Bem vindos ao Dakota Johnson Portugal, única e melhor fonte de informações sobre a atriz Dakota Johnson, mais conhecida por dar a vida à personagem Anastasia Steele em as “Ciquenta Sombras”, em Portugal. Aqui vais encontrar todo o tipo de notícias, desde aparições, novos projetos, cada detalhe dos seus trabalhos, entrevistas e muito mais. Não somos a Dakota e não mantemos qualquer tipo de contato com a mesma. Não temos contato com os seus agentes, familiares ou amigos. Todo o conteúdo encontrato no site pertence ao site até que seja informado o contrário. Site de fãs para fãs, sem fins lucatrivos. Visita cada página e volta sempre!

Com a temporada de premiações a chegar, os favoritos da tela antigos e novos espalham a sua poeira estelar no arrebatador Portfólio de Hollywood 2022 da Vogue, enquanto o tapete vermelho acena.

Princesas em perigo, extravagâncias musicais, nostalgia complicada e missões românticas, domésticas e mitológicas. As performances cinematográficas que se destacaram nesta temporada de premiações podem ser marcadas pela modernidade e ter um olhar engajado na política da década de 2020, mas como Hollywood continuou traçando o seu curso por águas turbulentas, o seu desejo ilimitado por uma história clássica parece nunca longe do alcance.

De Londres a Nova York, de Los Angeles a Tóquio, a Vogue reuniu os atores que colocaram o coração nos nossos contos de fadas modernos, de veteranos numa série de estreias emocionantes.

Conta-nos sobre a tua primeira audição.

“Era para um filme ridículo cheio de ação. Fiquei com muito medo e não consegui o papel. Eu não consegui a maioria dos empregos até mais tarde.”

Quem foi a tua paixão de cinema durante a tua infância?

Jonathan Taylor Thomas, sempre. Depois eu vi “The Craft” e fiquei tipo, eu amo todas essas mulheres. Acho que era mais uma queda por feitiçaria.”

*Este excerto estará disponível da edição de Março de 2022 da revista britânica Vogue.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson está a ter um grande ano. Ela não apenas faz parte de um dos grandes candidatos a prêmios da temporada em “The Lost Daughter”, mas também estreou os dois primeiros filmes da sua empresa no Festival de Cinema de Sundance, “AM I OK?” e “Cha Cha Real Smooth”, que ela produziu e também atua.

Os projetos são bem diferentes: Em “AM I OK?” ela interpreta uma personagem de 30 e poucos anos em Los Angeles que está a questionar-se sobre a sua sexualidade e a descobrir quem ela é e quer ser, e em “Cha Cha Real Smooth” ela é uma jovem mãe de uma filha adolescente que é autista, que desenvolve um relacionamento único com um jovem de 22 anos interpretado pelo roteirista e diretor do filme, Cooper Raiff. Ambos os filmes estão à procura de um distribuidor.

Johnson falou com a Associated Press sobre essa nova fase na sua carreira e os benefícios de ser produtora. As observações foram editadas para maior clareza e brevidade.

AP: Como estás a sentir-te agora que ambos os filmes foram exibidos para o público de Sundance?

JOHNSON: Estávamos tão animadas para ir ao Sundance. É realmente um grande negócio. Eles são os dois primeiros filmes da minha empresa e fizemos os dois durante a pandemia e sentimo-nos muito orgulhosas. Nós realmente nos preocupamos com eles e as pessoas envolvidas. Então, é triste, mas é legal tê-los virtuais, porque muitas pessoas que eu não conhecia poderiam ver que estão a entrar em contato, então isso é bom.

AP: Sentes um senso de propriedade desses projetos de uma maneira diferente sendo uma produtora?

JOHNSON: Com certeza. A coisa que eu mais amei foi o processo de edição e pontuação e cor e coisas que eu nunca me envolvi como apenas uma atriz. Eu encontro-me muitas vezes esbarrando um pouco contra isso na minha carreira. Eu realmente importo-me com o meu trabalho. Eu amo tanto o meu trabalho. E quando sinto que o meu trabalho como atriz ou a minha participação no projeto termina no dia em que saio do set, pode ser muito difícil. Pode ser muito triste quando você não vê ou ouve nada até ou talvez você vá fazer ADR (regravação de áudio) ou você vê sair e às vezes não é o que tu pensaste que seria ou não é o filme que tu assinaste. Pode ser doloroso para o meu processo artístico. Então isso foi muito gratificante e gratificante de uma forma que eu realmente gosto.

AP: Estavas a querer começar a tua própria empresa, TeaTime Pictures co-fundada com Ro Donnelly, por algum tempo?

JOHNSON: Eu sempre quis fazer mais. Eu sempre quis fazer os meus próprios filmes. Começamos há quase três anos. Ro, a minha parceira de negócios, era uma executiva da Netflix. Nós éramos amigas primeiro e eu fiquei tipo, “Eu quero fazer isso e tu queres fazer isso comigo?” E isso foi uma grande coisa porque eu estava basicamente tipo, “Tu precisas deixar o teu trabalho muito seguro, confortável e poderoso e dar-me uma chance”. É magnifico porque agora está realmente prosperando e tem uma vida e um batimento cardíaco.

AP: Com é que te conectaste em “AM I OK?”

JOHNSON: Eu amei algumas coisas, mas acho que foi a ideia de uma mulher na casa dos 30 anos ainda descobrir quem ela é. E eu realmente amo a ideia de as pessoas serem autorizadas a fazer isso por toda a vida, se precisarem. Eu não acho que seja realista ter tudo planeado até uma certa idade. Eu adorava a ideia de alguém ter medo da sua sexualidade e da verdade dela. E então o aspecto da amizade feminina, eu gostei desse tipo de assunto mais intenso foi infundido numa espécie de comédia de amigos.

AP: “AM I OK?” já estava em andamento quando tu começas-te, mas com “Cha Cha”, tu estavas realmente lá desde o início, certo?

JOHNSON: Nós o desenvolvemos a partir da ideia de um título de filme. Cooper e eu realmente desenvolvemos o diálogo e os personagens e lutamos muito para fazer esse filme. Perdemos a nossa taxa. Ele perdeu a sua taxa para que pudéssemos ter dinheiro suficiente para fazer o filme. E eu me sinto incrivelmente orgulhosa por estar envolvida num festival como Sundance. É um verdadeiro presente, mesmo que tenha sido o fim da linha para o filme, que tipo, eu realmente espero que não seja.

AP: A direção também pode estar no teu futuro?

JOHNSON: Eu amo a ideia de fazer o meu próprio filme, mas continuo a sentir como se eu ainda estivesse a aprender.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson está, por conta própria, seis minutos atrasada. Conectando-se a uma vídeochamada recente, ela explicou que havia procurado online um cobertor pesado para ansiedade e não fazia ideia de que havia tantos tipos diferentes.

“Eu só preciso de uma coisa, e então sou inundada com opções,” ela disse, “e então isso é como a história da minha vida. Acabo por meter as coisas no cesto e nunca mais as compro.”

Johnson tem boas razões para estar streassada, embora não saiba disso pelo seu comportamento plácido e brincalhão, voz suave e doce e entusiasmos variados e discretos. Tendo lançado ao estrelato como atriz com a trilogia Cinquenta Sombras e atualmente recebendo elogios no concorrente da temporada de premiações The Lost Daughter, Johnson também estrela dois filmes no Sundance Film Festival de 2022 , que começa quinta-feira em formato virtual, pelo segundo ano consecutivo. Os projetos também marcam os primeiros filmes finalizados produzidos pela sua empresa, TeaTime Pictures.

Cha Cha Real Smooth, do roteirista e diretor Cooper Raiff, que estreia no domingo na competição dramática do festival nos Estados Unidos, apresenta Johnson como Domino, mãe de uma adolescente autista (Vanessa Burghardt) e noiva. Depois que ela conhece Andrew (Raiff), de 22 anos, que recentemente começou a trabalhar como iniciador de festas de bar mitzvah, as coisas mudam.

Em seguida, Am I OK?, dirigido por Tig Notaro e Stephanie Allynne a partir de um roteiro de Lauren Pomerantz, vai estrear no dia seguinte, com Johnson estrelando como Lucy, que encontra sua amizade de longa data com Jane (Sonoya Mizuno) arruinada pela mudança iminente, de Jane, do país para o trabalho, bem como a percepção de Lucy de que ela é lésbica.

Para Johnson, 32, trazer os dois filmes para Sundance é uma declaração de propósito para a TeaTime e as suas grandes ambições para a empresa.

“Como atriz, especialmente quando o filme é lançado, estou sempre a esbarrar em alguma coisa”, disse ela. “Estou a descobrir que é como, ‘Oh, não foi para isso que eu assinei. Esse não é o filme que eu queria fazer ou que falamos sobre fazer.’ Porque por tanto tempo, a minha carreira tem sido, eu a preparar-me e apareço e faço o meu trabalho, e é isso. E eu vou para o ADR e então eu vou promover a porra do seu filme e eu vou andar pelos tapetes vermelhos. E você não tem nada a dizer sobre o resultado, e a sua integridade como artista é meio atrofiada.”

Com Am I OK?, pela primeira vez ela viu-se a lidar com muito mais, todas as coisas que antes eram escondidas dela no processo de fazer um filme. Que neste caso incluiu dois cancelamentos por conta do COVID de 10 dias em cada filme, destinados a ter uma produção que durasse apenas 20 dias.

“É claro que há coisas que são stressantes em termos de ‘OK, como fazemos isso? Como contornar esse problema e economizar dinheiro?’ Todas as coisas que são tão pouco sexy sobre fazer filmes, mas então sinto-me melhor com isso”, disse Johnson. “Sinto que cada decisão tomada pode ser feita com integridade artística, pode ser criativa. Pode ser, ‘OK, como podemos fazer isso funcionar, mas ainda ultrapassar um pouco os limites, ainda alcançar os corações que precisam ser alcançados?’

“Não se trata de controle. É sobre contribuição. É sobre colaboração”, disse ela. “Trata-se de realmente alcançar uma ideia e aderir a ela e manter a integridade de qualquer história que esteja a tentando ser contada.”

Enquanto o resto do mundo passou por vários estágios de cancelamento nos últimos dois anos, Johnson tem estado particularmente ocupada. Ela lançou a TeaTime Pictures com a parceira Ro Donnelly em 2019, e eles já haviam montado alguns projetos quando a pandemia parou a indústria no início de 2020. Quando as coisas voltaram a funcionar, ela fez quatro filmes em ordem bastante rápida, filmando The Lost Daughter na Grécia, Am I OK? em Los Angeles, Persuasion na Inglaterra e Cha Cha Real Smooth em Pittsburgh.

“Talvez seja por isso que eu precise do cobertor, porque tem sido muito hardcore”, disse Johnson. “De alguma forma, eu simplesmente não parei durante o COVID.”

Am I Ok? originalmente deveria ser filmado em 2020, mas foi adiado pela pandemia. Notaro conheceu Johnson depois que o namorado de Johnson, Chris Martin, do Coldplay, enviou um e-mail do nada para perguntar se Notaro poderia se apresentar na festa de 30 anos de Johnson. Os dois deram-se bem e mantiveram contato, com Notaro estendendo a mão enquanto ela e Allynne, que são casadas, procuravam escalar o seu filme de estreia como co-diretoras.

“Ela não é alguém que entra num projeto sem uma opinião ou nota”, disse Notaro. “Ela sabe o que está a fazer e sabe o que quer fazer. Não há confusão aí. Há tantas pessoas que assumem papéis de produtoras que estão sentadas em silêncio, e esse não é o caso dela.”

Raiff conheceu Johnson pelo Zoom enquanto ela estava a filmar The Lost Daughter. Raiff, o cineasta e ator de 24 anos que ganhou o grande prêmio do júri no South by Southwest Film Festival 2020 com o seu longa de estreia, Shithouse, apresentou a Donnelly e Johnson a ideia que se tornaria Cha Cha Real Smooth. Então ele começou a desenvolver o roteiro com a equipa do TeaTime, adaptando o papel de Domino para Johnson.

“Acho que Domino realmente combina muito bem todo o seu talento e a sua sensibilidade”, disse Raiff. “Ela pode namoriscar com uma parede, mas também é muito profunda e traz muitas coisas não ditas, mas isso vem tão bem por causa da sua presença insana na tela… uma pessoa criativa”.

Antes de lançar a sua empresa juntas, Donnelly, que trabalhou anteriormente na Netflix, conheceu Johnson através de um amigo em comum e percebeu que o seu gosto e visão estavam alinhados.

“Nós éramos amigas, então nós as duas estávamos analisando uma a outra”, disse Donnelly. “Eu realmente queria trabalhar com algum talento feminino, e ela queria fazer algo maior do que apenas um negócio de vaidade.”

No final do ano passado, Johnson e Donnelly venderam uma participação minoritária na sua empresa para a Boat Rocker, o estúdio canadense onde eles têm um primeiro acordo, e a executiva Katie O’Connell Marsh juntou-se à TeaTime Pictures como sócia. O seu papel é ajudá-la a expandir para algo mais do que uma produtora, com planos para construir uma comunidade criativa que possa ser usada para lançar produtos selecionados.

Sobre Johnson, O’Connell Marsh disse: “Estou mais inspirada pela sua ambição sem fim. Ela pensa nas coisas em termos de como olhar para o que está à frente, o que vai ser relevante. O que vai ser ótimo, mas também incrivelmente acessível.”

“Ela tem muito bom gosto e pode falar como artista quando está a conversar com outros artistas, com um escritor ou diretor ou com outros atores”, disse Erik Feig, cuja empresa Picturestart esteve envolvida na produção e financiamento de Am I OK? e Cha Cha Real Smooth. “Mas porque ela está neste negócio há tanto tempo e ela sabe muito bem, eu acho que ela também realmente entende o negócio do negócio. Essa é uma combinação única de se ver.”

Johnson está em numa encruzilhada intrigante como performer, numa posição incomum onde ela pode interpretar personagens relativamente despreocupados tentando descobrir suas vidas à maneira de uma heroína de comédia romântica, como em Am I OK? ou The High Note, de 2020, enquanto ela também pode interpretar partes mais sombrias, refletindo pessoas com mais responsabilidades lidando com onde se encontraram, como em Cha Cha Real Smooth ou The Lost Daughter. É raro ver alguém capaz de navegar com sucesso pelos dois lados dessa divisão de maturidade.

O que levanta a questão de onde Johnson se considera na sua própria vida e se algum dos seus papéis recentes reflete como ela se sente sobre si mesma.

“Não, de jeito nenhum”, disse ela. “Não sinto que nenhum desses papéis reflita onde estou. Talvez momentos em filmes, retrospectivamente eu possa ter estado lá emocionalmente ou em relação a relacionamentos ou algo assim, mas eu não sinto que há um filme que eu possa dizer, ‘Oh, essa sou eu na minha vida.’

“Eu não sei se eu gostaria de fazer isso”, disse ela. “Acho que posso querer apenas viver minha vida.”

Antes do seu papel de destaque na trilogia Cinquenta Sombras, Johnson cresceu em torno dos negócios de Hollywood, graças aos seus pais, os atores Melanie Griffith e Don Johnson. E ela traz esse histórico, bem como uma série de escolhas de carreira ecléticas, para essa nova etapa de produção.

“Crescer no set e assistir tantas conversas sobre esse trabalho e essa indústria e as pessoas nela e depois ter a minha própria carreira nos últimos 14 anos, acho que só quero fazer a diferença”, disse Johnson. “Quero melhorar. Eu quero ter uma experiência melhor. Eu quero dar mais oportunidades para pessoas incríveis fazerem coisas. Eu quero fazer mais. Eu tenho sonhos tão grandes, está fora de controlo. E eu tenho tantas ideias, e eu só preciso tirá-las. Mesmo que eles sejam horríveis e Ro diga, ‘Não, esse não’”.

“Dakota é uma pessoa tão criativa, gosto de dizer que ela é como o vento. Ela está sempre a mover-se e a sonhar, e ela é bem etérea”, disse Donnelly. “Eu definitivamente sou a mais realista de nós as duas, mas eu amo osbseus grandes sonhos. Nós definitivamente nos equilibramos.”

Após as estreias de Sundance de Am I OK? e Cha Cha Real Smooth, ambos entrando no festival procurando uma venda para um distribuidor, Johnson planeja continuar expandindo a TeaTime Pictures. Embora elas tenham cerca de 25 projetos em diferentes estágios de desenvolvimento, o próximo projeto mais imediato é provavelmente Daddio, escrito e dirigido por Christy Hall e estrelado por Johnson e Sean Penn. Há também uma adaptação em série do livro de memórias de Bexy Cameron, Cult Following, a ser adaptado e dirigido por Zoe Lister-Jones para Johnson e sua melhor amiga de longa data, Riley Keough.

Se houve um tempo em que foi uma luta para Johnson deixar a notoriedade dos filmes Cinquenta Sombras para trás, ela agora parece entrar na próxima fase da sua carreira totalmente sob o seu próprio controle.

“As pessoas sempre têm opiniões sobre tudo e especialmente sobre outras pessoas, especialmente pessoas famosas, especialmente pessoas famosas nuas, então às vezes é como barulho de mosquito para mim”, disse Johnson. “Acho que só quero fazer o que é fiel ao meu coração, e fiz. E embora as coisas nem sempre aconteçam como deveriam ser quando estou lá apenas como atriz, as escolhas que fiz sempre foram do meu coração e não por qualquer outro motivo.”

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




As estrelas de “The Lost Daughter” e “Tick, Tick…Boom!” também refletem sobre o peso da fama da franquia: “É preciso muito para ser privado agora”.

Em Reunited, o Awards Insider apresenta uma conversa entre dois candidatos ao Oscar que colaboraram num projeto anterior. Aqui, conversamos com a atriz Dakota Johnson e o ator Andrew Garfield, que já apareceram juntos no drama de 2010 “The Social Network“.

A Rede Social, o drama de 2010 de David Fincher sobre Mark Zuckerberg e a criação do Facebook, permaneceu firmemente parte da conversa cultural – afinal, a influência da rede de mídia social nas nossas vidas e política só aumentou. Mas este ano também traz a oportunidade de celebrar duas das suas estrelas que estão percorrendo o circuito de prêmios: Andrew Garfield, que interpretou Eduardo Saverin, e Dakota Johnson, que, em seu primeiro papel no cinema, interpretou Amelia Ritter.

Johnson, de 32 anos, que passou a liderar a franquia Cinquenta Sombras, interpreta uma jovem mãe em conflito em A Filha Perdida, de Maggie Gyllenhaal. E Garfield, de 38 anos, que vestiu o traje do Homem-Aranha em dois filmes antes de mergulhar em filmes mais dirigidos por autores como Hacksaw Ridge e Silence, apresenta o melhor desempenho da sua carreira como o criador de Rent, Jonathan Larson, em Tick, de Lin-Manuel Miranda.

Os seus projetos atuais não poderiam ser mais diferentes, mas os seus caminhos para chegar até eles, desde os primeiros dias de The Social Network até liderar grandes franquias (e o fandom que vem com isso), foram assustadoramente semelhantes. A Vanity Fair reuniu os dois em Los Angeles para uma conversa sobre filmagens com o Fincher, lidar com os holofotes da fama e o “peixe podre” das redes sociais.

Vanity Fair: O que vocês se lembram da primeira vez que se conheceram?

Andrew Garfield: Tu lembraste de quando nos conhecemos? Nós não tivemos nenhuma cena juntos.

Dakota Johnson: Não, e tu e Jesse [Eisenberg] estavam tão ocupados naquele filme, e eu obviamente apareci nele por quatro segundos, mas passei alguns dias no set apenas a ver. Lembro-me de sentar com vocês quando estavam a almoçar um dia e me fizeram um monte de perguntas. Tu foste muito amigável – e o Jesse não me reconheceu. Ele provavelmente estava em personagem.

Garfield: Oh meu, eu não sei. Sinto que preciso defendê-lo de alguma forma. Talvez houvesse um pouco do Zuckerberg a surgir naquele momento. Ele provavelmente estava sobrecarregado por—

Johnson: Pela beleza.

Garfield: —pela tua beleza, sim. Fizemos o filme, mas depois lembro-me de te ver numa festa. Eu acho que foi nos Oscars ou algo assim, quando David Fincher não ganhou e ele deveria ter, e eu lembro de te ver na festa depois, e tu estava tão adorável e energética e animada para te conectares, e eu senti a mesma coisa.

Johnson: Foi quando – acho que as pessoas ainda fazem isso – mas Mark Townsend, que faz o meu cabelo, costumava colocar madeixas no meu cabelo para deixá-lo preenchido. Nessas festas, eu provavelmente ficaria um pouco bêbada e depois apenas os tiraria e os colocaria nos bolsos das casacos dos homens porque eles são tão irritantes e eu encontraria um lugar para colocá-los.

Garfield: Por que bolsos de casacos dos homens?

Johnson: Porque eles estão tão disponíveis.

Dakota, A Rede Social, em que tu tens uma cena como uma estudante de Stanford que passa a noite com Sean Parker, foi o teu primeiro papel no cinema. Qual era o teu estado de espírito naquele dia?

Johnson: Filmamos essa cena em um dia, e naquele dia Terrence Malick veio ao set para ver como David estava a trabalhar com o digital, e eu fiquei tipo, O quê?

Garfield: Como foi isso, sendo o teu primeiro filme?

Johnson: Foi tão excelente. Eu amei.

Garfield: Entraste nervosa, ou apenas aberta?

Johnson: Não, eu estava tão nervosa. Antes de filmar qualquer coisa, eu não durmo, e meio que tem aquela sensação de vazio, nervosismo e trêmulo, mas foi incrível. Foi o melhor.

Garfield: E como foi com o David?

Johnson: Ele era tão gentil e adorável. Como ele foi contigo?

Garfield: O mesmo. Eu acho que ele tem essa estranha reputação de fazer as pessoas não irem à casa de banho e então elas têm que fazer xixi em potes no set. Não sei se já ouviste essas coisas sobre ele? Então eu vim a pensar, isso vai ser como trabalhar com algum tipo de capataz, mas eu simplesmente adorei. E as tomadas excessivas não parecem excessivas. Não achei excessivo.

Johnson: Não, nem eu. Ele foi super específico sobre continuidade?

Garfield: Sim. Continuidade física. Mas ele era muito livre com o bloqueio. Houve uma vez em que ele foi didático comigo sobre bloqueio, e foi no momento durante o litígio, no final do litígio entre mim e o Jesse, porque essas coisas podem ser muito chatas porque são apenas pessoas sentadas uma em frente da outra. Houve um momento em que ele foi muito, muito claro que ele queria que eu estivesse a olhar pela janela de costas para a mesa e então me virasse num ponto específico e dissesse algo diretamente para o Jesse e depois não piscasse e não quebrar o contato visual com ele pelo resto da cena. Então esse foi o único bloqueio muito didático e específico que ele me deu, e é ótimo. Eu apenas confiei nele, o que é uma coisa tão difícil de encontrar com um cineasta.

Johnson: Eu acho isso realmente, criativamente, quase libertador, quando pensas que seria o oposto quando tu tens um lugar tão limitado para te moveres, mas isso faz muito, eu acho, emocionalmente.

Garfield: Então essa é uma história estranha, e eu provavelmente não deveria dizer isso. Eu fui acidentalmente trazido para o trailer do Justin – Justin Timberlake de palco, tela e fama de estrela pop – por um dos segundos A.D.s um dia. E eu fiquei tipo, “Este não é o meu trailer”, e eu vi alguns dos seus trabalhos de casa. Eu vi, tipo, um tabuleiro com cartas de sinalização e algumas das suas escolhas e substituições internas e-

Johnson: E tu ficaste tipo, “Ah, não, eu deveria ir embora”, mas não foste. Tu leste tudo isso.

Garfield: Eu estava tipo, “Oh, eu devo sair e quando eu sair, eu devo deixar os meus olhos demorarem o máximo possível enquanto eu sair”, porque eu quero dizer, é claro, porque está lá e graças a Deus não foi nada mau. Foi apenas legal.

Johnson: Isso é foda. Eu não posso acreditar que tu fizeste isso. Espero que ele assista a esta entrevista. Na verdade, espero que ele nunca veja esta entrevista.

Andrew, na época em que The Social Network estava a ser lançado também foi quando foste anunciado como o novo Homem-Aranha. O que te lembras dessa grande mudança na tua carreira?

Garfield: Foi quando começamos a promover e falar sobre Rede Social que eles deram-me a notícia de que tudo iria mudar e eu iria de repente estar neste outro mundo que eu senti que era muito estranho e selvagem e todas as coisas que você conhece com sua incursão em sua versão disso.

Johnson: Homem-Aranha? Eu sei muito sobre isso.

Garfield: Não, mas você faz do seu jeito com o filme [Cinquenta Sombras] com Jamie [Dornan], porque é a mesma coisa em termos de se sentir disponível para o mundo e especialmente com o que você estava passando com aquele filme porque é tão metaforicamente nu. Esta é talvez uma pergunta mais pessoal, mas como você tem limites tão bons em sua vida e com o público para continuar nu na tela, seja literal ou não? Eu sei que é algo que eu penso o tempo todo para me manter sagrado, para manter minha vida sagrada para que eu possa me sentir livre para continuar e continuar me entregando ao meu trabalho.

Johnson: Bem, é preciso muito para ser privado agora, como tanto esforço todos os dias. Você não faz certas coisas ou vai a certos lugares.

Garfield: Faz você se concentrar nas coisas que importam e nos relacionamentos que importam e nas amizades. Vale a pena o esforço, eu acho. Eu preferiria trabalhar muito duro, mas há alguns dias em que eu simplesmente não me importo. No Canadá, há um ótimo lugar, o Repsol Center, que é um grande centro esportivo em Calgary e tem sauna a vapor e mergulho frio, quadras de badminton, tênis de mesa, grandes piscinas. E eu amo esses esportes. Então, às vezes, quando estou no Centro Repsol, se alguém diz: “Ei, você é o cara da coisa?” Eu fico tipo, “Não, eu pareço com ele”, e então podemos ter uma conversa de verdade, mas às vezes eu fico tipo, “Sim. Eu sou e vou desapontá-lo agora.” Você sabe o que eu quero dizer?

Johnson: Por que você acha que iria decepcioná-los?

Garfield: Eu penso em mim e em Tom Hanks. É que eu sei que Tom Hanks é apenas uma pessoa, mas para mim ele é…

Johnson: O herói supremo. Você já o conheceu?

Garfield: Sim, e ele não decepcionou.

Johnson: Não, ele não.

Garfield: Mas muito pelo contrário, eu faria e não de uma forma ruim, não de forma autoflageladora. É mais que eu me permito ser comum, ser uma pessoa.

Johnson: Mas você não acha que isso faria as pessoas sentirem que você é mais fundamentado e mais humano?

Garfield: Muitas vezes, ele faz isso. Se alguém está aberto para eu ser uma pessoa, temos uma conversa adorável, mas há algumas pessoas que não querem isso. Eles querem-

Johnson: Eles querem que você comece a escalar as paredes.

Garfield: Eles querem o Mickey Mouse. Sim, exatamente ou eles querem que você seja amarrado a uma coisa e essa é uma posição injusta para você ser colocado.

Johnson: Com certeza.

Garfield: Eu senti isso fisicamente. Até mesmo brincar sobre isso parece terrivelmente inapropriado.

Johnson: Não é horrível?

Garfield: E lamento que isso tenha se tornado uma coisa com a qual você tenha que lidar de maneira intensa, onde há uma expectativa ou uma imagem na mente das pessoas.

Johnson: Com certeza. Eu acho que volta, no final do dia, você é um ator atuando. Você está desempenhando um papel. Então, para as pessoas pensarem que talvez seja isso que você é ou para as pessoas pensarem que você tem que ser uma certa pessoa para desempenhar um papel, é tudo uma grande bagunça. Você já ouviu as pessoas que dizem: “Ei, do que eu conheço você?” E você fica tipo, “Eu não sei.” E eles ficam tipo, “Bem, você é um ator. Em que você esteve?” E você fica tipo, “O quê? Vou abrir minha página do IMDb? Curta uma lista de filmes que fiz para que você possa se sentir melhor?”

Garfield: Eu sei. É tão interessante. As pessoas são tão interessantes. Há um benefício que temos ao experimentar isso, porque esse estudo antropológico dos seres humanos e o que parece certo dizer a alguém.

Johnson: Parece que isso vem da insegurança. De tipo, “Eu não quero expor que eu acho que você é ótimo.” O que é uma coisa tão boa de se dizer a alguém é como, “Eu acho que você é ótimo.”

Garfield: Quem não gosta de ouvir isso?

Johnson: Eu sei, mas muitas pessoas não gostam de dizer isso para outras pessoas.

Garfield: Bem, porque se as pessoas estão próximas de seus próprios talentos e estão expressando sua própria vocação ou vivendo em seu destino de uma maneira que parece certa, então acho que as pessoas são muito mais fáceis de dizer: “Ei, oi. Entendo você. Eu gosto disso.” Quando as pessoas estão longe de seus próprios dons e eles podem sentir isso e eles vêem alguém que está vivendo de uma maneira que é mais corajosa, ousada ou vulnerável –

Johnson: – Ou até mesmo sincero. Acho que tem tanta gente que nem sabe qual é o seu propósito.

Garfield: Acho que essa talvez seja a principal tragédia da vida moderna. Eu acho que isso me parece a tragédia da revolução pós-industrial onde todos de repente deixaram de ser únicos e ter esse talento talvez mais honrado em quantas unidades você está produzindo e você é um bom produtor e quantas horas você fez? Ah, bom. E quanto você comprou e está contribuindo para a economia? É aquela maneira muito fria e industrial de ver o mundo. Isso me lembra aquele grande poema de D. H. Lawrence, Healing, que não memorizei, mas começa assim: “Eu não sou um mecanismo. Não sou uma série de peças mecânicas”. É um poema muito bonito.

Johnson: Mas você não acha que passamos um pouco disso agora para pessoas onde as pessoas são justas, elas nem percebem que podem ter um único propósito ou um sonho…

Garfield: Propósito único é a maneira perfeita de dizer isso e você está certo porque eu acho que foi tão normalizado viver uma vida de autolimitação.

Johnson: E se tornou tão assustador, eu acho, dizer: “Qual é a minha verdade?” Porque tanto eu penso na verdade de alguém é escrutinado agora.

Garfield: E mantido sob um microscópio. Bem, voltando ao nosso filme em que estamos juntos há muito tempo, é tão bom que as pessoas ainda estejam falando sobre isso porque foi um ótimo filme, mas você acha que tem a ver especificamente ou talvez seja acabou de ser aprimorado por essas tecnologias que cortaram tudo em fatias finas?

Jonhson: Eu quero. Eu não acho que eles necessariamente ajudaram as pessoas, a humanidade. Você acha que a mídia social é principalmente boa ou principalmente ruim?

Garfield: Não sei. Eu me inclino para me livrar dele e acho que muita gente viu O Dilema Social, aquele grande documentário da Netflix, que dizia tudo o que já sabemos, mas acho que de uma forma bem acessível. O que eu acho interessante e isso remonta ao Facebook e Zuckerberg e todos os indivíduos que criaram essas tecnologias e plataformas com as quais a maioria da humanidade agora está interagindo, acho que você pode encontrar a disfunção que é criada a partir dessas tecnologias, Acho que é tudo a cabeça podre do peixe. Então, acho que Zuckerberg é obviamente um homem que lutou para se conectar com as pessoas de uma maneira emocionalmente inteligente e profunda e ele criou uma coisa toda em que toda essa dificuldade que ele experimenta agora está espalhada entre todos. Então, há essa terrível conexão superficial que está acontecendo que está limitando como podemos realmente nos relacionar.

Johnson: Você pode imaginar se a citação de pull, a manchete desta entrevista for: “Andrew Garfield chama Mark Zuckerberg de peixe podre?”

Com essa nota, vamos voltar aos seus filmes atuais. Ambos são dirigidos por pessoas que também são atores. Como isso afetou sua experiência?

Johnson: Há algo sobre Maggie que é como uma verdadeira atriz em busca da verdade e agora uma verdadeira diretora em busca da verdade que sabe como é ser uma atriz atuando, especialmente uma mulher, especialmente em uma praia de maiô e fazendo coisas sombrias e pensando e sentindo coisas sombrias. Então, ela criou um lugar realmente seguro para eu e todos fazermos coisas realmente extremas. Isso não é algo que pode ser artificial. Vem de ser genuinamente amado e genuinamente visto pelo seu diretor, o que eu acho tão raro.

Garfield: E isso vem da experiência genuína também e da empatia e do cuidado profundos, que é o maior presente e isso é maravilhoso. Puxa, eu quero trabalhar com ela. Foi o mesmo com Lin. Lin—

Johnson: Acho que ele nunca vai querer trabalhar comigo.

Garfield: Por que você diz isso?

Johnson: Porque eu não posso fazer essas coisas que você fez. Eu fico muito nervosa cantando na frente das pessoas. Aprendeu a tocar piano?

Garfield: Sim. Aprendi algumas músicas. Ouça, foi um presente este porque eu tive um ano para aprender a cantar e aprender piano e aprender a coreografia e estudar John, para realmente mergulhar nesse homem incrível que viveu e respirou e caminhou entre nós e foi tirada de nós muito jovem aos 35 anos e é uma daquelas raras em que você diz: “Oh, eu gosto de acordar de manhã para isso”.

Johnson: Você passou algum tempo com pessoas que o conheciam?

Garfield: Ah sim, muitas pessoas. Sua irmã, Julie Larson, foi um grande recurso e produtora do filme. De ela para uma das pessoas que perderam a virgindade com ele. Todo mundo estava fazendo fila ao redor do quarteirão para compartilhar sobre John porque acho que quando alguém, quando alguém morre, queremos a beleza de manter sua memória viva falando sobre eles e repetindo histórias várias vezes. É como um ritual, certo? Isso mantém o espírito deles aqui conosco, não importa se eles morrem aos 35 ou 80 anos. Então, acho que especialmente com alguém que morreu tão jovem – lembro de sentir isso com Heath [Ledger]. Não sei se você conhecia Heath?

Johnson: Eu não o conhecia.

Garfield: Ele morreu no meio de um filme que estávamos fazendo juntos. E também ele era obviamente um artista tão incrível e um presente para o mundo e acho que o mesmo vale para Jonathan. Era como se a quantidade de pessoas que querem manter seu espírito vivo nos permitisse obter todas as informações e todas as experiências subjetivas que as pessoas tiveram com ele e eu amo isso.

Já que você está discutindo a ideia de celebridade por um pouco disso, você pode me dizer um momento em que você ficou realmente chocado?

Garfield: Quando eu vim para Hollywood pela primeira vez quando eu tinha 24 anos e tudo isso era novo para mim e eu fui a uma festa. E eu esqueço o nome do ator, mas um dos Fratelli Brothers [dos Goonies], um dos bandidos estava lá. Ele estava fumando um charuto. Eu tive que me encostar na parede – eu genuinamente desmaiei só de vê-lo e pensei: “Este é o dia mais feliz da minha vida e é isso”.

Johnson: Essa é boa.

Garfield: Você tem um decente?

Johnson: Eu conheci Mel C na outra noite. E eu joguei tão legal. E ela era tão incrível e ela estava vestindo, é claro, esse agasalho. E depois eu perdi a cabeça e ela saiu da sala e eu estava tão estranho.

Garfield: Eu amo isso.

Johnson: Mas agora estamos mandando mensagens.

Garfield: Oh meu Deus. Não estou mandando mensagens com o cara Fratelli.

Johnson: Você quer ser?

Garfield: Sim.

Johnson: Isso pode acontecer!




Como uma criança a crescer em Hollywood, a estrela de The Lost Daughter sempre invejou a responsabilidade adulta.

Em The Lost Daughter, estreia na direção de Maggie Gyllenhaal, Dakota Johnson interpreta Nina, uma jovem mãe de férias na Grécia que se torna um objeto de obsessão. O filme é baseado num romance de Elena Ferrante do mesmo nome e segue uma mulher chamada Leda, interpretada com pathos ardente por Olivia Colman, cujas interações com Nina a forçam a confrontar memórias de criar as suas próprias duas filhas. Embora a história tenha uma reviravolta psicológica sombria, parece que as filmagens, que ocorreram numa ilha remota no outono de 2020, tiveram a vibração oposta. Para a edição anual de Melhores Performances de W, Johnson conta a Lynn Hirschberg sobre os encontros noturnos do elenco em quartos de hotel, indo fundo com a Gyllenhaal e a sua infância em Hollywood.

Como é que The Lost Daughter até ti? Como ouviste falar sobre isso pela primeira vez?

Eu li o roteiro que a Maggie Gyllenhaal escreveu. E então eu tive uma reunião com ela. Almoçamos numa tarde em Nova York, no Greenwich Hotel, onde imediatamente fomos, tipo, diretas para a carne da vida. E então eu li com ela passado algumas semanas num escritório de elencos. E então ela mandou-me um e-mail a perguntar se eu seria a sua Nina.

E gritaste?

Chorei. Eu não gritei. Eu imediatamente chorei. Isso foi em novembro de 2019, e aí veio a pandemia. Filmamos na Grécia em setembro e outubro do ano seguinte, quase um ano inteiro depois. Fizemos quarentena pesada – na Grécia, que não era nada radical. Felizmente todos nós realmente nos amávamos.

E vocês tinham festas de dança, certo?

Fizemos todo o tipo de festa. Tivemos festas de dança; tínhamos festas de esconde-esconde. Olivia [Colman] tinha un quarto no topo deste hotel que era enorme. Então, nós saíamos lá todas as noites e talvez bebíamos um pouco de vinho e acabávamos a jogar jogos realmente estúpidos. Foi louco, surreal, lindo, intenso e tão amoroso. Foi fantástico. Foi um presente.

Com quantos anos tomaste a decisão  que querias ser atriz?

Nada velha. Zero velha. Eu mal podia esperar porque cresci no set. Os meus pais sempre trabalharam com artistas incríveis, e eu simplesmente adorava isso. Eu queria tanto fazer parte disso.

Eles encorajaram ou desencorajaram?

Eles desanimaram. Viste como isso correu bem? Mas eu entendi. Eles queriam que eu tivesse o máximo de infância possível.

Quem era a tua paixão por celebridades enquanto criança?

Jonathan Taylor Thomas. Lembro-me de vê-lo num aeroporto, e escondi-me atrás de uma planta. Não poderia ser mais óbvio que eu estava a esconder-me, porque era apenas uma plantinha.

Quando é que usaste um par de saltos altos primeira vez?

Eu colocava os saltos altos da minha mãe o tempo todo quando era pequena. E eu tinha o meu próprio par de Mary Janes de salto pequeno que eu usava todos os dias. Todo dia.

Então, eras mais velha para a tua idade?

Eu estava pronta para ser uma adulta. Eu tinha 4 anos e pensei: “Estou a tentar comprar uma casa”. Mas sempre foi também como as coisas mundanas da idade adulta. Tipo, eu queria ir e comprar material de limpeza e outras coisas quando eu tinha 6 anos. Eu estava tipo, Ah, isso é o que significa ser um adulto. Isso deve ser uma prova de como a minha infância foi anormal. Vou ligar para o meu terapeuta.

Durante grande parte do filme, Johnson está de biquíni, quase nua, o que nem sempre foi fácil para ela.

“É difícil. Alguns dias, não quero tirar a roupa no set”, explica ela. “Só porque eu pareço de uma certa maneira não significa que eu não tenha sentimentos. E a minha personagem Nina está entediada com a sua aparência. Ela chegou a um ponto na sua vida em que a sua aparência não combina mais com quem ela é.”

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson vem de uma linha de mulheres impactantes. Agora, ao deixar a sua própria marca, Molly Creeden encontra-a para conversar sobre matriarcas, maternidade e movimentos em Hollywood.

“Conheces o livro ‘The Birthday Book’?’ Pergunta Dakota Johnson. Ela está sentada a uma mesa à luz de velas; olhos azuis inquisitivos, franja tão habilmente roçando suas sobrancelhas que sua manutenção parece um trabalho de tempo integral. ‘É um grande livro que passa todos os dias do ano e fala sobre você e outras pessoas nascidas no seu aniversário. Eu nasci no Dia dos Incorrigíveis”, diz ela. E eu penso, isso faz sentido.

Já estamos no Shutters on the Beach há uma hora, o sol de inverno se pondo sobre a areia de Santa Monica. Johnson estava atrasada – algo relacionado à conversa com Andrew Garfield e o tráfego de Los Angeles – e eu estava a recuperando de uma festa na noite anterior, então começamos abordando cada uma de nossas necessidades.

“Provavelmente deveríamos pedir batatas fritas porque você está de ressaca.” Diz ela, depois de pegar um chá para si mesma. Ela segura a bebida quente em suas mãos enquanto explica mais sobre que tipo de pessoa ela é, cuja essência aparentemente pode ser atribuída a 4 de outubro de 1989, o dia em que ela nasceu. Por um lado, ela recusa a autoridade. ‘Eu não gosto de regras estúpidas, como regras por causa das regras. Ou pessoas implementando regras porque estão buscando poder”, diz ela com firmeza. ‘Se uma cadeira está marcada” Não sente aqui”, eu fico tipo,”Por que diabos não?” Não sei de onde veio isso e por que ficou tão ruim”, diz ela, balançando a cabeça.

Como uma presença, porém, Johnson parece o oposto de incorrigível: absurdamente serena, com uma voz tranquilizante que parece diminuir o seu ritmo cardíaco enquanto ela fala. Essa calma sobrenatural é surpreendente devido à sua educação, que envolveu pais importantes (Melanie Griffith e Don Johnson), avós (estrela de cinema dos anos 60, Tippi Hedren) e padrasto (Antonio Banderas), e o fato de que ela foi criada em sets de filmagem em todo o mundo. Ela aprendeu a dirigir no palco onde seu pai filmou o drama policial Nash Bridges.

Ao contrário da maioria dos humanos – famosos ou não – Johnson parece confortável com o silêncio escancarado; seja em uma conversa muito pública (veja sua entrevista com Ellen, famosa nas redes sociais pelos longos silêncios entre o anfitrião e o convidado), ou entre duas pessoas dividindo batatas fritas. Ela permanece em uma pausa profunda pelo que parece ser um minuto inteiro depois que eu pergunto por que ela consegue suportar o tipo de silêncio que faz a maioria das pessoas se contorcer. Finalmente, ela quebra, mas parece confusa. “Bem, o que eu faria para lutar contra o silêncio?

Não é apenas sua contenção. Johnson emite o tipo de compostura sem pressa que faz você sentir que vai adormecer enquanto ela lê as instruções do GPS em voz alta. Ela sabe que sua turnê pela Architectural Digest house [501.000 likes no YouTube] – em que ela discute languidamente seu sofá de mohair e uma mesa feita de madeira do iate de Winston Churchill – é comparada ao ASMR? “Eu estava com tanta ressaca ao fazer aquele vídeo”, diz ela. “É provavelmente por isso que eu estava tão calma.” Mas de onde vem isso? Ela considera a questão.

“Bem, meus pais são… eu não acho que entendi deles, eles eram selvagens quando eu estava crescendo,” diz ela, indiretamente fazendo referência às tribulações de Don Johnson e Melanie Griffith com vícios e festas nos anos noventa. “Acho que talvez esteja protegida ‘, diz ela. “E isso soa sereno.”

Johnson é de fato cautelosa e claramente hábil em reter informações que poderiam acabar como gravetos de tablóide. Desde 2017, ela namora Chris Martin do Coldplay e, quando em público, o casal atrai hordas de paparazzi em ambos os lados do Atlântico. Eles buscaram uma existência tranquila em uma casa moderna no estilo Cape Cod em Point Dume, Malibu. “Estamos juntos há um bom tempo e saímos às vezes, mas ambos trabalhamos tanto que é bom estar em casa e ser aconchegante e privado. A maior parte da festa acontece dentro da minha casa”, diz ela sobre amigos que parecem estar na indústria do entretenimento ou próximos dela.

Aos 32, Johnson luta com o espaço liminar entre os jovens e os não tão jovens. “Eu sinto-me com 48 e 26 anos,” diz ela. “Eu tive muita vida na minha vida. Eu tive muita vida muito jovem, então acho que me sinto mais velha.” Isso parece consistente, eu observo, com o fato de que após esta entrevista de sexta à noite, ela irá para casa assistir Elle Fanning na segunda temporada do The Great. Johnson ri. “Eu sei! Eu sou tipo, é sexta-feira! Eu deveria ficar um pouco fudida. E às vezes eu faço! Mas tenho trabalhado tanto que beber chá e assistir TV me atraiu.”

Nem sempre foi assim. A tendência incorrigível de Johnson significou que ela foi enviada para um colégio interno católico só para meninas por um ano do ensino médio. Lá ela conheceu uma menina chamada Justine, que havia chegado à Escola Santa Catalina após ser expulsa de outra. As duas se tornaram amigas rapidamente e imploraram para serem companheiras de quarto, criando laços por causa de livros, música e grunge. Johnson não teve saudades de Santa Catalina. “Eu deveria ser uma debutante e me divertir muito, mas não me saí bem”, diz ela. O vínculo com Justine, no entanto, durou. A sua amiga foi para Nova York e Paris, tornou-se fluente em francês e espanhol e, em seus vinte e poucos anos, apresentou a Johnson os romances napolitanos de Elena Ferrante – a série italiana de amadurecimento que narra a complexa amizade de 60 anos entre duas mulheres. Johnson credita Justine por desafiá-la ao longo de sua vida; reconhecendo uma curiosidade dentro de si mesma que ainda não via. “Na verdade, ela é minha amiga brilhante,” diz ela, referindo-se ao título do romance mais famoso de Ferrante.

Então, em 2018, quando a atriz Maggie Gyllenhaal recebeu a bênção de Ferrante para adaptar e dirigir o roteiro de The Story of the Lost Child – o quarto romance da série – o interesse de Johnson foi despertado. Ela estava empenhada no papel de Nina, uma bela jovem mãe em férias com sua família na Grécia, que encontra Leda (interpretada por Olivia Colman), uma professora de meia-idade com uma abordagem pouco ortodoxa da maternidade que lança uma sombra sobre o seu passado. Para Leda, está claro que Nina é um objeto brilhante sendo esmagado pelas demandas dos pais e pelas expectativas do mundo em relação às mães. ‘Não leio mulheres como Nina com muita frequência’, lembra Johnson, cuja carreira incluiu papéis dramáticos e cômicos em redes de televisão, sucessos de bilheteria globais, indies e comédias. ‘É muito raro ler uma jovem que está perdida, se afogando, zangada e com fome de ser visto, que não é a idéia totalmente formada de alguém de como uma mulher deveria ser. ‘

Ela buscou um encontro com Gyllenhaal, durante o qual “nos aprofundamos na experiência de ser mulher, tanto no cinema quanto neste mundo”, diz Johnson. ‘Eu estava tipo:’ Eu farei qualquer coisa. Eu realmente queria segui-la ‘.’ Gyllenhaal ficou igualmente impressionado ao conhecer Johnson: ‘Dakota leu o roteiro e disse: “Eu quero tentar algo que nunca tentei antes, e eu quero fazer isso com você. ” E acho que foi isso que aconteceu. Eu meio que peguei sua mão e disse: “Vamos”.

Gyllenhaal lembrou Johnson de outras mulheres importantes em sua vida. Mulheres como Justine, que a puxou para outro nível. _ Não sei se você já teve isso em que conhece outra mulher e vê nelas partes de si mesmo que não sabia que tinha antes de se conhecer, _ explica ela. _ É quase como se eles mudassem o controle da sua vida. E Maggie tem sido essa pessoa para mim. Ela é uma buscadora da verdade.

Johnson fala muito sobre esse tipo de mulher. Aqueles cuja conexão tácita – semelhante àquela que eletriza Leda e Nina no filme – a empurra a evoluir. Mulheres como Sam Taylor-Johnson, que a dirigiu em seu papel em 50 Shades of Grey, Leslie Mann, sua co-estrela no próximo filme de sua própria produtora, Cha Cha Real Smooth, a sua terapeuta, que Johnson a chama de ‘full- sobre o herói’, e a mãe do ex namorado do altura da escola, que continua sendo importante para ela.

“Ela era apenas um tipo diferente de mãe,” ela explica sobre o último. “Ela é profundamente espiritual e focada. Minha mãe é carinhosa e carinhosa”, diz ela, “mas às vezes você precisa de algo mais de alguém.” A influência dessas mulheres na atuação de Johnson em The Lost Daughter, um filme calmo e abrasador que é honesto – e radical – sobre as realidades de como as mulheres se relacionam com a experiência de criar filhos.

Ao apresentar um retrato implacável da dura fisicalidade da maternidade, sua abnegação sufocante, sua barganha enlouquecedora e amor eufórico, The Lost Daughter de Gyllenhaal aborda questões que estão profundamente arraigadas na experiência da maternidade: e se você não gosta de ser mãe? E se você admitisse em voz alta? E se – como os homens fazem há anos – você abandonasse a responsabilidade por seus filhos?

Nas suas expectativas de trabalhar ao lado de sua famosa co-estrela Olivia Colman, Johnson é tipicamente plácida. “Bem, eu estava tipo, eu pergunto como ela vai ser?” Ela lembra. “Mas nós nos amávamos. Ela é tão maternal e afetuosa e sempre quer sair, beber vinho e conversar.” Johnson tem observado as mulheres reagindo a este filme enquanto ela assistia às exibições. Elas lutam. Elas choram. Ela percebeu que às vezes as mulheres mais jovens ficam com raiva. “Elas vão assistir Leda e dizer: ‘Ela é uma pessoa horrível, eu a odiei, ela é tão desagradável.”’ Durante as filmagens, Johnson pensou muito sobre a sua própria mãe, uma mãe trabalhadora de três filhos e alguém que ela descreve como capaz de tornar tudo possível. Ela foi capaz de ser uma mãe carinhosa, generosa e carinhosa, e fazer o seu trabalho e ser uma parceira incrível para os seus maridos. Mas também houve tempos realmente sombrios. Então, a questão é dizer que nada é perfeito o tempo todo – nada.

Eu pergunto se a Melanie já viu o filme. “Ela já o viu três vezes.” diz Johnson, erguendo as sobrancelhas. “Acho que vem de ter orgulho de mim. Eu também acho que é algo que ela não tinha visto nas telas antes, e ela fica tipo, “Você pode dizer: eu odeio ser mãe hoje?”

A sua avó, Tippi Hedren, ainda não viu o filme. “Acho que ela vai adorar”, diz ela, cheia de afeto. “Ela é tão complexa. A maioria das mulheres adora, eu acho. Depois que dói, eles adoram.”

“Plotwist – Gucci!” Dakota responde, quando eu pergunto quem fez a sua blusa lilás com laços, calças de cintura alta e casaco com fivela que ela está usando hoje. “Sair para o mundo, fazer cabelo e maquiagem e usar uma roupa para ter uma certa aparência, é super chocante”, diz ela. “Então, usar roupas nas quais eu me sinta eu é vital. Eu sinto que ok, esta é uma versão de mim.”

O seu conjunto a faz parecer uma mulher de negócios, uma identidade com a qual ela está tentando se acostumar. “Eu continuo colocando mais empregos em mim”, diz ela. A incorrigibilidade esteve parcialmente por trás da decisão de fundar a sua própria produtora em 2020, depois de ficar frustrada por não ter uma visão mais holística dos seus projetos de atuação. A Tea Time Pictures tem atualmente uma lista de 25 filmes e programas de TV, dois dos quais – Cha Cha Real Smooth e Am I OK? – que estreará no Festival de Cinema de Sundance.

“Por muito tempo, atuei em filmes e, quando sai, às vezes é completamente diferente. E é muito difícil lidar com isso como uma pessoa vulnerável para viver, porque parece que algumas coisas são roubadas”, explica Johnson. O objetivo do Tea Time é criar oportunidades para jovens talentos e, ao mesmo tempo, dar a Johnson e à sua cofundadora, a ex-executiva de desenvolvimento da Netflix, Ro Donnelly, a autoridade criativa que ela tanto desejava.

Além de assumir o papel de produtora, Johnson é investidora e co-diretora criativa da marca de bem-estar sexual Maude. “Quando a fundadora, Éva Goicochea, e eu nos conhecemos, pensei: É exatamente assim que penso sobre isso – o que quer dizer que os produtos devem ser inclusivos e diretos, limpos e acessíveis. Se você adora um vibrador rosa gigante, todo o poder para você. Essa não é a minha vibe – ha! Vibe,” diz ela, se controlando. “Mas acho que é saudável ter acesso a produtos de bem-estar sexual de qualidade.” Johnson está envolvida no desenvolvimento de todos os produtos, de vibradores a sabonetes. “Então, ser capaz de dizer…” Johnson para no meio da frase. “Só estou lembrando que tive um sonho com nosso plug anal na noite passada. Estávamos a olhar para os [protótipos] e um era grande demais. No meu sonho parecia assim ‘- ela pega duas cabaças decorativas da mesa e as mantém juntas -‘ e eu estava tipo, ‘Ninguém vai conseguir colocar isso no rabo!'” Nós rimos, mas Johnson vê o sonho como uma representação do seu desejo de explorar ‘o que pode ser a experiência mais agradável, chique e de qualidade’.

Filha de uma dinastia de Hollywood, empreendedora vestida de Gucci, atriz, parceiro, amiga leal … Há mais profundidades a serem descobertas por trás do exterior sereno de Dakota Johnson. Mas essas são camadas que ela descascará para os seus confidentes mais próximos e para os papéis que precisam dela para acessar essa crueza. O resto de nós faria bem em dar à incorrigível Dakota Johnson o espaço para continuar desafiando tudo; seja pelo barulho que o seu trabalho faz ou pelo silêncio que ela abraça.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




A atriz fala sobre a complicada representação da maternidade no seu novo filme, o seu drama de época que se aproxima e compartilha os seus segredos mais profundos e sombrios com a estrela de Normal People.

Dakota Johnson é imediatamente reconhecível na tela. Com o seu sorriso conhecedor e franja perfeita, a atriz de 32 anos cativou na franquia das 50 Sombras, encantou os críticos em A Bigger Splash, provou ser uma mulher magnética em How To Be Single e conquistou corações no Peanut Butter Falcon. Mas, em The Lost Daughter – o arrebatador filme de estreia de Maggie Gyllenhaal na direção, adaptado do romance do mesmo nome de Elena Ferrante – pode levar um minuto para identificar Johnson quando ela aparece pela primeira vez.

A atriz interpreta Nina, uma jovem mãe com longos cabelos negros, olhos delineados com lápis, tatuagens e um guarda-roupa de jeans, trajes de banho reduzidos e grossas argolas douradas. Ela está de férias na Grécia com a sua filha, Elena (Athena Martin), e o resto da sua família barulhenta e duvidosamente rica de Queens. Enquanto eles se rebelam, ela está vigilante e aparentemente inquieta. Por sua vez, a observando está Leda (Olivia Colman), uma professora de línguas em uma viagem solitária. Também na sua órbita estão dois homens bem-intencionados: o empregado grisalho da casa que Leda está alugando (Ed Harris) e um estudante (Paul Mescal), que passa os verões trabalhando na praia. As suas vidas são interrompidas quando Elena desaparece de repente, deixando Nina perturbada e Leda relembrando seu próprio passado tumultuado com suas duas filhas. O produto final é um estudo sensível de decepção, ambição e ambivalência materna, e é impossível tirar os olhos da impulsiva Colman e da enigmática Johnson.

Enquanto olhamos para o lançamento do filme nos cinemas e na Netflix, Johnson discute as filmagens na pitoresca ilha de Spetses durante a pandemia, enviando para Gyllenhaal fotos da Megan Fox como referências e subornando a jovem atroz que interpretou a sua filha.

The Lost Daughter é uma adaptação tão bonita. Foi o roteiro que te atraiu?

“Foi um roteiro incrivelmente lindo de se ler e então Maggie [Gyllenhaal] e eu tivemos uma reunião. Foi realmente honesto e comovente. Nós conversamos mais algumas vezes e então, ela deu-me o papel. Foi durante a pandemia, então Maggie e eu passamos muito tempo no Zoom, conversando e mandando músicas, fotos e recomendações de filmes. Maggie tem uma maneira incrível de trabalhar com atores porque ela é uma. Ela nos fez sentir tão seguros. Eu senti que poderia ir a extremos em qualquer direção e seria seguro. Muito disso era apenas sobre querer estar perto dela. ”

Quais foram esses filmes, músicas e fotografias?

“Foi quando estávamos a falar sobre fantasia, cabelo e como seria a aparência da Nina. Nós gostamos muito da Rosalía num ponto. Então, eu estava a enviar para Maggie fotos bem antigas da Megan Fox. Ela tinha essa sexualidade que parecia realmente entediada e eu gostava disso. É quase como se o que Nina estivesse a usar fosse o seu uniforme, mas ela o superou. É um uniforme selvagem e é uma foto dela que talvez ela tenha pintado para si mesma e agora está presa nele, ou talvez tenha sido pintada para ela por causa de sua aparência. É sobre ela querer se libertar das algemas dessa identidade. Há muito mais nela do que o que ela tem permissão para estar naquela família e naquele lugar. “

Como foi chegar à Grécia enquanto o mundo ainda estava em quarentena com este elenco incrível?

“Tenho o privilégio de fazer isso como meu trabalho, mas depois de filmar um filme na Grécia durante uma pandemia, quando as pessoas estavam trancadas nos seus apartamentos e a sonhar com uma praia? Foi realmente um presente e isso não passou despercebido por nenhum de nós. É uma ilha muito pequena e todos estavamos meio envolvidos no filme. As meninas que trabalhavam no café local eram algumas das figurantes. Estávamos todos juntos o tempo todo em uma bolha e todos nos tornamos muito próximos.”

A jovem atriz Atena, que interpretou sua filha, é maravilhoso. Como você se vinculou?

“Ela tinha quatro ou cinco anos quando estávamos a filmar. É confuso nessa idade, então fizemos tudo um jogo. Eu queria que ela se sentisse segura e conectada, então minha escolha era o suborno. Eu estava tipo, ‘Vou pegar sacos de doces para essa menina’. Ela pegou, mas não ficou impressionada.”

Como foi trabalhar com Olivia Colman? Nina e Leda passam muito tempo apenas olhando uma para a outra.

“Nós nos divertimos tanto. Somos boas amigas agora e eu a amo profundamente. Maggie nos deu espaço para brincar. Não tivemos nenhuma conversa profunda sobre a relação entre Nina e Leda, e ainda não. Há muitas camadas nesse relacionamento. Você se pergunta para onde está indo, assim como eles se perguntam para onde está indo. Mas, quando não estávamos filmando, Olivia e eu não estávamos falando sobre isso. Estávamos bebendo vinho. ”

E quanto a Paul Mescal? Você era fã do trabalho dele em Normal People?

“Oh meu Deus, sim. Uma super fã! No primeiro dia de filmagem, Paul e eu tivemos uma cena intensa. Não tínhamos nos conhecido, ele estava um pouco nervoso e eu empática. Para deixar todos confortáveis, contei a ele todos os meus segredos mais profundos e sombrios. Agora, estamos muito chegados. Ele é um ser celestial. Foi seu primeiro filme. Estou muito orgulhosa dele. “

E além de trabalhar com esses atores incríveis, qual foi o apelo de interpretar Nina, essa mulher misteriosa que quer ser mais do que apenas a garota gostosa da praia?

“Não é que ela queira ser algo mais, mas ela é algo mais. Mas, talvez ela tenha crescido em uma família ou sociedade onde não tem permissão para ser algo mais ou não é vista por quem ela é. Isso é muito interessante para mim. Existem tantas pessoas diferentes em nós. Nina está se afogando em si mesma e quando ela conhece Leda, ela pensa: ‘Há algo mais para mim? Minha mente poderia estar com menos fome? Será que eu poderia estar saciado? ‘A coisa mais dolorosa é que ela provavelmente nunca estará e isso é verdade para tantas mulheres. ”

Você também espera que o filme faça as pessoas questionarem seus preconceitos sobre a maternidade?

“Estou muito interessada neste mundo onde as mulheres não têm permissão para sentir seus sentimentos, estejam elas com medo ou desconfortáveis. Ainda não sou mãe, mas o que é interessante para mim é que este filme dá às mães permissão para sentir todos os sentimentos complicados que vêm com isso. E permite que as mulheres que ainda não são mães ou que não querem ser mães sintam como se sentem. Ainda existe esse estigma em torno de algumas mulheres que não querem ser mães e eu só penso, por quê? Talvez isso seja um pequeno empurrão no sentido de desestigmatizar aqueles sentimentos complicados em torno da feminilidade e da maternidade. ”

Veremos você na tela a seguir em Persuasão?

“Persuasão foi tão divertido. Fazer um filme de Jane Austen é o sonho, e há apenas alguns deles, então me sinto incrivelmente sortuda. O elenco é incrível e nossa diretora, Carrie Cracknell, é fantástica. Acho que ainda estão na edição, mas estou tão curiosa para ver como ficará.”

E, além disso, como você está se sentindo sobre o estado do mundo agora?

“É profundamente doloroso e não há como contornar isso. Eu acredito nas pessoas, na bondade e na nossa capacidade de evoluir, e entendo que às vezes as coisas têm que piorar antes de melhorar, mas é difícil. É uma época angustiante para a maior parte do mundo. Como indivíduo, você se sente tão desesperado, mas todos podemos ajudar uns aos outros. Eu realmente espero que as coisas melhorem logo.”

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson falou sobre os seus “sentimentos complicados” em relação à maternidade antes do lançamento do seu novo filme, The Lost Daughter, baseado no livro homônimo de Elena Ferrante. O drama psicológico, que também é estrelado por Olivia Coleman, segue uma mãe de meia-idade enquanto ela navega pela liberação surpresa que encontra depois que as suas filhas mudam-se, ao mesmo tempo que é cativada pelo relacionamento de outra mãe e da própria filha.

Falando sobre como o filme aborda o conceito de se tornar uma mãe, Johnson, que estrelou ao lado de Jamie Dornan em Cinquenta Sombras de Grey, disse ao The Times: “O filme torna OK ter sentimentos complicados sobre ser mãe.”

Apesar de interpretar uma jovem mãe no filme, a jovem de 32 anos ressaltou que atualmente está indecisa sobre se deseja ter filhos para si mesma. O seu parceiro Chris Martin, com quem está desde 2017, tem dois filhos (de 17 e 15 anos) de seu relacionamento anterior com Gwyneth Paltrow. “Para alguém como eu, que ainda não é mãe e talvez não queira ser mãe, [o filme] deixa tudo bem. Complicado, mas tudo bem”, acrescentou ela, marcando o seu ponto.

Além disso, Johnson falou sobre como The Lost Daughter destaca as conversas que muitas vezes não temos sobre a maternidade – particularmente como algumas mães lutam para se ajustar ao seu novo papel. “Não sou mãe, mas sei o que é sentir medo ou ficar tipo, ‘Serei uma boa mãe?'”, disse ela ao Hollywood Reporter. “Mas, por algum motivo, existe um estigma em torno de falar sobre isso. E existe um estigma em relação a apenas pensar: ‘E se eu sair por aquela porta? Por uma semana ou um minuto para fumar.’ Mas não deveria dizer isso em voz alta. Porquê? É tão humano e tão identificável’. ”

É um assunto que a diretora do filme Maggie Gyllenhaal também queria enfatizar. “Eu tinha todas essas coisas na minha mente [como mãe], mas não as vi representadas em lugar nenhum”, disse ela ao The Times. “Fiz um filme que é uma expressão minha e é sobre maternidade. Porque a minha identidade como mãe é uma grande parte de quem eu sou e isso é verdade para muitas mulheres.”

The Lost Daughter será lançado no Reino Unido na Netflix em 31 de dezembro.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Olivia Colman, Dakota Johnson e Jessie Buckley sobre a arte e a vulnerabilidade no coração do thriller psicológico.

Visto pelos olhos da atriz e cineasta Maggie Gyllenhaal, The Lost Daughter é uma exploração terrivelmente honesta dos efeitos raramente discutidos da maternidade sobre a sexualidade e o senso de identidade de uma pessoa. Adaptado do romance de Elena Ferrante, o longa-metragem de estreia de Gyllenhaal é em partes iguais drama e thriller emocional. A história segue Leda, uma professora de literatura italiana de 48 anos que fica obcecada por uma jovem mãe, Nina, durante umas férias à beira-mar. À medida que o relacionamento se intensifica, Leda é forçada a enfrentar as decisões transgressivas que tomou em relação às duas filhas, contadas em flashbacks. É também, Gyllenhaal admite, “Escuro, com aspectos dolorosos. Leda é uma pessoa difícil, difícil de se conviver. ”

Escolher uma atriz que pudesse retratar as nuances da protagonista complexo exigia duas coisas: “Primeiro, ela não pode ser louca. Se ela é louca, já vimos essa pessoa antes, e então todos podem simplesmente dizer, ‘Olhe para aquela mãe má que é tão louca’. Eu também senti que era importante ser maravilhoso, engraçado e humano”.

Havia apenas uma escolha em sua mente: Olivia Colman.

Muitas atrizes ganhadoras de Oscar e Emmy precisariam de um duro golpe para concordar em estrelar um filme independente dirigido por um diretor emergente. Mas para Colman, cujos projetos recentes incluem The Favorite de Yorgos Lanthimos e o papel da Rainha Elizabeth II em duas temporadas de The Crown, o fator decisivo para ingressar em The Lost Daughter foi uma garrafa de vinho compartilhada e a promessa de diversão.

O roteiro foi muito, muito bem escrito”, diz Colman. E como mãe, “Eu adoro que todas essas coisas tenham sido faladas honestamente, ao invés de mulheres que têm filhos são santas, elas nunca têm pensamentos maus.”

Gyllenhaal sabia que um “sim” dificilmente era dado, mas ela não sabia que o almoço era, como Colman confessa com uma risada, “um teste de tornassol. Achei que devíamos tomar um copo de alguma coisa, e ela disse, ‘Sim’, e eu pensei, OK, isso é bom. Porque em Londres, muitas vezes se você está almoçando, você toma uma taça de vinho, mas em Los Angeles eu acho que eles desaprovam isso. Então, pensei que nos daríamos bem e nos divertiríamos”.

A atriz não apenas concordou em estrelar o filme, mas sugeriu que a atriz irlandesa Jessie Buckley interpretasse Leda, de vinte e poucos anos, um papel crucial, já que grande parte do filme se baseia na compreensão do personagem e na decisão que mudou sua vida quando era uma jovem mãe. “Leda faz algo realmente abominável”, explica Gyllenhaal, “E ainda assim nos relacionamos com ela, nós a entendemos. Tivemos experiências, sentimentos, desejos e pensamentos como os dela. ”

Pouco depois de seu almoço com Colman, a diretora foi ao cinema assistir a estrela de Buckley em Wild Rose, no qual ela interpreta uma mãe solteira escocesa que acabou de sair da prisão e está determinada a ser cantora de música country. Gyllenhaal partiu sabendo que ela havia encontrado sua jovem Leda. “Fiquei completamente maravilhada com ela”, lembra ela. Quando os dois se conheceram logo depois, Buckley ficou igualmente impressionado com Gyllenhaal e o roteiro.

“Não sou mãe, mas conheço todas essas mulheres”, diz Buckley. “Não acho que Leda seja uma má mãe. Na verdade, acho que ela é uma mãe incrível, e o que ela dá às filhas é cortar o cordão da repressão. Não há muitos filmes onde isso seja explorado. Isso me fez respirar, tipo, graças a Deus. Não temos que fingir.”

Com a confirmação de Leda dos dias atuais e de vinte e poucos anos, restou escalar o elenco para o papel de Nina, uma bela jovem lutando como mãe de um bebê. Quando Nina conhece Leda, ela busca consolo na mulher mais velha, sem saber de seus segredos. Dakota Johnson, que foi aclamada por suas atuações nos filmes A Bigger Splash e Suspiria, de Luca Guadagnino, entre outros papéis, pressionou Gyllenhaal a considerá-la para o papel e impressionou o diretor com sua determinação em investigar as sutilezas de sua personagem.

“Ela poderia ter sido apenas a mulher atraente da praia”, diz Johnson, “mas ela está com fome e sente-se invisível”. Apesar de não ser mãe, a atriz não teve dificuldade em se identificar. “Existe essa crença ou mentalidade antiquada de que as mulheres devem simplesmente fazer funcionar, descobrir, ser a mãe, não deve ser muito barulhenta ou muito zangada ou muito sexy ou muito inteligente ou muito estúpida”, explica ela. “É impossível. E acho que as mães, especificamente, foram programadas para pensar que se você disser, ‘Há algo para mim?’, Isso é egoísta de certa forma. E eu acho que não. ”

“Eu sou um pouco como a Nina”, ela continua, “Eu senti que às vezes na minha vida ninguém vê o coração ou a mente que eu vejo. Eu tenho aqueles momentos o tempo todo em que eu fico tipo, ‘Foda-se, eu não posso’. Você tem que fazer, porque é um alívio”.

Os planos de nos reunirmos para discutir a dinâmica emocional no centro do filme em pessoa foram repentinamente suspensos com o surgimento de COVID e os bloqueios subsequentes. As reuniões com Gyllenhaal mudaram para o Zoom, e Colman e Buckley, que não compartilham nenhuma cena, limitaram suas idas e vindas de pré-produção sobre o papel a mensagens de texto. Gyllenhaal enfatizou para cada mulher que não havia necessidade de se preocupar em se parecerem muito; como Colman diz: “Uma mulher na casa dos vinte é diferente do que ela na casa dos quarenta, então seremos diferentes”.

Discutindo a história da inglesa, Colman diz que as duas atrizes decidiram que Leda “teria raízes da classe trabalhadora – ela saiu por meio da educação e queria uma família”. Se lembra de Buckley, “A extensão disso foi, ‘Que sotaque você está fazendo?’ E, ‘Que palavrão italiano você já conhece?’ Olivia poderia dizer um palavrão melhor do que eu.”

Enquanto isso, Gyllenhaal corria para transferir a produção de um local à beira-mar na América do Norte para Spetses, uma pequena ilha na Grécia, onde haveria menos restrições para reunir o elenco internacional. No outono de 2020, as três estrelas chegaram para uma quarentena de 14 dias em seus respectivos quartos de hotel antes de se reunirem no jardim para finalmente se encontrarem pessoalmente. Juntando-se a eles para coquetéis e música estava o resto do conjunto: Ed Harris, que interpreta Lyle, um expatriado que recebe Leda na ilha; O marido de Gyllenhaal, Peter Sarsgaard, que interpreta o professor Hardy, amante da jovem Leda; Paul Mescal como Will, um trabalhador do resort; e Dagmara Domińczyk como Callie, cunhada de Nina.

Foi, de acordo com todos, uma festa de amor imediata. “Ter cenas com Dakota sempre foi: Oh, que bom, tenho um dia com ela”, diz Colman. “Ela é uma atriz brilhante e tão engraçada. Ela tem uma ótima experiência de vida, e Maggie deixou que ela mostrasse isso. ”

No set, as demandas emocionais de interpretar personagens à beira de um colapso foram intensas para as duas atrizes mais jovens. Para Johnson, houve pressão durante as cenas em que sua personagem aparece em trajes de banho reveladores e sofre a atenção lasciva dos homens. “Eu estava tão vulnerável emocionalmente”, diz ela, “mas também, estando com esses maiôs que eram apenas, como fio dental, acho que parecia, Sim, aqui estou.” Ela foi apoiada por Gyllenhaal e animada por Colman, que compartilhou: “É realmente revigorante”, enquanto aplaudia a bravura e a confiança de Johnson no set.

Colman apoiou igualmente Buckley e o arco tenso de sua personagem, o que em última análise a leva a perceber que a vida de mãe é insustentável. “Acho que essas coisas são as mais difíceis de assistir”, diz Colman, “porque há um momento em que ela é claramente a melhor mãe de todos os tempos, e então é demais. Estou tão feliz por não ter que fazer essas partes.” Ela estava igualmente grata por estar do outro lado do caso de amor de seu personagem em comum. “Estou tão feliz por não ter feito nenhuma das cenas de sexo que Jessie teve”, disse Colman. “Ela foi incrível.”

Quando as filmagens terminam no final de cada dia, as atrizes abraçam sua grande fortuna não só de estarem juntas, mas também de estarem juntas na Grécia. Gyllenhaal e Buckley costumavam dar um mergulho juntos no Egeu antes de voltar para o hotel, onde o elenco e a equipe estavam hospedados. “Não era o tipo de trabalho em que você sai e fica sozinho no final do dia, odiando a si mesmo”, diz Johnson, rindo. “Jantávamos e bebíamos juntos.”

Depois do jantar, Colman poderia contar para manter a festa. “Acabávamos no quarto de Olivia tomando vinho e cantando muito até as 3 da manhã”, diz Buckley. “Ela é apenas um dos melhores humanos do mundo.”

Sua camaradagem durou muito depois que o elenco e a equipe técnica deixaram a Grécia para suas respectivas casas. “Existem poucos empregos na minha vida em que mantenho contato com as pessoas, mas essas pessoas – somos todos muito próximos”, diz Johnson. “Se eu estiver em Londres, irei para a casa de Olivia. E se eu estiver em Nova York, irei para a casa de Maggie. Eu cheguei a um ponto em minha vida que quando amo as pessoas, eu realmente quero que elas saibam disso, e quero que elas saibam o porquê. E é tão bom que eles sintam o mesmo. ”

O que as mulheres também concordam é o quão honradas elas se sentem por ter participado dessa história destemida e assegurada aos outros de sua humanidade compartilhada. “Fizemos algo realmente honesto”, diz Colman. “Eu acho que muitas pessoas vão dizer, ‘Oh Deus, eu me senti assim’. E isso não foi dito em voz alta antes.”

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




Dakota Johnson é devastadoramente estilosa, inabalavelmente descolada e o brinde da crescente temporada de premiações. É de se admirar que ela esteja se divertindo muito?

Dakota estava a dançar com um vestido vermelho justo, enormes aros de ouro pendurados nas suas orelhas. Ela estava no Telluride Film Festival no início deste ano para o lançamento de seu último filme, The Lost Daughter, escrito e dirigido por Maggie Gyllenhaal, quando a Netflix se ofereceu para oferecer um jantar ao elenco. “Maggie estava tipo,‘ Em vez de jantar, vamos dar uma festa ’”, diz Johnson. Então, eles convidaram todos os outros filmes em exibição no festival para um restaurante local, que rapidamente se tornou o evento mais badalado da cidade. Benedict Cumberbatch, Jamie Dornan e Kirsten Dunst festejaram enquanto Whitney Houston berrava nos alto-falantes.

Havia muito o que comemorar. Apenas 24 horas antes, The Lost Daughter havia estreado e aplaudido de pé no Festival de Cinema de Veneza. Após a exibição (Johnson esqueceu-se de trazer os óculos, mas ela relata: “Eu acho que foi lindo”) houve tempo para uma rápida taça de champanhe antes que ela, Gyllenhaal e Peter Sarsgaard embarcassem em um jato para Telluride para fazer tudo de novo. Era muito para absorver. O filme, um retrato íntimo de mulheres complexas fazendo escolhas indescritíveis (também estrelado por Olivia Colman), foi filmado com um pouco de dinheiro em uma pequena ilha grega no auge da pandemia, um mundo longe do circuito de festivais. Agora, de repente, estava sendo considerado um grande candidato ao prêmio. Também havia a questão de simplesmente estar fora de casa.

Num ponto, Johnson e a sua diretora entrelaçaram os braços na improvisada pista de dança e se olharam com saudade. As fotos geraram um frenesi no Twitter, como os momentos do tapete vermelho de Johnson fariam repetidamente durante a turnê de imprensa de The Lost Daughter, mas Johnson deu de ombros e disse: “Eu nem sabia que havia um fotógrafo lá.”

Não que ela tivesse feito algo diferente. Por que ela deveria? Johnson pode ser a pessoa perfeita para nos conduzir à Grande Restauração. Ela é uma estrela de Hollywood de terceira geração que liderou a franquia mais polêmica em anos, Fifty Shades of Grey, então se recusou a deixar qualquer uma dessas coisas defini-la. Estamos falando sobre uma mulher cuja persona pública é glamorosa, mas também friamente travessa; ela gritou abertamente (e de forma hilária) Ellen DeGeneres por mentir sobre uma festa de aniversário e sobreviveu para contar a história, e ela revelou recentemente que Jimmy Kimmel é um ótimo vizinho, “exceto que eles dão muitas festas e não me convidam.” Certamente Kimmel atualizará sua lista de convidados para incluir a aspirante ao Oscar, que agora está se preparando para dirigir seu primeiro longa-metragem e, a se acreditar no New York Post, recentemente se mudou para uma casa de US $ 12,5 milhões em Malibu com seu namorado rockstar, Chris Martin, que a chamou de “meu universo” no palco em outubro, uma rara confissão pública para o casal privado. Você pode culpá-lo? Ela é a garota do momento neste momento muito estranho.

As festas dançantes se tornariam uma tradição para a equipe de The Lost Daughter, que desistiu novamente depois de uma exibição no Festival de Cinema de Nova York em outubro. Johnson e Sarsgaard compartilharam sua playlist com o DJ do Altro Paradiso no Soho. “Eram muitos Talking Heads, os Cranberries”, diz Johnson, que – algum tempo depois, de volta ao hotel – usou um kit de furar e cutucar para fazer a Colman sua primeira tatuagem. (“Talvez tenha sido eu sendo completamente seduzido por essa pessoa linda e querendo que ela pensasse que eu era legal”, diz Colman. “Ou talvez fosse minha crise de meia-idade.”) Resumindo esse retorno pós-vacina à alegria, Johnson diz: “A questão é que as pessoas não estão se comportando normalmente. Se você vai a uma festa, fica furioso. ”

Nada sobre o caminho de Johnson poderia ser descrito como normal. Esta vida e carreira? Eles parecem predeterminados e impossíveis. Ela fez sua estreia na tela grande como uma cama mista Justin Timberlake em The Social Network, mas o público já estava vagamente ciente dela. Ela foi Miss Golden Globe 2006, neta de Tippi Hedren, filha de Melanie Griffith e Don Johnson, enteada de Antonio Banderas. Ela era uma menina que – aos seis anos – entregou uma cesta de Páscoa para Madonna no set de Evita.

Johnson está sentada em um estande no Sunset Tower Hotel, a imagem do descolado e descolado em um vestido estampado laranja da Rodebjer, enquanto discutimos sua infância peripatética. O Tower Bar é um refúgio seguro para as celebridades, mas especialmente para Johnson, que celebrou seu 16º aniversário aqui. “Éramos eu e um bando de garotas na cobertura”, diz ela. “Tenho certeza de que bebi uma garrafa de Hypnotiq.” Hyp-o quê? “Ninguém deveria saber o que é. É um licor. É azul brilhante. ” Depois de devidamente bêbada, ela e suas amigas correram para o outro lado da rua até o infame Saddle Ranch, onde turistas montam um touro mecânico. Johnson deu uma volta? “Não”, ela diz, “eu não montei o touro … Não naquela noite.”

Johnson aparentemente sempre soube o que ela estava fazendo e tinha um radar perfeito para se divertir. Quando ela disse ao pai que queria faltar à faculdade para se tornar atriz, ele a interrompeu, querendo ter certeza de que ela realmente trabalharia. E ela apareceu, aparecendo em mais de 20 filmes na última década, de comédias de grande orçamento a dramas atenciosos e até mesmo um remake artístico do clássico de terror Suspiria. Só para constar, Johnson chama a atuação de “ancestral”, não de “genética”, e a distinção faz sentido. Em comédias como Working Girl, sua mãe era uma mulher heterossexual, com uma voz ofegante e uma sexualidade excêntrica. Johnson, por sua vez, é um fio elétrico – todas escolhas imprevisíveis, brandindo seu corpo como uma arma em filmes como A Bigger Splash de Luca Guadagnino, onde sua mera chegada a uma casa de férias ameaça derrubar o status quo. Não é só na tela que não conseguimos tirar os olhos dela. Lá está ela sentada na primeira fila da Gucci, apoiando seu amigo, o designer Alessandro Michele, ou nos tabloides, comprando e reformando a antiga casa de Ryan Murphy em Hollywood Hills, transformando-a em um retiro moderno perfeito de meados do século decorado com obras de David Hockney e Alice Mann.

Nada poderia detê-la. Até que, bem, tudo parou no início de 2020. “Eu estava tipo,‘ Uau, isso é demais ’”, diz ela. “De repente, as pessoas ficaram com medo absoluto.” Como todo mundo que teve a sorte de se abrigar no local, ela tomou algumas decisões estranhas, incluindo comprar uma casa no Colorado – sem ser vista – porque ela havia passado um tempo no estado quando criança. Foi uma escolha emocional semelhante à maneira como ela escolhe os projetos. Johnson é alguém que sente muito; ela tem a palavra “tenro” tatuada em seu antebraço.

O mundo estava fechado há quatro meses quando Gyllenhaal ligou para dizer que The Lost Daughter estava pronto. Seria um dos primeiros filmes a ser rodado nesta era, e embora houvesse projetos de alto perfil competindo pela atenção de Johnson, ela não conseguia se livrar deste. À primeira vista, é uma escolha curiosa. O filme é baseado em um romance de Elena Ferrante, mas não há quase nada no caminho do enredo. Olivia Colman estrela como Leda, uma professora de férias na Grécia que fica fascinada por uma jovem mãe, Nina (Johnson), que viaja com seu marido, filha e parentes. Quando a filha de Nina desaparece brevemente e Leda a encontra na praia, uma tentativa de amizade se desenvolve entre as duas mulheres.

Embora Johnson seja uma “estrela de cinema”, como Gyllenhaal coloca, a história é contada através dos olhos do personagem de Colman. Mas de certa forma, faz sentido que Johnson se sinta atraída por um papel coadjuvante como esse. Ela é uma atriz cujo corpo foi usado para vender uma franquia censurada que rendeu mais de US $ 1 bilhão; The Lost Daughter ofereceu uma chance de desempacotar parte dessa objetificação. Gyllenhaal diz: “Nina é tão linda. Sua sexualidade é a moeda com a qual ela se move pelo mundo. E então ela se encontra de repente – eu não sei, 30 – morrendo de fome. ”

Johnson disse: “Nina era uma garota que é muito mais do que aparenta ser e tem tanta fome de ser vista. Foi uma honestidade que eu não tinha visto em um filme sobre mulheres que são imperfeitas e abertas e nem sempre bonitas. ”

A fim de obter cenas difíceis para representar, Gyllenhaal sussurrava segredos nos ouvidos de suas atrizes e, em seguida, deixava as câmeras rolarem. Mas nem tudo foi um trabalho árduo. Johnson estava mobiliando a sua casa no Colorado na época, e quando ela descobriu que Colman compartilhava uma obsessão por design de interiores, as duas passaram horas em sites como 1stdibs e Chairish. Um sofá de veludo rosa adornado agora adorna a sala de estar de Johnson. Talvez algo tão cotidiano como encontrar tecidos fosse a libertação perfeita de um assunto tão difícil? Colman diz que é um bom pensamento. “Eu deveria estar dizendo isso, mas na verdade nós nos divertimos muito”, ela me diz. “Geralmente, se um filme é sobre coisas muito difíceis, você acaba rindo muito.”

Ainda assim, não havia distração da carne da coisa. The Lost Daughter (que estreia nos cinemas em dezembro antes de ser transmitido no Netflix na véspera de Ano Novo) faz perguntas espinhosas sobre a maternidade, o sacrifício, a autoestima e o arrependimento. Eu me pergunto se Johnson já teve essas conversas com sua própria mãe. “Na verdade, falei com ela algumas semanas atrás. Eu estava tipo, ‘Há algo que você sonhou em fazer e nunca fez?’ E ela disse: ‘Não. Eu queria ser mãe e ter uma família. ‘Isso era coisa dela. ”

Johnson talvez ainda esteja lutando com essas questões. (Ela é uma pessoa extremamente reservada. Quando questionada onde ela está morando agora, ela desvia: “Estou morando em todo lugar.”) Foi Johnson quem procurou este projeto, e quando ela e Gyllenhaal se conheceram durante o almoço, o diretor lembra: “Dakota me disse, ‘Eu quero ir fundo. Eu quero fazer um filme onde eu possa explorar as coisas que estão na minha mente. E algumas dessas coisas são incomuns e dolorosas. ’”

Alguns meses atrás, Johnson estava em Bath, Inglaterra, filmando uma adaptação moderna da Persuasão de Jane Austen, correndo pela floresta com um espartilho, apesar de ter uma infecção renal – eufórico com o material, mas também com dor. O romance é sobre Anne Elliot, que, a pedido de sua família, rejeita um homem apenas para se arrepender dessa decisão anos depois. É sempre a temporada de Jane Austen em Hollywood, mas eu pergunto a ela o que esse personagem a atraiu agora? “Parte disso era ser uma mulher que estava na família errada, no lugar errado e nunca foi vista”, diz Johnson. “Ela tem o maior coração, mas está meio presa.”

É a segunda vez que Johnson fala sobre ser atraída por um personagem que está “presa”. Talvez seja isso que ela está se irritando enquanto o mundo retorna, ou contra o que todos os jovens de 32 anos estão lutando: a convenção. Talvez não seja suficiente emergir da pandemia dançando nas mesas – trata-se de sofrer as maiores oscilações. No ano passado, Johnson investiu em uma empresa de brinquedos sexuais de design avançado chamada Maude e depois se tornou o co-diretor criativo da empresa. Por que não enfrentar uma empresa que oferece um frasco de lubrificante elegante o suficiente para deixar no balcão? Ou lançar no universo que você deseja estrelar em uma adaptação de Just Kids de Patti Smith (“Esse é o sonho. É tudo que eu quero”)? Ou fazer uma tatuagem para Olivia Colman? De certa forma, não é diferente de algo que a mãe de Johnson costumava dizer a ela: “Não faça nada se isso não fizer seu coração bater mais rápido.”

Em 2022, Johnson dirigirá o seu primeiro longa-metragem. O projeto ainda não foi anunciado e ela teme até mesmo falar sobre ele, mas dirá que se passa em “uma ilha mítica”. Sobre o projeto, ela diz: “Nós conversamos sobre outra pessoa dirigindo, mas eu estava sonhando com isso, tendo ideias o tempo todo. Está em meus ossos, esta história. Eu fico tipo, ‘É muito cedo?’ Mas está acontecendo. Eu vou fazer isso.” Isso parece ser exatamente o que funciona melhor para Johnson: dance como se ninguém estivesse olhando, e o mundo pode não ser capaz de desviar o olhar.

Fonte | Tradução e Adaptação: Equipa DJPT




parceiros
layout desenvolvido por lannie d. - Dakota Johnson Portugal