha grega de Spetses, a agenda de Johnson estava cheia – ela iria trabalhar em mais três projetos consecutivos, sem interrupção, por 12 meses inteiros.

Felizmente, ela começou a correr com este. Como Johnson, de 31 anos, contou-me de um luxuoso condomínio em Telluride (onde o filme acabara de fazer a sua estreia nos Estados Unidos), The Lost Daughter revelou algo nela – um novo caminho artístico adiante, uma nova janela para o seu potencial. Desde Fifty Shades, ela fez o trabalho em indies como A Bigger Splash e The Peanut Butter Falcon, mas está atualmente recebendo as melhores notícias da sua carreira por sua virada complicada no retrato intransigente da maternidade de Gyllenhaal. Johnson interpreta Nina, uma jovem mãe em férias com a sua família e um enigmático objeto de fascínio para a protagonista Leda (Olivia Colman). Como The Lost Daughter se desenvolve, Leda e Nina formam um vínculo tênue e instável que chega a um final surpreendente e intenso.

Falei com a Dakota brevemente no dia em que ela voou de Veneza, onde o filme estreou mundialmente, numa recepção lotada do cineasta para Telluride – ela ainda parecia estar processando o significado do projeto para ela, especialmente quando o burburinho de prêmios começou a crescer por isso e o seu desempenho. Ao chegar aqui depois de um ano de trabalho ininterrupto, ela finalmente está em posição de refletir e pensar sobre o que vem por aí. Sentamos no dia seguinte para uma conversa sobre tudo isso e muito mais.

Vanity Fair: Uma coisa que tu mencionaste para mim ontem foi o quão significativa foi a experiência de fazer este filme. Então, eu queria começar com uma grande questão: o que este projeto, este papel, significa para tineste momento da tua carreira?

Dakota Johnso: Maggie deu-me a oportunidade e orientou-me para eu me aprofundar na minha arte, em mim mesma, no meu trabalho. Ela perguntou-me ontem o que eu achava do filme e eu disse: “Estás satisfeita?” E eu apenas disse: “Não, estou honrada.” Estou surpresa com o trabalho dela e com as atuações neste filme. É tão honesto e uma verdade crua sobre a maternidade e ser mulher.

Eu senti-me muito parecida como a Nina se sente no filme, que está com tanta fome e sede de outra coisa e de ser vista – não ser apenas a rapariga boa na praia. Ela quer mais. Ela quer cravar os dentes em algo que sacie essa fome na sua mente. Eu sinto-me muito assim na minha carreira. Eu fico tipo, como pode ser melhor do que isso? Eu quero algo mais profundo e sombrio, mais real e mais honesto. Eu definitivamente sinto que consegui isso com este.

Conversate com Maggie, entrando no projeto, sobre como querias algo assim?

Sim. E também, só precisas fazer perguntas para entender quem alguém realmente é, e Maggie faz isso. Acho que ela viu em mim, talvez antes que eu visse em mim. Foi mútuo – vamos fundo juntas.

Achas que isso é em parte porque ela mesma é atriz? Você trabalhou com uma grande variedade de diretores, e é interessante que ela seja a única a desbloquear uma coisa dessas em você.

Sim. Havia um nível de compreensão e confiança que eu tinha por ela, porque eu sabia que ela sabe o que é não ser vista. Ela sabe o que é não ser tratada com graça e com cuidado…. O fato de ela ser atriz, é claro, é uma grande parte do motivo pelo qual trabalhar com ela é incrível. Principalmente porque ela tem uma mente de diretora, e também uma mente de atriz emocional de como entrar em algo, dentro do cérebro de alguém.

Como vocês as duas falaram sobre Nina? Particularmente porque, eu acho que tanto no livro quanto no filme, ela é uma personagem enigmática e complicada na maior parte da história.

Quando Maggie e eu começamos a trabalhar nas coisas de Nina, perguntei se eu deveria ler o romance e ela disse: “Talvez não leia”. Eu estava em cima do muro porque você está pegando o trabalho de um artista e levando-o mais longe. Você está ajudando a crescer ainda mais…. Eu quero tornar essa Nina totalmente real, e apenas autêntica e crua. Ela está privada – de ser notada por ser um ser humano e ser uma pessoa com alma e mente. E é devastador, mas ela também está apenas tentando, e isso também é devastador. Eu queria seguir Maggie. Não é como, aqui está o livro em uma tela. É alguém recebendo o trabalho de outra pessoa e sentindo-se profundamente afetada por ela. É assim que eles podem compartilhar esse sentimento com o mundo.

Parece muito com sua própria expressão; você vê isso nas performances também. Então você vai à Grécia para filmar, você tem um roteiro realmente provocativo. Como foi quando você começou a filmar e encontrou seus ritmos?

Quer dizer, todo esse tempo de fazer filmes durante o COVID é diferente, e é difícil e deprimente. Eu fiz quatro filmes em menos de um ano e é muito hardcore.

Uau.

Eu vou chegar nessa parte. Quando chegamos à Grécia, porém, todos tiveram que ficar em quarentena por mais tempo, duas semanas ou algo assim. E então estávamos em uma bolha. Eu, Olivia, [o elenco], estávamos juntos o tempo todo, então não parecia, oh Deus, o primeiro dia de aula. Jantávamos, almoçávamos, tudo juntos todos os dias e depois bebíamos à noite. E era como uma pequena família. Não obtivemos um teste COVID positivo. Não fechamos nenhuma vez. O que é tão raro.

Então, vamos para a parte mais pesada. Estou interessado.

OK. Fazer um filme já é muito isolador, porque você está no local e nem sempre tem tempo para sair, ou está trabalhando por muitas horas. Muitas vezes, você está sozinho e com seus pensamentos e com o dia todo sendo tão vulnerável. O que atenua esse isolamento é a camaradagem que você tem no set com a equipa, e piadas – palhaçadas. E agora você não tem isso. Você nem consegue ver o rosto de ninguém. Você não pode dizer se alguém está sorrindo para você, ou se você fez uma tomada e viu que alguém percebeu e sentiu. Mesmo um diretor, você só pode ver seus olhos, e às vezes os olhos das pessoas não combinam com sua boca. Descobri que tudo isso me faz sentir extra, extra, extra, vulnerável e extremamente nervosa.

E você fez quatro filmes seguidos, nessas condições. Como isso aconteceu?

Foi selvagem e ótimo. Simplesmente acontece [dessa forma] porque, especialmente no COVID, é tão difícil encontrar um slot…. Filmamos The Lost Daughter, de setembro a outubro do ano passado, cerca de um ano atrás. Então fiz um filme que Tig Notaro e sua esposa, Stephanie Allen, dirigiram chamado Am I Okay? e então eu fiz Persuasão [Netflix]. E então a minha empresa acabou de fazer um filme chamado Cha Cha Real Smooth.

Cooper Raiff escreveu Cha Cha e nós nos conhecemos, quando eu estava na Grécia para o The Lost Daughter, na verdade, fizemos um zoom. Assisti ao filme dele [Shithouse] e disse, o que você quer fazer? E ele estava tipo, bem, eu tenho essa ideia, o filme se chama Cha Cha Real Smooth . Ele começou a escrever, nós apenas desenvolvemos a merda disso, notas de um ano para outro. Então começamos a preparação em Pittsburgh e a minha parceira estava lá enquanto eu estava na Inglaterra filmando Persuasion, e então fui diretamente para Pittsburgh.

É revigorante, talvez exaustivo, fazer tantas coisas em sequência? É assim que gosta de trabalhar?

Se é isso que está acontecendo agora, é isso que estou fazendo, e isso é ótimo. Não sou preciosa quanto ao modo como trabalho. Sou preciosa quanto à qualidade. Cheguei em Pittsburgh e estava cansada, magra e faminta, e funcionou para o papel. Foi tipo, vamos usar isso e tudo bem. Eu não sei. Eu sinto que isso é tudo que eu quero fazer e está acontecendo agora. Então, vou continuar fazendo isso.

Então Lost Daughter foi a primeira coisa que você fez desde que o COVID fechou tudo em março de 2020, certo?

Eu penso que sim.

Estou perguntando por causa do que você disse no início, sobre o filme desbloquear algo em você. Sentiu vontade de embrulhar isso, você estava em um novo lugar para si mesmo como artista, como ator, antes de começar a trabalhar por um ano direto?

Quando falei com Maggie no mês passado, ela disse que essa foi uma grande parte de sua experiência com este filme também – ela expressou isso como se essa coisa estivesse fermentando dentro dela por um longo tempo antes de fazer o filme. Houve algum tipo de conexão em termos dessa experiência coletiva entre vocês?

Com certeza. Definitivamente comigo e Maggie – quando você é mulher e faz 30 anos, tem que permitir que algo aconteça – se quiser. Você não precisa, mas se estiver interessado em ir um pouco mais fundo, você tem que dizer: Ok, vamos soltar a donzela ou seja lá o que for. Ela meio que era minha pastora dessa forma. É quase como se nós duas nos libertássemos de algo. Eu sei o que isso significa para mim, e ela sabe o que significa para ela. É o medo de quando você tem potencial para fazer as coisas, mas você fica tipo, vai ficar tudo bem? Todos os pensamentos dificultadores que acabam com sua capacidade de ser a versão mais forte, mais brilhante e mais prolífica de si mesmo. Eu acho que é tão libertador quando você trabalha com alguém que está vivenciando isso e nas mãos delas, você também pode vivenciar isso. Isso foi especial.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Aprendemos que a longa-metragem dirigido por Tig Notaro e Stephanie Allynne, “Am I OK?” teve que interromper a produção em Los Angeles depois que uma pessoa envolvida com o filme foi diagnosticada com Covid-19.

A Dakota Johnson estrela no filme com o roteiro de Lauren Pomerantz que segue as melhores amigas Lucy e Jane. No entanto, quando Jane anuncia que se vai mudar de Los Angeles para Londres por trabalho, Lucy revela um segredo profundamente enterrado e guardado por muito tempo. Enquanto Jane tenta ajudar Lucy a resolver velhos padrões e novos sentimentos, a amizade de toda a vida delas é lançada no caos.

Sonoya Mizuno, Jermaine Fowler, Whitmer Thomas, Molly Gordon, June Diane Raphael, Notaro e Sean Hayes também estrelam no filme.

Disse um porta-voz da produção: “No início desta semana, um membro coadjuvante da produção de nosso filme “Am I OK?” testou positivo para Covid-19. O diagnóstico foi confirmado como resultado de testes exigidos e contínuos que todos os membros da produção recebem. No momento, estamos a seguir todos os protocolos de segurança exigidos e pausamos a produção até a próxima semana para permitir que as filmagens continuem, mantendo padrões de segurança estritos de acordo com as políticas do governo e da guilda. ”

Deadline ouviu de umas fontes que foi o assistente da Dakota que testou positivo. No entanto, até que esta vacina tome a sua força total para acalmar a Covid, estes são os tipos de precauções e salvaguardas que as produções precisam ter para continuar a funcionar. As pausas na produção são apenas parte do processo e são esperadas neste clima de pandemia contínua.

“Am I OK?” é produzido por Jessica Elbaum e Will Ferrell por Gloria Sanchez Productions, Johnson e Ro Donnelly por TeaTime Pictures, Notaro e Allynne por seu selo Something Fierce, Erik Feig e Lucy Kitada por Picturestart e Pomerantz. Os produtores executivos incluem Royce Reeves-Darby para Picturestart e Alex Brown para Gloria Sanchez. A Picturestart é que está financiando.

 

Fonte | Adaptação e Tradução: Equipa DJPT




A atriz foi fotografada ontem, 03, em quanto fazia uma pausa nas filmagens de “Am I OK?” em Los Angeles com a Ro Donnelly, a sua sócia do TeaTime Pictures.

As filmagens começaram na segunda-feira e supostamente irão durar apenas 20 dias.

Podem conferir em baixo as fotos da Dakota na nossa galeria:




A atriz foi fotografada ontem, 02, em quanto fazia uma pausa nas filmagens de “Am I OK?” em Los Angeles.

As filmagens começaram na segunda-feira e supostamente irão durar apenas 20 dias.

Podem conferir em baixo as fotos da Dakota na nossa galeria:




Durante esta semana cheia de promo para o seu mais novo filme, “Our Friend“, a Dakota revelou a vários entrevistadores que já tem mais um novo projeto pronto para arrancar já em Fevereiro em Los Angeles!

A atriz revelou que já tem mais um projeto pronto com a sua companhia de produção TeaTime Pictures. O projeto, ainda sem título, conta com a produção da Dakota, da comediante Tig Notaro e a sua mulher Stephanie Allynne e a roteirista é Lauren Pomerantz, conhecida por trabalhar no Saturday Night Live e no The Ellen DeGeneres Show.

O projeto já foi adicionado na filmografia da Dakota no IMDB, e a única informção disponível é que a sua personagem se chamará Lucy e irá ser da comunidade LGBTQ+.

Segundo o Deadline, o filme contará a história de Lucy (Johnson) e Jane, de 30 e poucos anos, que são melhores amigas há anos. Elas aprenderam quase tudo sobre a vida e uma da outra juntas. No entanto, existem coisas desconhecidas, ou não totalmente aceitas, que Lucy esconde da Jane e dela mesma. Somente quando Lucy for embarcar numa jornada pessoal, ela irá enfrentar um teste da sua amizade e do seu senso de identidade, num caminho em que ela pode não estar pronta para seguir.




Vamos ser honestos, 2020 foi um ano de altos e baixos mas acreditamos que o melhor da carreira da Dakota ainda está por vir; por isso decidimos criar esta publicação para vos alertar e informar das coisas boas que podemos esperar na carreira da Dakota em 2021!

(mais…)




parceiros
layout desenvolvido por lannie d. - Dakota Johnson Portugal